Toyota conquista triunfo nas 24 horas de Le Mans

Brendon Hartley, Sebastien Buemi e Ryo Hirakawa pilotaram o carro vencedor da 90.ª edição da emblemática prova. António Félix da Costa e Henrique Chaves também venceram nas respetivas categorias. Filipe Albuquerque viu o carro abalroado logo no início e terminou no 10.º lugar.

(auto.look2010@gmail.com)

A 90.ª edição das 24 Horas de Le Mans terminou com o trinfo do Toyota Gazoo Racing n.º 8, conduzido por Brendon Hartley, Sebastien Buemi e Ryo Hirakawa. O argentino José Maria Lopez, o britânico Mike Conway e o japonês Kamui Kobayashi, no outro Toyota híbrido, com o norte-americano Ryan Briscoe, o francês Franck Mailleux e o britânico Richard Westbrook (Glinkenhouse) foram terceiros.

A emblemática corrida de resistência automóvel ficou, este ano, marcada por um acidente poucos segundos após o arranque. Dois portugueses também tiveram razões para festejar, sagrando-se vencedores nas respetivas categorias. António Félix da Costa conquistou a segunda categoria (LM P2), com a equipa Jota, ao lado do mexicano Roberto González e do britânico William Stevens, enquanto na quarta categoria (LM GTE AE) Henrique Chaves, da TF Sport, fez a festa ao lado dos colegas Ben Keating (EUA) e Marco Sorensen (Dinamarca).

HENRIQUE CHAVES FEZ A FESTA NA CATEGORIA LMGTE

O jovem de Torres Vedras já tinha mostrado potencial durante os treinos para a prova de La Sarthe, mas um conjunto de contrariedades na qualificação deixara o trio do Aston Martin Vantage AMR da TF Sport na décima nona posição da grelha de partida, o que obrigava a uma longa recuperação até alcançar as posições que estavam realmente ao seu alcance.

Foi Marco Sorenson que realizou o primeiro “stint” da prova, aproveitando a sua larga experiência no circuito gaulês, tendo recuperado até a oitavo, quando cedeu os comandos do carro inglês a Henrique Chaves.

O português não se poupou a esforços, prosseguindo a recuperação iniciada pelo seu colega de equipa, elevando-se ao terceiro posto, abrindo a porta dos lugares do pódio. Ben Keating, com uma boa prestação, manteve o Aston Martin número trinta e três entre os três primeiros e, quando Marco Sorenson regressou aos comandos, concluiu a recuperação, ascendendo ao comando da classe GTE Am.

A partir de então, os homens da TF Sport mantiveram um ritmo rápido e consistente, evitando problemas, o que foi determinante para chegarem ao fim das vinte e quatro horas de prova no comando, apesar dos adversários muito competentes.

ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA VENCE LMP2

António Félix da Costa venceu desta forma dominante a 90.ª edição das 24 horas de Le Mans, na categoria LMP2, ao volante no carro n.º 38 da equipa JOTA, juntamente com Roberto Gonzalez e Will Stevens. Na 2.ª posição dos LMP2 terminou o carro da Prema Orlen Team, com Robert Kubica, Louis Deletraz e Lorenzo Colombo ao volante. No degrau mais baixo do pódio terminou o outro carro da JOTA, pilotado por Rasmussen, Ed Jones e Jonathan Aberdeen. Na classificação geral a Toyota venceu sem surpresas, com Sebastien Buemi, Brendon Hartley e Hirakawa.

É sem dúvida um momento histórico para o desporto automóvel Nacional, numa vitória que o piloto de Cascais já merecia, ele que participou pela 5.ª vez nesta grande corrida. Félix da Costa, Roberto Gonzalez e Will Stevens partiram da 3.ª posição da grelha, entre os LMP2, e ainda no decorrer da primeira hora, saltaram para a liderança, para não mais largar. Um momento de ouro para Félix da Costa, que já tinha sido 2.º, mas obtém assim a vitória na 90ª edição das 24 horas de Le Mans.

Na classificação do Mundial de Resistência, António Félix da Costa, Roberto Gonzalez e Will Stevens, são agora lideres na classe LMP2, numa altura que estão realizadas as três primeiras corridas da temporada. A próxima prova tem lugar em Monza, no dia 10 de Julho.

FILIPE ALBUQUERQUE

TERMINA ODISSEIA NO 10.º LUGAR

Não é por acaso que as 24h de Le Mans são conhecidas como uma das mais duras provas do automobilismo mundial onde tudo pode acontecer. Que o diga Filipe Albuquerque. Depois de ter vencido esta prova em 2020 entre os LMP2 e ser um dos candidatos à vitória este ano, tudo o que havia para correr mal, aconteceu na corrida. Poucos metros bastaram após o arranque para o Oreca #22 de Albuquerque, Phil Hanson e Will Owen fosse abalroado e remetido para a cauda do pelotão.

Apesar de saberem que a corrida estava perdida, os três pilotos da United Autosports encetaram uma recuperação notável. Da cauda do pelotão chegaram esta manhã ao top 10, mas novo azar colocou novamente o #22 muito atrás na classificação para cruzarem a linha de meta num inglório 10.º lugar.

«Há coisas que não acreditamos possíveis. E o que nos aconteceu foi uma delas. Segundos depois do arranque para uma corrida de 24 horas sermos abalroados é algo difícil de digerir», começou por referir Filipe Albuquerque.

«Mas não deitámos a toalha ao chão. Apesar do carro ter ficado longe do seu desempenho normal fomos recuperando lugares e dando o nosso melhor. Mas um azar nunca vem só e quando já estávamos no top 10, um pedaço de borracha acertou no botão de emergência do carro e desligou-o em plena corrida. Foram mais dois minutos perdidos», continuou o piloto de Coimbra.

«E depois disto, foi continuar a fazer o nosso melhor. O resultado está longe do que desejávamos, mas pelo menos fica o sentimento de dever cumprido. As coisas não aconteceram por fatores externos que não podemos controlar. Mas isto são as corridas e em especial as 24 Horas de Le Mans. Agora é pensar na próxima prova», concluiu Filipe Albuquerque não sem antes dar «os parabéns ao António Félix da Costa e ao Henrique Chaves pelas vitórias».

O piloto português tem agora um período de interregno para dentro de 15 dias regressar aos Estados Unidos da América para mais uma corrida do Campeonato Norte Americano de Resistência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.