Vanagas e Palmeiro: desistência após cambalhotas

O Rali Dakar, versão 2022, terminou de forma abrupta para o lituano Benediktas Vanagas que faz equipa com o português Filipe Palmeiro. A dupla foi apanhada por uma armadilha em plena 4.ª etapa, com a viatura a “voar” e a ficar imobilizada após uma série de cambalhotas.

CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Aos comandos de uma Toyota Hilux T1+, Benediktas Vanagas e Filipe Palmeiro não se aperceberam de um obstáculo numa zona rápida da quarta etapa da 44.ª edição do Rali Dakar e num ápice, a viatura da marca nipónica “afocinhou” e entrou em consecutivas piruetas para se imobilizar várias dezenas de metros à frente.

A quarta etapa, a mais longa do Rali Dakar 2022, com um total de 707 km, conduz a comitiva ao longo de 465 km cronometrados de Al Qaisumah, a sul, rumo à capital Riyadh, ficou assim assinalada pelo abandono de uma equipa que se encontrava a recuperar tempo após alguns contratempos com a navegação.

Com os índices de confiança em alta, em que Benediktas Vanagas e Filipe Palmeiro seguiam a uma velocidade elevada e já tinham recuperado algumas posições na tabela classificativa, rodando entre os 15 mas rápidos na tirada, o abandono foi inevitável.

«O nosso Dakar acabou. Não tínhamos qualquer informação sobre o obstáculo quando se rodava a velocidades extremamente elevadas. Apesar do acidente, estamos bem. Vamos agora analisar onde foi provocado o erro e não tenho qualquer censura para com o Filipe (Palmeiro)», escreveu Benediktas Vanagas nas redes sociais.

Na etapa de ontem –a terceira –, o animado duelo entre os navegadores portugueses foi ganho por Filipe Palmeiro, mas a vantagem em termos de gerais pertencia a Paulo Fiúza, que navega o lituano Vaidotas Zala (Mini John Cooper Works Rally), que estava três lugares à frente do seu compatriota. Esta luta entre lituanos e portugueses acabou hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.