Verstappen deu vitória à Honda 13 anos depois

Piloto holandês impediu a Mercedes de igualar o recorde mundial de 11 triunfos consecutivos.

(auto.look2010@gmail.com)

O holandês Max Verstappen (Red Bull) deu hoje à Honda a primeira vitória em 13 anos, ao vencer o Grande Prémio da Áustria de Fórmula 1, impedindo a Mercedes de igualar o recorde mundial de 11 triunfos consecutivos. A marca foi conseguida pela pela McLaren há 31 anos, com o brasileiro Ayrton Senna e o francês Alain Prost.

A vitória do piloto holandês, que terminou as 71 voltas ao traçado austríaco com o tempo de 1h22m01,822s, está, ainda, sob investigação, devido a um toque no Ferrari do monegasco Charles Leclerc na volta 69, durante a ultrapassagem que valeu a vitória, na curva 3.

O piloto da Red Bull acabaria por cruzar a meta com 2,724 segundos de vantagem sobre Leclerc e 18,960 em relação ao finlandês Valtteri Bottas (Mercedes), na primeira vitória de um carro de outra marca que não a Mercedes desde o GP do México de 2018, 11 corridas antes.

Foi o culminar de uma recuperação que fica para a história da disciplina, pois, apesar de sair da segunda posição da grelha, Max Verstappen falhou o arranque e caiu para oitavo lugar até à terceira curva. Na frente da corrida, seguia o monegasco Charles Leclerc, que ambicionava tornar-se o mais novo de sempre a vencer pela Ferrari.

A primeira paragem nas boxes ficou marcada por uma falha nos rádios da Ferrari. Quando o alemão Sebastian Vettel entrou nas boxes os pneus ainda não estavam prontos, acabando por perder três segundos e duas posições em pista. Também o britânico Lewis Hamilton foi forçado a trocar a asa dianteira do seu Mercedes, não capitalizando o problema do rival da Ferrari.

Max Verstappen parou na volta 31, depois dos rivais: «Até essa altura, o ritmo não estava mau, mas, depois disso, voámos», resumiu o holandês, que recuperou 12,9 segundos nas 40 voltas seguintes. Sobre o incidente com Leclerc, Verstappen defendeu que «foi [uma acção de) corrida», deixando claro: «Se não fosse assim teríamos de ficar em casa».

Visão diferente, tinha o piloto da Ferrari, que pela segunda vez este ano perdeu uma prova que liderou praticamente de fio-a-pavio: «Vou deixar os comissários decidir. Para mim, foi muito evidente. Tocou-me, tive de sair largo, e não tive hipótese de o passar. É uma pena», vincou.

Max Verstappen deu, assim, a primeira vitória à Honda, que fornece os motores à equipa Red Bull, desde que o britânico Jenson Button triunfou no GP da Hungria de 2006. Com estes resultados, Max Verstappen, que somou um ponto extra por ter registado a volta mais rápida da corrida, saltou para o terceiro lugar do campeonato, com 126 pontos, ultrapassando os dois homens da Ferrari, Sebastian Vettel (123) e Charles Leclerc (105).

Lewis Hamilton, que perdeu a quarta posição para Vettel nas derradeiras voltas, mantém a liderança, com 197 pontos, mais 31 do que Bottas.

O GP da Grã-Bretanha será a 10.ª prova da temporada, no dia 14 de Julho, em Silverstone.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação