Tiago Monteiro regressa a “casa” com ambição

Português chega a Vila Real apostado em dar uma alegria aos milhares de espectadores que vão acorrer ao traçado citadino transmontano, onde os erros não são permitidos mas que constitui um enorme desafio para pilotos e máquinas.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Cumprida a primeira metade da temporada, o WTCR inicia, no traçado transmontano de Vila Real, a segunda metade da época que coincide com o final da fase europeia, já que as restantes 12 corridas decorrerão na China (Ningbo), Japão (Suzuka), Macau (Guia) e Malásia (Sepang).

É a quinta vez que a competição visita a cidade fundada em 1289 pelo rei D. Dinis e que é palco de corridas desde 1931, quando Gaspar Sameiro e Ercilio Barbosa desenharam um circuito com 7,150 km, marcado pelas curvas da Timpeira, pela descida de Mateus e pela ponte, que trazia o percurso de volta ao centro da cidade.

No novo traçado, reduzido, primeiro, a 4,755km e depois aumentado, para 4,785 km, em consequência da alteração introduzida na primeira “chicane”, apenas se mantêm a descida de Mateus, onde a velocidade ultrapassa os 200 km/h.

Para o português Tiago Monteiro (Honda Civic) o regresso à competição, depois do grave acidente sofrido, em 2017, numa sessão de testes em Barcelona, está a ser mais difícil do que o esperado, com o começo a ser prometedor, ao marcar 20 pontos na jornada de abertura, nas ruas de Marrakech, mas a partir daí não mais o português somou pontos, com excepção da segunda corrida no Nordschleife, onde o 13.º lugar lhe permitiu arrecadar mais três pontos, o que o coloca no fundo da tabela em igualdade pontual com o marroquino Mehdi Bennani (VW),

A “acelerar em casa”, Tiago Monteiro chega a Vila Real apostado em dar uma alegria aos milhares de espectadores que vão acorrer ao traçado citadino, onde os erros não são permitidos mas que constitui um enorme desafio para os pilotos, que chegam a rodar a mais de 200 km/h entre os “rails”, que estão à espera do menor descuido para cobrarem a factura.

No que diz respeito ao campeonato, o argentino Esteban Guerrieri (Honda Civic), que tem feito da regularidade a sua arma, como o atesta o facto de só não ter pontuado em três das 15 corridas efectuadas, chega a Vila Real no comando, com uma vantagem de 45 pontos sobre o húngaro Norbert Michelisz (Hyundai i30 N) e de 54 sobre o sueco Thed Bjork (Lynn & Co 03), detentor do record da “volta”.

Contudo, não são de desprezar as possibilidades do italiano Gabriele Tarquini (Hyundia i30 N), actual detentor do título, do inglês Robert Huff (VW Golf GTi), do argentino Nestor Girolami (Honda Civic), que já passou pelo comando do campeonato, do holandês Nicky Catsburg (Hyundai i30 N) e do francês Yvan Muller (Lynk & Co 03) entrarem na luta pela vitória, onde todos esperam ver, também, Tiago Monteiro.

As corridas do WTCR estão marcadas para sábado (15h15 – 11 voltas) e domingo (15h30 – 11 voltas e 17.00 – 13 voltas), com o programa a completar-se com as corridas dos Campeonatos de Portugal de Clássicos 1300, Clássicos, Legends e Open e do Troféu Kia Picanto e do TCR Ibérico.

CLASSIFICAÇÃO DO CAMPEONATO

PILOTOS – 1.º Esteban Guerrieri, 215 pontos; 2.º Norbert Michelisz, 170; 3.º Thed Bjork, 161; 4.º, Nestor Girolami, 154; 5.º, Frederic Vervisch. 132; 6.º, Mikel Azcona, 127; 7.º, Gabriele Tarquini, 118; 8.º, Yvan Muller, 115; 9.º, Jean-Karl Verney, 110; 10.º, Augusto Farfus, 99 (…); 25.º Tiago Monteiro, 23. Está classificado mais um piloto.

EQUIPAS – 1.º, ALL-INKL.COM Munnich Motorport, 369 pontos; 2.º, BRC Hyundai N Squadra Corse, 288; 3.º, Cyan Racing Lynk & Co, 276; 4.º, BRC Hyundai N Lukoil Racing Team, 194; 5.º, Sébastien Loeb Racing Volkswagen Motorsport, 164; 6.º, PWR Racing, 162; 7.º, Comtoyou Team Audi Sport, 161; 8.º, Leopard Racing Team Audi Sport, 139; 9.º, Cyan Performance Lynk & Co, 135; 10.º, Mulsanne Srl, 116; 11.º, Comtoyou DHL Tean Cupra Racing, 98; 12.º, Sébastien Loeb Racing Volkswagen, 95; 13.º, KCMG, 52

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação