Nasser Al-Attiyah entra a todo o gás no “Dakar”

Paulo Gonçalves (Honda) foi o melhor português na primeira etapa da prova de todo-o-terreno disputada e solo peruano, ao terminar em 11.º lugar a ligação entre Lima e Pisco.

Texto: PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Joan Barreda Bort conduziu a Honda CRF 450 Rally ao topo da classificação nas duas rodas

Apesar de curto (84 km), o Sector Selectivo de abertura da edição 2019 do “Dakar”, deixou marcas traduzidas nas diferenças de tempo registadas, nas várias competições, diferenças essas que costumam ser menores em idênticas circunstâncias. A areia, que caracterizou a etapa inaugural e que se vai manter ao longo de toda a prova, vai ser uma dificuldade permanente, para além dos problemas de navegação, com os eventuais “atascanços” a puderam condicionar os resultados.

Nas motos, o espanhol Joan Barreda Bort (Honda), apontado como um sério candidato a interromper o domínio das KTM, entrou ao ataque, foi sempre o mais rápido e ganhou quase dois minutos ao chileno Pablo Quintanilla (Husqvarna), com o inglês Sam Sunderland (KTM), em quinto, a ser o melhor da marca austríaca.

Paulo Gonçalves, em defesa das cores Monster Energia Honda Team, foi o melhor português

Entre os portuguese, e apesar de estar a testar a sua condição física, Paulo Gonçalves (Honda), que começou de forma cautelosa, foi o mais rápido ao averbar o 11.º tempo, a mais de seis minutos do seu colega de equipa. Já o seu cunhado, Joaquim Rodrigues Jr. (Hero), foi o 23.º, a 10m14s de Joan Barreda Bort, que terminou esta primeira especial em 57m36s, com o piloto de Seia, Mário Patrão, aos comandos de uma KTM oficial, foi 36.º, cedendo 17m13s para o vencedor.

Já o campeão nacional de todo-o-terreno, António Maio (Yamaha), foi o 40.º mais rápido, a 18 minutos do primeiro, logo seguido do luso-alemão Sebastian Bühler (Yamaha), que gastou apenas mais três segundos do que o alentejano e capitão da GNR.

David Megre (KTM), a 19m14s, foi 44.º, num dia marcado pela descompressão, em que se limitou a pilotar a moto e a ter o primeiro contacto com a areia e sem arriscar absolutamente nada, enquanto Fausto Mota (Husqvarna), que há vários anos está radicado em Espanha, foi 62.º, a 24m38s do vencedor.

Miguel Caetano (KTM) ficou a 41m25s, no 98.º lugar, com o emigrante na Suíça Hugo Lopes (KTM) a encerrar a classificação das duas rodas, no 135.º posto, com 1h48m35s de atraso. Nota ainda para o 113.º lugar do italiano Nicola Dutto, um piloto paraplégico que compete numa KT adaptada.

Nasser Al-Attiyah e Matthieu Baumel lideram o Dakar entre os automóveis

NASSAR IMPERIAL COM A TOYOTA HILUX

Na luta entre os favoritos nos automóveis, a vitória sorriu ao catari Nassar Al-Attiyah (Toyota Hilux), que voltou a começar bem nas dunas peruanas, vencendo a primeira especial com 1.59 minutos de vantagem para o espanhol Carlos Sainz (MINI) e 2.00 minutos para o polaco Jakub Przygonski (MINI).

O francês Sébastien Loeb, navegado pelo compatriota Daniel Elena (Peugeot 2008 DKR) foi um dos favoritos que mais tempo perdeu. A formação gaulesa, que esta temporada regressa ao Campeonato do Mundo de Ralis (WRC), para defender as cores da Hyundai Motorsport, cedeu 6m7s nos 84 quilómetros, terminando em 13.º lugar. Já o português Filipe Palmeiro, que navega o chileno Boris Garafulic (MINI), foi 16.º, a 6m47s.

Robby Gordon e Kellon Walch

Nos UTV, o norte-americano Robby Gordon, navegado por Kellon Walch, (Team Speed Textron Wildcat XX), precisou de 1h10m09s para concluir a tirada, arrasando a concorrência, ganhando mais de seis minutos aos compatriota e seus companheiros de equipa Blade Hildebrand e Bill Conger. Já Tim Coronel e Tom Coronel (Maxxis Dakar Team) terminaram em terceiro, a 7m55s do norte-americano.

Nos SxS, o brasileiro e favorito Reinaldo Varela (Monster CAN-AM), dominou o SS, com o tempo de 1h11m13s, podendo ter dado o primeiro passo para repetir o sucesso do ano passado. Entre os portugueses, Miguel Jordão, navegado por Lourival Rondan (South Racing CAN-AM), ficou à porta do “top ten”, a 6m39s do piloto brasileiro, com Ricardo Porém e Jorge Monteiro, a ficarem duas posições atrás, a 7m36s de Reinaldo Varela. O português Pedro de Mello Breyner e o peruano Javier Uribe, conduziram o Yamaha YXZ 1000 R Extramotin com s cores da Alta Ruta 4×4 Peru ao 26.º lugar, a 26m18s do vencedor da tirada.

SEGUNDA ETAPA (TERÇA-FEIRA)

O “Dakar” ruma a San Juan de Marcona e depois de um SS pequeno (84 km), mas que proporcionou já diferenças significativas, amanhã a ligação entre Pisco e San Juan de Marcona integra um SS com 342 km, dos 553 km que compõem o percurso.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação