Álvaro Parente sensibilizado com o novo McLaren

Português foi um dos protagonistas das 12 Horas do Golfo, tendo liderado grande parte da segunda metade da prova para terminando em oitavo na estreia competitiva do novíssimo McLaren 720S GT3.

(auto.look2010@gmail.com)

Álvaro Parente

Álvaro Parente, na companhia de Shane van Gisbergen e Ben Barnicoat, debutou a nova máquina de Woking e rapidamente esta demonstrou potencial, permitindo ao trio assegurar o quarto lugar na grelha de partida na qualificação.

A corrida deste sábado era composta por duas metades de seis horas, tendo Álvaro Parente, na companhia dos seus colegas de equipa, rodado sempre entre as posições do pódio, chegando a meio da prova na segunda posição.

Na segunda parte, os homens do carro “laranja” estavam determinados em levar de vencida a prova de estreia do McLaren 720S GT3, passando para a liderança logo nos primeiros minutos das derradeiras seis horas de corrida para construir uma boa vantagem para os seus perseguidores.

No entanto, a menos de uma hora da bandeirada de xadrez, a juventude do carro de Woking veio ao de cima e uma contrariedade num amortecedor acabou por implicar uma passagem nas boxes que custou mais de quatro voltas e descer de primeiro para oitavo. No final da prova, Álvaro Parente estava, evidentemente, aborrecido com o sucedido.

«Estava tudo a correr muito bem e estávamos até mais competitivos do que esperávamos, dado que tínhamos um carro completamente novo em pista e que estamos ainda a conhecer. Estávamos confortáveis no comando e o triunfo parecia uma forte possibilidade. Contudo, tivemos um daqueles pequenos problemas típicos de um automóvel novo e fomos obrigados a perder muito tempo nas boxes. Foi uma pena, dado que a equipa, pilotos e o McLaren 720S mereciam a vitória», afirmou o piloto que defendeu as cores da McLaren Costumer Racing.

Apesar do desapontamento final, Álvaro Parente mostrou-se entusiasmado com o seu regresso à McLaren e impressionado com o potencial do novo carro de Woking.

«Foi bom regressar! Encontrei pessoas com quem já trabalhei e foi um reencontro muito positivo, que rapidamente me fez sentir em casa. O 720S GT3 é um carro com um grande potencial e penso que terá um futuro brilhante pela frente. É preciso trabalhar ainda em algumas áreas, mas tem as características necessárias para ser um vencedor», sublinhou Álvaro Parente.

Com as 12 Horas do Golfo, o português terminou a sua temporada de 2018, durante a qual disputou quatro competições distintas, para lá da prova realizada este fim-de-semana, passando por quatro carros diferentes.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação