Três procuram segunda vitória na Fórmula E no México

O Campeonato de Fórmula E viaja até à cidade do México, palco da quarta prova da temporada sem que nenhum piloto tenha contabilizado duas vitórias.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

O circuito desenhado no Autódromo Hermanos Rodriguez, tem uma extensão de 2,093 km, a maior parte dele na zona das bancadas, 17 curvas, uma longa recta que pode facilitar as ultrapassagens, e percorre uma parte do traçado utilizado no Grande Prémio do México.

O português António Félix da Costa (Riade), o francês Jérôme D’Ambrosio (Marraquexe) e o inglês Sam Bird (Santiago do Chile) venceram as três corridas efectuadas, com o francês a ser o único que pontuou em todas elas, embora seja o inglês a comandar o campeonato, com dois pontos de avanço sobre o francês.

Apesar de só ter pontuado na prova inaugural, António Félix da Costa (BMW) integra o grupo de terceiros classificados, ao lado do francês Jean-Eric Vergne (DS) e do holandês Robin Frlins (Audi), a 15 pontos do comandante do campeonato, Sam Bird (Audi).

Por aquilo que se viu nas corridas efectuadas, o equilíbrio de andamentos é um facto e cabe a cada piloto fazer a gestão mais eficaz da energia disponível, para alcançar um bom resultado.

É inegável que os BMW estão muito eficazes e só o desentendimento entre António Félix da Costa e o seu companheiro de equipa, o inglês Alexander Sims impediu a marca alemã de averbar uma “dobradinha” em Marraquexe e, eventualmente, colocar o português no comando do campeonato.

Num traçado sem segredos, por ser a quarta vez que a Fórmula E visita o traçado mexicano, veremos como cada piloto gere o “Attack Mode”, a novidade do ano, que permite aos pilotos, em determinadas circunstâncias, e em momentos escolhidos por si ou pela equipa, dispor de mais 25 kw de potência, que podem ser determinantes para uma ultrapassagem ou para a defesa de uma posição.

De assinalar que o brasileiro Felipe Nasr vai render o alemão Max Gunther e, a partir da prova mexicana, será o companheiro de equipa do argentino Jose Maria Lopez, ao volante dos Penske da Geox Dragon Racing.

Recorde-se que o brasileiro é mais um dos que já passou pela Fórmula 1, tendo guiado um dos Sauber, designação que deverá desaparecer, este ano, substituída pela de Alfa Romeo.

CLASSIFICAÇÕES DOS CAMPEONATOS, ANTES DA PROVA MEXICANA

POS. PILOTO PONTOS  
       
1.º Sam Bird 43  
2.º Jerome D’Ambrosio 41  
3.º Jean-Eric Vergne 28  
4.º António Félix da Costa 28  
5.º Robin Frlins 28  
6.º Mitch Evans 22  
7.º Daniel Abt 21  
8.º Andre Lotterer 19  
9.º Alexander Sims 18  
10.º Pascal Wehrlein 18  
11.º Sébastien Buemi 15  
12.º Eduardo Mortara 12  
13.º Lucas di Grassi 9  
14.º Oliver Rowland 6  
15.º Oliver Turvey 4  
16.º Jose Maria Lopez 2  
17.º Nelson Piquet jr. 1  
POS. EQUIPAS TOTAL
     
1.º Envision Virgin Racing 71
2.º Mahindra Racing 59
3.º DS Techeetah 47
4.º BMW i Andretti Motorsport 46
5.º Audi Sport Abt Schaeffler Formula E Team 30
6.º Panasonic Jaguar Racing 23
7.º Nissan e. dams 21
8.º Venturi Formula E team 12
9.º NIO Formula E Team 4
10.º Geox Dragon 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: