Vitória inédita de Pierre Gasly na Fórmula 1

O piloto Alpha Tauri-Honda conquistou a primeira vitória na Fórmula 1, ao impor-se num atribulado GP de Itália. O francês terminou as 53 voltas com 415 milésimos de segundo de vantagem sobre Carlos Sainz Jr. (McLaren-Renault) e 3,358 segundos sobre o canadiano Lance Stroll (Racing Point). A corrida esteve interrompida cerca de meia hora após um despiste violento do monegasco Charles Leclerc (Ferrari).

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Se alguém tivesse apostado no pódio que sucedeu em Monza a esta hora estaria rico, pois teria ganho uma fortuna, com os três pilotos que festejaram a saberem aproveitar as circunstâncias, com o destaque a ir para o francês Pierre Gasly (Alpha Tauri/Honda) que inscreveu o nome na lista dos vencedores de Grandes Prémios. É a segunda vitória da equipa de Faenza, com a primeira, ainda com a designação de Toro Rosso, a acontecer em 2009, pelas mãos do alemão Sebastian Vettel.

Quando a corrida começou nada levava a suspeitar do que viria a seguir, com o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) a assegurar o comando, à frente do espanhol Carlos Sainz (McLaren/Renault) que, ao arrancar melhor do que o finlandês Valtteri Bottas (MercedesI) saltou para o segundo lugar, com o finlandês a perder várias posições e a cair para sexto.

Com Carlos Sainz a não ter “argumentos” para pressionar Lewis Hamilton tudo apontava para mais um passeio do inglês, mas de repente, na 20.ª volta, tudo mudou.

O dinamarquês Kevin Magnussen (Haas/Ferrari) tinha parado, na volta anterior, na Parabólica, que dá acesso à recta da meta, e o director de prova fez entrar o “Safety Car” e “fechou” a via das “boxes” por querer que o carro fosse empurrado para esse local depois para o parque fechado.

Inexplicavelmente, a Mercedes não se apercebeu que a via das “boxes” estava fechada e mandou entrar Lewis Hamilton para trocar de pneus, o que também foi feito pelo italiano Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo/Ferrari), o que deixava os dois pilotos nas mãos dos Comissários Desportivos, que tinham que decidir a sanção a aplicar, com os restantes pilotos a trocarem de pneus, quando a via das “boxes” foi aberta.

A corrida recomeçou sem que fosse conhecida a decisão do Colégio de Comissários, mas logo a seguir foi parada em consequência do despiste do monegasco Charles Leclerc (Ferrari), que bateu com força na Parabólica, deixando o carro e as barreiras de protecção em mau estado, o que levou à paragem da corria.

Foi o culminar de mais um mau dia para a Ferrari, que tinha visto o alemão Sebastian Vettel abandonar, longo na sexta volta, sem travões. Antes que nova partida fosse dada, foi sabido que os Comissários Desportivos tinham decidido penalizar os dois pilotos com um “stop and go” de 10 segundos, apesar da Mercedes ter tentado reverter a decisão dos Comissários.

Quando a corrida recomeçou Lewis Hamilton parou de imediato para cumprir a penalização e caiu para último, para recuperar até sétimo.

Com a paragem do inglês e da saída na Variante della Roggia, logo na primeira volta do recomeço, do canadiano Lance Stroll, Pierre Gasly e Carlos Sainz instalaram-se nas duas primeiras posições e aí se mantiveram até final, com o espanhol a dispor, na derradeira volta, de DRS, mas a não conseguir superar o francês, com o canadiano a completar o pódio.

De assinalar que no dia em que Claire Williams deixa o comando da equipa, que foi vendida à Dorilton Capital, pondo fim ao laço familiar que sempre uniu a equipa a Frank Williams, o seu criador, o canadiano Nicolas Latifi (Williams/Mercedes) ficou à porta dos pontos, ao terminar em 11.º, o melhor resultado do ano.

Entretanto ficou a saber-se que, para o ano, a Renault passa a designar-se Alpine/Renault e os carro passarão a ser azuis, com o espanhol Fernando Alonso, que estará de regresso à F1, e o francês Esteban Ocon a serem os seus pilotos

FICHA DA PROVA

Grande Prémio – Gran Premio Heineken d’Italia

Circuito – Monza

Extensão – 306,720 km = 53 x 5,793 km

“Pole position” – Lewis Hamilton (Mercedes W11/Mercedes), 1 volta (5,793 km), em 1’18,887” (264,362 km/h)

Grelha de partida1.ª linha: Lewis Hamilton (Mercedes W10/Mercedes), 1’18,887”; Valtteri Bottas (Mercedes W10/Mercedes), 1’18,956”; 2.ª linha: Carlos Sainz (McLaren MCL35/Renault), 1’19,695”; Sergio Perez (Racing Point RP20/Mercedes), 1’19,720”; 3.ª linha: Max Verstappen (Red Bull RB16/Honda), 1’19,795”; Lando Norris (McLaren MCL35/Renault), 1’19,820”; 4.ª linha: Daniel Ricciardo (Renault RS20/Renault), 1’19,864”; Lance Stroll (Racing Point RP20/Mercedes), 1’20,049”; 5.ª linha: Alexander Albon (Red Bull RB16/Honda), 1’20,090”; Pierre Gasly (Alpha Tauri AT01/Honda), 1’20,177”; 6.ª linha: Daniil Kvyat (Alpha Tauri AT01/Honda), 1’20,169”; Esteban Ocon (Renault RS20/Renault), 1’20,324”; 7.ª linha: Charles Leclerc (Ferrari SF1000/Ferrari), 1’20,273”; Kimi Raikkonen (Alfa Romeo C39/Ferrari), 1’20,926; 8.ª linha: Kevin Magnussen (Haas VF-20/Ferrari), 1’21,573”; Romain Grosjean (Haas VF-20/Ferrari), 1’21,139”; 9.ª linha: Sebastian Vettel (Ferrari SF100/Ferrari), 1’21,151”; Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo C39/Ferrari), 1’21,206”; 10.ª linha: George Russell (Williams FW43/Mercedes), 1’21,587; Nicholas Latifi (Williams FW43/Mercedes), 1’21,717”

Comandantes sucessivos – Lewis Hamilton, da 1.ª à 20.ª volta; Carlos Sainz, na 21,ª volta; Lewis Hamilton, da 22,ª à 27.ª volta; Pierre Gasly, da 28.ª à 53.ª volta

Volta mais rápida – Lewis Hamilton (Mercedes W11/Mercedes), 1 volta (5,793 km), em, 1’22,746” (252,033 km/h)

Vencedor – Pierre Gasly (Alpha Tauri AT01/Honda), 53 voltas (306,720 km), em 1.47’06,056” (171,830 km/h)

CLASSIFICAÇÃO

POS. PILOTO CARRO MOTOR TEMPO
1.º Pierre Gasly Alpha Tauri AT01 Honda 1.47’06,056″
2.º Carlos Sainz McLaren MCL35 Renault a 0,415″
3.º Lance Stroll Racing Point RP20 Mercedes a 3,358″
4.º Lando Norris McLaren MCL35 Renault a 6,000″
5.º Valtteri Bottas Mercedes W11 Mercedes a 7,108″
6.º Daniel Ricciardo Renault RS20 Renault a 8,391″
7.º Lewis Hamilton Mercedes W11 Mercedes a 17,245″
8.º Esteban Ocon Renault RS20 Renault a 18,691″
9.º Danill Kvyat Alpha Tauri AT01 Honda a 22,208″
10.º Sergio Perez Racing Point RP20 Mercedes a 23,224″
11.º Nicholas Latifi Williams FW 43 Mercedes a 32,876″
12.º Romain Grosjean Haas VF-20 Ferrari a 35,164″
13.º Kimi Raikkonen Alfa Romeo C39 Ferrari a 36,312″
14.º George Russell Williams FW 43 Mercedes a 36,593″
15.º Alexander Albon Red Bull RB16 Honda a 37,533″
16.º Antonio Giovinazzi Alfa Romeo C39 Ferrari a 55,199″

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º, Lewis Hamilton, 164 pontos; 2.º, Valtteri Bottas, 117; 3.º, Max Verstappen, 110; 4.º, Lance Stroll, 57; 5.º, Lando Norris, 57; 6.º, Alexander Albon, 48; 7.º, Charles Leclerc, 45; 8.º, Pierre Gasly, 43; 9.º, Carlos Sainz, 41; 10.º, Daniel Ricciardo, 41; 11.º Sérgio Perez, 34; 12.º, Esteban Ocon, 30; 13.º, Sebastian Vettel, 16; 14.º, Nico Hulkenberg, 6; 15.º, Daniil Kvyat, 4; 16.º, Antonio Giovinazzi, 2; 17.º, Kevin Magnussen, 1

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 281 pontos; 2.º, Aston Martin Red Bull Racing, 158; 3.º, McLaren F1 Team, 96; 4.º, BWT Racing Point F1 Team, 82; 5.º, Renault DP World F1 Team, 71; 6.º, Scuderia Ferrari, 61; 7.º, Scuderia Alpha Tauri Honda, 47; 8.º, Alfa Romeo Racing ORLEN, 2; 9.º, Haas F1 Team, 1

Próxima prova – Pirelli Gran Premio della Toscania Ferrari, no Circuito de Mugello, dia 13 de Setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: