Team Bianchi Prata Honda em modo operativo

A sexta etapa da 44.ª edição do Rali Dakar m todo-o-terreno, disputada esta sexta-feira em redor de Riyadh, na capital da Arábia Saudita, foi encurtada para 101 quilómetros dos 402 previstos, com Pedro Bianchi Prata, Arcélio Couto e Paulo Oliveira a cumprir os objectivos.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: FOTOP

Pedro Bianchi Prata

A etapa de hoje fechou a primeira semana de competição, e foi a segunda etapa em “loop” (começa e acaba no mesmo sítio) em torno de Riyadh que explorou o oeste da capital da Arábia Saudita. A navegação foi feita em alerta máximo para navegar numa teia de cruzamentos na primeira parte da especial.

As dunas apareceram pela primeira vez no meio de uma etapa, onde um mar de dunas de cerca de 40 km esperou a caravana. Quem aqui ganhou vantagem deu para chegar confortavelmente ao final da etapa. Todavia, a etapa foi neutralizada ao quilómetro 101 por questões de segurança.

«O dia foi encurtado devido a alguns pilotos que estavam na frente terem-se queixado que a etapa já estava um bocado dura por já ter sido utilizada pelos carros, camiões e SSV´s. O Sector Selectivo estava a ser giro até ao quilómetro 101, bastante técnico, com menos velocidade, com muita pedra e trialeiras e eu gosto deste tipo de coisas. Correu bem, chegamos sem percalços. Depois a etapa foi anulada e viemos em ligação até ao acampamento», referiu Pedro Bianchi Prata, aos comandos de uma Honda CRF450RX

Arcélio Couto

«Já estamos em dia de descanso, na unidade hoteleira a carregar baterias e a recuperar para, este sábado, preparar as coisas para a segunda semana do Rali Dakar e estarmos prontos para continuar a fazer o meu o trabalho, ou seja, levar a moto e o Paulo (Oliveira) até ao fim e, claro trazer, a medalha de finalista de mais um Dakar», revelou o piloto de Marco de Canaveses.

Por seu turno, Arcélio Couto, também aos comandos de uma Honda CRF450RX, «a última etapa antes do dia de descanso quase não tem história». «Uma etapa que optei por ir muito calculoso, muito devagar sem cometer qualquer erro que era para chegar ao fim com a moto direita e também sem qualquer queda».

Paulo Oliveira

«No entanto a etapa foi encurtada, foi cancelada ao quilómetro 101 no abastecimento devido ao mau estado da pista porque ontem passaram os camiões, os carros e os SSV’s e a pista estava bastante degradada. Este sábado será o dia de descanso para por a moto impecável e também descansar o corpo», disse, em forma de agradecimento, Arcélio Couto.

Já Paulo Oliveira, em KTM, referiu que «não valia a pena arriscar muito porque era uma etapa muito longa, era uma etapa de 400 quilómetros». «Acabou por ser anulada, fizemos 101 quilómetros. Tratou-se de um Sector Selectivo de muita pedra, uma etapa muito “endurista”. Acabamos por ficar no top 100, o que não é mau, mas vínhamos num ritmo tranquilo e de segurança para chegarmos ao meio da corrida de forma a conseguirmos atacar na segunda semana», argumentou o piloto moçambicano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *