Trio de campeões no Super Seven by Toyo Tires

Classificações finais Três corridas ao “photo-finish” coroaram último dia de competição no Estoril Racing Festival. José Carlos Pires (420R Pro), Nélson Gomes (420R Gentleman) e Francisco Figueiredo (275R) sãos os novos campeões. Encantado com a experiência, Filipe Albuquerque deixou elogios e despediu-se da melhor forma do Troféu promovido pela CRM Motorsport.

(auto.look2010@gmail.com)

Depois do primeiro contacto, os elogios na despedida! Filipe Albuquerque divertiu-se ao volante, enalteceu a competição, louvou o nível dos pilotos presentes e prometeu regressar ao Super Seven by Toyo Tires após ter ficado “com o bichinho” no Estoril Racing Festival.

Na celebração de José Carlos Pires (420R Pro), Nélson Gomes (420R Gentleman) e o ausente Francisco Figueiredo (275R), justos campeões da 13.ª temporada da história do Troféu monomarca promovido pela CRM Motorsport, o piloto de Coimbra foi também protagonista do derradeiro teste ao repetir a vitória obtida na corrida de abertura.

Filipe Albuquerque destacou-se, sobretudo, por ter distribuído sorrisos e humildade ao longo do fim-de-semana, galvanizando a comitiva e deixando-a ainda mais rendida ao seu talento e qualidades humanas.

CORRIDA 2 DECIDIDA POR 18 MILÉSIMOS DE SEGUNDO

Cumpridas as duas sessões de qualificação e a primeira corrida, o domingo iniciou-se com o segundo de quatro confrontos incrivelmente emocionantes. Apesar de largar da 4.ª posição, Filipe Albuquerque posicionou-se de forma espectacular para o ataque à curva 1 e superou o “pole-sitter” José Carlos Pires para lhe roubar o comando. Atrás seguiam Diogo Tavares e J.J. Magalhães, com o quarteto a encabeçar um grupo de nove pilotos separados por apenas dois segundos!

Na Gentleman, Nélson Gomes aparentava não ter rival, ao passo que Pedro Lacerda e Paulo Santos esgrimiam argumentos para levar de vencida a 275R. Enquanto Diogo Tavares e J.J. Magalhães invertiam posições de forma sucessiva, travando uma maravilhosa batalha pelo derradeiro lugar do pódio, Filipe Albuquerque e José Carlos Pires iam trocando a volta mais rápida após uma e outra passagem pela recta da meta.

Na 5.ª posição, e com Diogo Tavares momentaneamente fixo no 3.º posto, surgia Nuno Afonso, que pressionava agora J.J. Magalhães, no mesmo instante em que seguia nos espelhos o fantástico confronto que tinha lugar atrás de si entre Gonçalo Lobo do Vale, António Nunes Almeida, Nuno Pires, Bernardo Bello e Miguel Matos. Do mesmo modo, a luta entre Luís Calheiros Ferreira, André Correia, Duarte Lisboa e Paulo Macedo centrava atenções.

Na 275R, Pedro Lacerda e o rookie Paulo Santos rodavam muito próximos e na frente de três grupos formados por Frederico Brion Sanches e Gonçalo Nobre da Veiga; Paulo Duarte e Ivo Prada; e finalmente Kevin Embourg, Miguel Ferreira e Luís Seguro.

Com 10 segundos a espaçar os 15 primeiros classificados, a corrida entrou no último terço com tudo por definir e com ainda mais suspense à mistura. A quatro minutos da sua conclusão, os quatro pilotos da frente encontravam-se separados por 6 décimos e os 10 primeiros por 6 segundos — margens que voltavam a deixar em evidência as corridas sem igual do Super Seven by Toyo Tires.

Ao photo-finish, e por apenas 18 milésimos, José Carlos Pires cruzou a meta no 1.º lugar, na frente de Diogo Tavares e Filipe Albuquerque, que por sua vez formavam um trio separado por um décimo de segundo! Melhor? Não existe…

O top 5 foi assegurado por J. J. Magalhães e Nuno Pires, a menos de 1 segundo de levarem de vencida esta corrida, seguindo-se na classificação Miguel Matos, António Nunes Almeida, Gonçalo Lobo do Vale, Nuno Afonso e Bernardo Bello. Na 11.ª posição, André Correia, que garantiu o lugar pela margem mínima frente a Luís Calheiros Ferreira, Paulo Macedo, Duarte Lisboa e Pedro Perino.

Imparável na Gentleman, Nélson Gomes garantiu novo triunfo na categoria, sendo acompanhado no pódio por Ricardo Pedrosa e Fernando Costa. O estreante Nuno Caetano terminou num positivo 4.º lugar, na dianteira de André Matos. José Kol Almeida ficou de fora da classificação.

Já na 275R, um segundo impediu Paulo Santos de roubar a vitória a Pedro Lacerda, com Frederico Brion Sanches na 3.ª posição e à frente de Ivo Prada, Paulo Duarte, Miguel Ferreira, Kevin Embourg e Luís Seguro — pilotos que rodaram sempre muito próximos uns dos outros. Dominic Geary e Gonçalo Nobre da Veiga viram-se arredados desta discussão.

CORRIDA 3 APOTEÓTICA

Largando da pole, fruto do triunfo na Corrida 1, Filipe Albuquerque conseguiu, uma vez mais, defender-se da lotaria dos cones de ar e segurar a vantagem no arranque. O piloto de Coimbra sustinha como podia os adversários, mas José Carlos Pires vinha endiabrado e passou para o comando no início da 2.ª volta. Se na Gentleman era novamente Nélson Gomes a dar cartas, assistíamos a uma surpresa na 275R, com Paulo Santos e Gonçalo Nobre da Veiga a ocuparem as duas primeiras posições à frente de Frederico Brion Sanches.

As ultrapassagens sucediam-se à velocidade da luz e Filipe Albuquerque retomou a liderança no mesmo instante em que estabelecia a volta mais rápida da corrida. Mas quem galopava para a frente da corrida era Diogo Tavares, que chegava ao 3.º lugar, por troca com J. J. Magalhães, depois de ter arrancado do 7.º posto.

Com a classificação ao rubro e os 15 primeiros concentrados em 8 segundos, as atenções viravam-se para a luta pelo triunfo, depois de Diogo Tavares ter assumido pela 1.ª vez o comando no início da 5.ª volta. Sol de pouca dura, pois Filipe Albuquerque devolveu-lhe a ousadia.

Os cinco primeiros rodavam separados por 1s, já com Gonçalo Lobo do Vale em 3.º e Filipe Albuquerque e Diogo Tavares a alterarem o comando da corrida. Mas o azar bateu à porta de Lobo do Vale, que prontamente viu o seu lugar ocupado por Pires e Magalhães. Com 86 milésimos entre ambos, Pedro Lacerda e Paulo Santos deixavam no ar a decisão da 275R.

Na derradeira volta, Filipe Albuquerque assume o comando, colocando o Caterham #10 por dentro na Curva 3. Mas Tavares posiciona-se muito bem na saída dos “esses”, garantindo o triunfo. In-crí-vel! A fechar o pódio, José Carlos Pires, autor da volta mais rápida da corrida, na frente de J. J. Magalhães, António Nunes Almeida, Lourenço Monteiro, Nuno Afonso e Bernardo Bello.

Miguel Matos e Luís Calheiros Ferreira concluíram o top 10, deixando André Correia arredado deste grupo pela margem mínima (apenas 1 décimo separou estes pilotos), enquanto Paulo Macedo impediu Duarte Lisboa de chegar ao 12.º lugar por 16 milésimos de segundo. Gonçalo Lobo do Vale fechou a classificação reservada aos 420R Pro.

A categoria Gentleman teve novamente em Nélson Gomes o seu grande protagonista. O piloto da Speedy Motorsport esteve imparável e contou com Ricardo Pedrosa e José Kol Almeida no pódio. Fernando Costa teve de se contentar com a 4.ª posição, mas travou um animado confronto com Mário Melo.

Na 275R, Pedro Lacerda carimbou novo triunfo, à frente de Paulo Santos e Frederico Brion Sanches. O rookie Kevin Embourg classificou-se na 4.ª posição, após brilhante batalha contra Gonçalo Nobre da Veiga. Já Miguel Ferreira registou excelente evolução e recebeu a bandeirada de xadrez na dianteira de Paulo Duarte, Dominic Geary, Luís Seguro e Ivo Prada.

CORRIDA 4 ENDIABRADA

Revelando-se um verdadeiro mestre das partidas lançadas que caracterizam o Super Seven by Toyo Tires, Filipe Albuquerque saltou de 3.º para 1.º num ápice antes da travagem para a Curva 1. Arranque perfeito do piloto de Coimbra e devidamente acompanhado por Gonçalo Lobo do Vale, que fez o mesmo para chegar ao 2.º lugar.

Já José Carlos Pires caía para 3.º, tendo a companhia do irmão Nuno no 4.º lugar e de Diogo Tavares na 5.ª posição, enquanto J. J. Magalhães fazia o percurso inverso, perdendo quatro posições. Mais atrás, Nélson Gomes comandava a Gentleman e Pedro Lacerda a 275R.

Com os 11 primeiros classificados separados por 6 segundos, a derradeira corrida do fim-de-semana aparentava que seria tirada a papel das restantes: com emoção a rodos até ao último segundo, o que veio a suceder.

Enquanto Lobo do Vale e Filipe Albuquerque trocavam ultrapassagens, Pires passou para o comando. Forçado a abandonar a corrida, Tavares ficou de fora desta luta no último terço da prova, mas contribuiu para um epílogo de sonho com a entrada do “Safety Car” para remover o carro parado no interior da Curva 1.

Pelotão reagrupado e duas voltas épicas até à bandeirada de xadrez, com Lobo do Vale a manter a liderança, Pires a roubar o comando antes da parabólica interior e Filipe Albuquerque a cruzar a linha da meta na frente de ambos por apenas 19 milésimos de segundo, já com Lobo do Vale na 2.ª posição!

Os cinco primeiros classificados terminaram separados por 1s; os 10 primeiros, por 4s; os 15 primeiros, por 16s! Exibindo-se ao mais alto nível, o 4.º classificado Nuno Pires arrecadou a volta mais rápida da corrida, despedindo-se da temporada 2021 do Super Seven by Toyo Tires à frente de Bernardo Bello, Nuno Afonso, J. J. Magalhães, André Correia, António Nunes Almeida e Luís Calheiros Ferreira.

Paulo Macedo e Pedro Perino encerram a classificação reservada aos 420R Pro, enquanto Nélson Gomes garantiu o pleno na Gentleman, concluindo a prova à frente de José Kol Almeida, André Matos, Nuno Caetano, Ricardo Pedrosa e Fernando Costa.

Já a 275R teve como vencedor Pedro Lacerda, novamente secundado por Paulo Santos (terminou no 2.º posto em todas as corridas desta sua estreia oficial no Super Seven by Toyo Tires), ao passo que Paulo Duarte obteve um pódio determinante, após bravíssima luta com Ivo Prada, para que assegurasse, igualmente, o 3.º lugar final no campeonato. Seguiram-se Frederico Brion Sanches, Gonçalo Nobre da Veiga, Kevin Embourg, Miguel Ferreira, Luís Seguro e Dominic Geary, envolvidos em diversas batalhas que trouxeram um colorido muito especial à última prova do campeonato.

Na opinião de Tiago Raposo Magalhães, a temporada 2021 foi um sucesso tremendo que ficará para a história da competição: «Batemos todos os recordes no número de carros inscritos e confirmámos a entrada de dezenas de novos pilotos na Família Seven. Uma realidade que deixa antever a continuação de um futuro brilhante para o Troféu. Com pilotos e equipas deste nível, no plano humano e competitivo, não tenho dúvidas de que iremos escrever já a partir da próxima temporada um novo capítulo no bonito percurso do Super Seven by Toyo Tires», salientou o responsável da CRM Motorsport.

«No entanto, neste momento quero apenas manifestar os meus parabéns, em nome da minha equipa de trabalho, aos três novos campeões — José Carlos Pires, Nélson Gomes e Francisco Figueiredo — e agradecer-lhes por trazerem tanta competitividade e camaradagem a este grupo! Não existe um carro de corridas como o Caterham Seven, nem corridas como as do Super Seven. Mas também não existem pilotos como os que por aqui andam. É esta combinação que torna o nosso Troféu tão atractivo e que nos motiva a fazer melhor ano após ano. Por fim, quero salientar que nos despedimos desta 13.ª temporada da melhor forma possível: com quatro corridas ao photo-finish, e a presença e amizade do Filipe Albuquerque. Um campeão em toda a linha, que saiu daqui com um sorriso no rosto e deixou-nos a todos encantados com a sua simpatia e forma de estar, em pista e fora dela. Obrigado!», concluiu.

Já Filipe Albuquerque destacou que «o mais importante foi a experiência nos Super Seven, que foi excelente», prometendo regressar: «Vai tudo depender de calendário, mas acho que o bichinho já cá ficou e se calhar vou começar a desafiar mais pilotos para cá virem divertirmo-nos. Acho que pode ser uma boa festa de fim de ano em Portugal, porque ao fim e ao cabo tenho a mesma paixão que todos nós que estamos aqui, e que são os automóveis!».

CLASSIFICAÇÃO FINAL SUPER SEVEN BY TOYO TIRES, 2021

420R PRO

1.º José Carlos Pires

2.º Diogo Tavares

3.º Gonçalo Lobo do Vale

420R GENTLEMAN

1.º Nélson Gomes

2.º José Kol Almeida

3.º Fernando Cordeiro

275R

1.º Francisco Figueiredo

2.º Frederico Brion Sanches

3.º Paulo Duarte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.