Valdemar Lucas: Lama “espiritual” do Alqueidão

Foi descoberta, este fim-de-semana, em Alqueidão, a fórmula correcta como hidratar a pele e manter a beleza desejada. A máscara de lama hidrata, limpa e tonifica a pele delicada do rosto. Pelo menos é o que diz o rótulo dos melhores produtos à base de lodo. Valdemar Lucas estreou-se no Nacional de Motocross e testemunhou em Alqueidão as dificuldades da lama…

(auto.look2010@gmail.com)

A receita de Alqueidão, no entanto, tem outros predicados: após o banho circunstancial provocado pela chuva, a loção de limpeza hidratante das “termas” adjacentes a Torres Novas é à base de lama. Para os pilotos do Nacional de Motocross, esta “aposta” num “produto” pesado, em vez de suave e livre de sulfatos para limpar a pele com eficácia sem danificar a barreira protectora, provocou árduas voltas ao traçado que abriu as “hostilidades” ao Campeonato Nacional de Motocross.

Que o diga Valdemar Lucas – Vito para os amigos –, um jovem piloto que, na sua estreia na modalidade, “mergulhou” autenticamente na lama para evidenciar os seus atributos aos comandos de uma KTM 250 SXF da equipa MX Enduro Racing Team.

Apesar das dificuldades, Vito não apresentou sintomas de ansiedade e encarou a primeira ronda do campeonato, versão 2021, com a determinação que o caracteriza. Travou uma luta titânica no “mar” de lama e não submergiu perante aquele cenário aflitivo e inconveniente a cada salto ou curva. Mas também «não deixou de se, ate agora, a corrida mais dura que fiz até hoje, com muita queda pelo meio», revelou Vito que, todavia, fez questão de sublinhar que o estado da posta «estava igual para todos».

De facto, o lamaçal dificultou a vida aos cerca de 120 pilotos inscritos nas diversas categorias, mas o jovem conimbricense de 24 anos não enjeitou a oportunidade para concretizando o sonho de fazer parte integrante do pelotão nacional de motocross, e logo com um “baptismo” inolvidável.

Sem se sentir como peixe na água, porque a lama da pista é como plástico no mar, Vito efectuou uma adaptação consistente ao traçado durante os treinos e, na hora da partida para abordar a primeira manga, encontrou as condições da pista severamente degradada. A emoção não saiu beliscada e, no final da prova referente à categoria MX2, cruzou a linha de chegada na sexta posição, o que traduz na perfeição a entrega que aplicou no decorrer da competição.

O triunfo sorriu a Rúben Ferreira (Yamaha 250 F), da Yamaha Moto Fundador, com o tempo de 30m00,332s, com Valdemar Lucas a ficar às portas do Top five”, com o tempo de 30m27,016s, saindo do Alqueidão com 15 pontos, menos 10 que o primeiro vencedor de MX2.

Integrado, posteriormente, na competitiva classe Elite, Vito também não se amedrontou e acentuou um excelente 14.º lugar, arrecadando 7 pontos, menos 18 que Saad Soulimani (Yamaha 450), vencedor da competição.

Face a uma pista enlameada e escorregadia, Valdemar Lucas não escondeu o cansaço da odisseia em Alqueidão, mas amplamente satisfeito com a estreia e com enorme vontade de patentear predicados na próxima prova agendada para o próximo dia 9 de Maio, em Lustosa, no concelho de Lousada.

Depois da “tareia” a que esteve sujeito no Ribatejo, o piloto de Coimbra, apoiado por 111 Sport, MX Enduro Shop, CS Detail, Táxis Lucas, Paga Pouco, Talho da fonte, La Bomba, Leoscar Ld.ª, Cector Impacto, Roulote Bar Fora d’Horas, Racing Mania, Gy motor sport, Putoline, Acerbis, Cross Pro, Race Pro, Rinaldi e Crossfit Mondego, vai com toda a certeza apresentar-se ainda mais forte para lutar pelos lugares cimeiros na competitiva classe MX2.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *