Toby Price caiu e partiu braço e ombro esquerdo

O australiano da KTM desistiu hoje do Rali Dakar na sequência de uma queda sofrida ao quilómetro 155 dos 465 da nona especial, quando era segundo classificado das motos, precisamente no dia em que Paulo Gonçalves faleceu há um ano durante a sétima etapa da edição passada da prova.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Uma queda ao km 155 do Sector Selectivo (SS) atirou com o australiano Toby Price (KTM) para o hospital de Tabuk, com o braço e o ombro esquerdo partidos, o que impede o vencedor de 2019, segundo no arranque do dia, de continuar a lutar pela subida ao degrau mais alto do pódio.

O dia tinha começado bem para o australiano que, no primeiro ponto de controlo, tinha ganho 48 segundos ao chileno Jose Cornejo (Honda), mas depois um erro de navegação atrasou-o e foi na tentativa de recuperar esse atraso, que tinha superior a um minuto, que Toby Price caiu e ficou arredado, de vez, da vitória.

Mas o piloto da KTM não foi o único a ser evacuado para o hospital de Tabuk, já que o argentino Luciano Benavides (Husqvarna), 10.º da geral, fracturou o ombro direito, em consequência de uma queda, ao km 242, e também ele encaminhado para a unidade hospitalar que estava de prevenção.

Indiferentes ao que sucedia aos seus adversários, Jose Cornejo e o argentino Kevin Benavides (Honda) impunham o ritmo, com o argentino a registar o melhor tempo no SS, à frente do americano Ricky Brabec (Honda) e do chileno, que cimentou a posição de comandante, tendo 11m24s de avanço sobre o argentino.

No final, Jose Cornejo não escondia o desejo «de que o que aconteceu ao Toby não seja grave». «Foi um dia duro e desconcentrei-me quando soube do sucedido, até porque andar sozinho é muito desgastante do ponto de vista mental», sublinhou.

O inglês Sam Sunderland (KTM), quarto no SS, ascendeu ao terceiro lugar e é o único piloto da marca austríaca nos cinco primeiros e a conseguir intrometer-se entre os pilotos do construtor nipónico. Os 14m34s de atraso para Jose Conejo admite-lhe continuar a aspirar ao triunfo, mas a três dias do final da prova, a Honda parece estar a caminho de repetir o triunfo do ano passado, que pôs fim a 19 triunfos seguidos da KTM.

Adrien Van Beveren, piloto Monster Energy Yamaha Rally Team, registrou o seu melhor crono no Dakar de 2021. Encontrando a sua forma durante a segunda metade do evento, o francês desfrutou da natureza técnica do especial de hoje e terminou no quinto lugar. Com este resultado, Adrien Van Beveren avançou para o 10.º lugar da classificação geral. Já o norte-americano Ross Branch terminou a sua participação no Dakar na sequência de um problema técnico na sua moto.
Excelente SS do português Joaquim Rodrigues (Hero) que foi 11.º, o que lhe permitiu ganhar quatro lugares, subir ao 12.º posto e ficar a 22m23s de fechar o lote dos 10 primeiros.

O piloto de Barcelos confessou que foi um dia difícil por completar-se um ano sobre a morte de Paulo Gonçalves, o seu cunhado, referindo que «não sabia se ia arrancar hoje, mas pelo Paulo consegui chegar ao fim».

Sebastian Buhler (Hero) foi 24.º no SS e ganhou três posições na geral, o que lhe permitiu subir para 16.º, com Rui Gonçalves ((Sherco Factory) a ter idêntica progressão e a ascender ao 22.º lugar da geral.

“SENHOR DAKAR” AMPLIA

VANTAGEM NOS AUTOMÓVEIS

Nos automóveis, os três furos contribuíram de forma significativa para os 12 minutos perdidos pelo qatari Nasser Al-Attiyah, o que significa que o francês Stéphane Peterhansel (Mini JCW Buggy), que passa ter um avanço de 17m50s sobre o piloto da Toyota Hilux, tem tudo a seu favor para vencer pela oitava vez, nos automóveis, a que junta outros seis triunfos nas motos, regressando ao lugar mais alto do pódio, o que não sucede desde 2017.

Nasser Al-Attiyah explicou que «não cometemos erros na navegação, mas como tivemos três furos e, como só tínhamos dois pneus sobresselentes, tivemos que reduzir o ritmo, pois não podia fazer mais nada».

Para Stéphane Peterhansel, «este foi o SS mais completo… para lá das dunas». «Tivemos calma no início, porque havia muitas pedras, para evitar os furos e passámos pelo Carlos e o Nasser que tinham furado. Foi um verdadeiro dia de “Dakar”, em que é preciso esquecer a velocidade e gerir a distância, a mecânica e os pneus», acrescentou.

Também o espanhol Carlos Sainz (Mini JCW Buggy) atrasou-se por um furo, mas depois teve de parar para resolver um problema de travões e perdeu mais de 20 minutos para o francês.

Entre os portugueses, destaque para o 10.º tempo no SS feito pelo lituano Benediktas Vanagas (Toyota Hilux), que é navegado por Filipe Palmeiro, mantendo o 12.º lugar da geral, mas ficou a 18m18s de passar a integrar o lote dos 10 primeiros.

O leiriense Ricardo Porém (Borgward) foi 13.º no SS e manteve o 22.º posto na geral, enquanto José Marques, navegador do lituano Gintas Petrus (Optimus), viu o seu piloto registar o 33.º tempo no SS, com a dupla luso-lituana a ser 32.º na geral.

Nos SSV, o chileno Francisco Lopez Cortado (Can-Am) foi o mais rápido no SS, deixando o segundo, o polaco Marek Gozcal (Can-Am), a mais de 15 minutos e, face ao domínio exercido, regressou ao comando da categoria que tinha perdido antes do dia de descanso.

Mau dia para os portugueses entre os SSV, com Lourenço Rosa (Can-Am) a ser o 29.º no SS, na frente de Rui Carneiro (MMP), e manter o 11.º lugar da geral, a escasso 1m08s do francês Eric Abel (Can-Am), que fecha o lote dos 10 primeiros.

CLASSIFICAÇÕES

Sector Selectivo (465 km)

Motos – 1.º, Kevin Benavides (Honda), 4.49’15”; 2.º, Ricky Brabec (Honda), a 1’18”; 3.º, Jose Cornejo (Honda), a 1’34”; 4.º, Sam Sunderland (KTM), a 10’11”; 5.º, Matthias Walkner (KTM), a 14’19”; 6.º, Joan Barreda Bort (Honda), a 14’29”; 7.º, Lorenzo Santolini (Sherco Factory), a 16’43”; 8.º, Daniel Sanders (KTM), a 17’17”; 9.º, Skyler Howes (KTM), a 22’39”; 10.º, Pablo Quintanilla (Husqvarna), a 23’30”; …; 13.º, Joaquim Rodrigues (Hero), a 31’48”; …; 24.º, Sebastian Buhler (Hero), a 58’28”; …; 39.º, Rui Gonçalves (Sherco Factory), a 1.45’58”

Automóveis – 1.º, Stéphane Peterhansel/Edouard Boulanger (Mini JCW Buggy), a 4.50’27”; 2.º, Nasser Al-Attiyah/Matheu Baumel (Toyota Hilux), a 12’00”; 3.º, Giniel De Villiers/Alex Haro (Toyota Hilux), a 12’19”; 4.º, Yazzed Al-Rahji/Dirk Von Zitzewitz (Toyota Hilux), a 12’44’’ ; 5.º, Brian Baragwanath/Taye Perry (Century), a 13’51”; 6.º, Martin Prokop/Viktor Chytka (Ford RS Cross Country), a 16’37”; 7.º, Cyril Despres/Michael Horn (Peugeot 3008 DKR), a 18’45”; 8.º, Khalid Al Qassimi/Xavier Panseri (Peugeot 3008 DKR), a 19’40”; 9.º, Marcelo Tiglia/Lourival Roldan (Century Racing), a 19’41”; 10.º, Benediktas Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota Hilux), a 19’56”; …; 13.º, Ricardo Porém/Jorge Monteiro (Borgward), a 24’33”; …;  33.º, Gintias Petrus/José Marques (Optimus), a 53’13”.

SSV – 1.º, Francisco Lopez Cortado/JuanPablo Latrach (Can-Am), 5.31’41”; 2.º Khalifa Al-Attiyah/Paolo Ceci (Can-Am), a 11’34”; 3.º, Marek Gozcal/Rafal Marton (Can-Am), a 16’46”; 4.º, Jose Antonio Hinojo/Diego Ortega (Can-Am), a 21’55”; 5.º, Reinaldo Varela/Maykel Justo (Can-Am), a 25’36”; …; 29.º, Lourenço Rosa/Joaquim Dias (Can-AM), a 1.12’37”; 30.º, Rui Carneiro/Filipe Serra (MMP), a 1.13’35”

Geral

Motos – 1.º, Jose Cornejo (Honda), 36.51’00”; 2.º, Kevin Benavides (Honda), a 11’24”; 3.º, Sam Sunderland (KTM), a 14’34”; 4.º, Ricky Brabec (Honda), a 17’26”; 5.º, Joan Barreda Bort (Honda), a 29’00”; 6.º, Daniel Sanders (KTM), a 38’23”; 7.º, Skyler Howes (KTM), a 40’25”; 8.º, Lorenzo Santolini (Sherco Factory), a 42’08”; 9.º, Pablo Quintanilla (Husqvarna), a 1.00’37”; 10.º, Stefan Svitko (KTM), a 1’14’07”; …, 12.º, Joaquim Rodrigues (Hero), a 1.48’03”; …; 16.º, Sebastian Buhler (Hero), a 3.03’12”; …; 22.º, Rui Gonçalves (Sherco Factory), a 5.45’14”

Automóveis – 1.º, Stéphane Peterhansel/Edouard Boulanger (Mini JCW Buggy), 34.26’16”; 2.º, Nasser Al-Attiyah/Matheu Baumel (Toyota Hilux), 17’50”; 3.º, Carlos Sainz/Lucas Cruz (Mini JCW Buggy), a 1.02’25”; 4.º, Jakub Przygonski/Timo Gottschalk (Toyota Hilux), a 2.16’30”; 5.º, Nani Roma/Alexandre Winocq (Hunter BRX), a 2.42’38”; 6.º, Khalid Al Qassimi/Xavier Panseri (Peugeot 3008 DKR), a 3.01’13”; 7.º, Vladimir Vasilyev/Dmitro Tsyro (Mini JCW Rally), a 3.10’17”; 8.º, Martin Prokop/Viktor Chytka (Ford RS Cross Country), a 3.36’01”; 9.º, Giniel De Villiers/Alex Haro (Toyota Hilux), a 3.40’09”; 10.º, Christian Lavieille/Jean-Pierre Garcin (Optimus), a 4.10’32”; … ; 12.º, Benediktias Vanagas/Filipe Palmeiro (Toyota Hilux), a 4.28’50”; …; 20.,º Ricardo Porém/Jorge Monteiro (Borgward), a 6.15’35”; …; 32.º, Gintias Petrus/José Marques (Optimus), a 10.14’40”.

SSV – 1.º, Francisco Lopez Cortado/JuanPablo Latrach (Can-Am), 42.05’20”; 2.º, Austin Jones/Gustavo Gugelmin (Can-Am), a 12’25”; 3.º, Aron Donzala/Maciej Marton (Can-Am), a 38’03”; 4.º, Michal Goczal/Szymon Gospodarczyk (Can-Am), a 1.03’30”; 5.º, Reinaldo Varela/Maykel Justo (Can-Am), a 1’23,40”; …; 11.º, Lourenço Rosa/Joaquim Dias (Can-Am), a 4.30’15”…; 22.º, Rui Carneiro/Filipe Serra (MMP), a 10’05’30”

ETAPA DE AMANHÃ

A caravana do “Dakar” deixa a cidade de Neon, depois de ali ter passado duas noites e ruma  a Alula, por um percurso de 583 km, dos quais 342 km em SS. A maior parte do SS decorre em áreas montanhosas, mas os caminhos nos vales, repletos de areia, vão obrigar a cuidados redobrados na navegação..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *