André Sousa regressa após 75 mil km em minimoto

O motociclista André Sousa, que em julho de 2020 começou uma volta ao mundo em minimota, completará a viagem em 8 de abril, regressando a Portugal após mil dias exatos de viagem e 75.000 quilómetros por 52 países.

(auto.look2010@gmail.com)

O jovem de Oliveira de Azeméis entrará em território nacional pela fronteira de Elvas e Badajoz, seguindo depois na companhia de diferentes grupos de “motards” até Aviz, no distrito de Portalegre, onde celebrará o facto de, com esta aventura, se tornar «o primeiro motociclista a ter dado a volta ao mundo numa moto pequena, numa viagem em contínuo, a solo e por todos os continentes».

O procedimento que formalizará essa experiência como recorde mundial será depois assegurado pela marca Honda, que patrocinou o veículo em que André Sousa fez a viagem, mas, segundo declarou à Lusa, a partir da Mauritânia, «o mais importante deste projeto era demonstrar que qualquer pessoa pode dar a volta ao mundo numa moto de baixa cilindrada e sem gastar muito dinheiro, se estiver disposta a organizar-se bem e a prescindir de certas coisas».

O jovem já fez as contas e, sem considerar gasolina nem o transporte aéreo da moto quanto teve que cruzar oceanos, revela alguns números: gastou «uma média de 20 euros por dia», o que foi possível por reduzir ao mínimo o uso de hotéis e, em alternativa, optar por cerca de 300 noites acampado e 500 estadias em casa de pessoas que conheceu ao caminho, seja através da rede “couchsurfing”, de associações de motociclistas ou de forma espontânea.

«Dormi cerca de 20% da viagem em quartos de hostel partilhados e uns 30% na tenda, onde as dificuldades foram muitas, desde aguentar temperaturas negativas e resistir aos ventos extremamente fortes do Saara até impedir na Costa Rica uma invasão de formigas-de-fogo, que me comiam o fundo da tenda e entravam lá para dentro», conta André Sousa.

Entre os momentos altos da aventura o jovem lista quatro: viver os efeitos do recente sismo na Turquia, que o arrancou da cama às 4h00 e obrigou a ficar horas na rua apenas em “boxers” e meias, sob temperaturas negativas; a sua prisão no México, quando foi detido devido a «coisas de que é melhor não falar»; o acidente que sofreu nos Estados Unidos, que o deixou com mazelas graves em cinco vértebras e exigirá tratamento urgente mal chegue a Portugal; e o rapto no Nepal, em que o drogaram, agrediram com pontapés e capacetes, e deixaram «para morrer num descampado isolado», do qual saiu pelo próprio pé, «a sangrar, mais por sorte do que outra coisa».

A essas dificuldades André Sousa acrescenta ainda a pandemia de covid-19, que, no início da viagem, tornou tudo mais complicado do que previra: «Obrigou a muita burocracia e testes respiratórios nas fronteiras, implicou muitos dias de paragem total até que reabrissem a circulação e ainda me pôs duas vezes doente, uma delas com um mês de hospitalização no Rio de Janeiro, a antibióticos e esteroides», recorda.

Mais positivo foi «acampar numa casa do Pablo Escobar, atravessar o Grand Canyon e dormir num cemitério no meio do deserto», pelo que, perto do final da viagem em que nunca circulou a mais de 60 quilómetros por hora, bem curvado sobre uma moto com apenas 75 centímetros de altura, o jovem com mestrado em Gestão de Empresas pela Coimbra Business School não se imagina, a partir de abril, «fechado num escritório», num emprego convencional.

«Isso era desperdiçar as competências que adquiri numa epopeia destas, principalmente em termos de organização de viagens, gestão de burocracias e superação de imprevistos», defende.

Com os seus planos «todos em aberto», a única certeza de André Sousa é quanto ao que retira destes três anos de existência: «Foi precisa muita resiliência, sobretudo nas situações extremas, em que a maioria das pessoas teria desistido e voltado para casa, mas, por toda a gente que conheci nestes países, por todos os que me ajudaram com donativos e por tudo o que vivi nestes mil dias, foi uma experiência única, que nenhuma universidade do mundo me podia ter dado».

Partilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *