Team Bianchi Prata Honda com veia de peripécias

Na etapa de hoje, em que o frio foi um dos principais inimigos dos pilotos em prova, o Dakar seguiu para sul em direcção a Riyadh, a capital da Arábia Saudita. Pedro Bianchi Prata, Arcélio Couto e Paulo Oliveira sentiram na pele a dureza de uma tirada que pareceu nunca ter fim.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: FOTOP

Arcélio Couto

Hoje disputou-se na Arábia Saudita a especial mais longa do Rali Dakar, desafiando os limites físicos e mentais dos participantes. Uma secção de pistas rápidas de quase 200 km de extensão, uma zona intermédia com dunas de tamanhos variados e um final rochoso, especialmente quando os competidores têm que cruzar um “wadi” após outro. Foi uma das etapas mais duras da primeira semana da prova desenhada pela francesa Amaury Sport Organisation (ASO).

Os pilotos do Team Bianchi Prata Honda concluíram o dia com algum sofrimento, mas satisfeitos por continuarem a manter muita vontade de progredir na prova: Arcélio Couto (Team Bianchi Prata – Honda) foi o 93.º a fechar o dia, com o moçambicano Paulo Oliveira (Mário Patrão Motorsport KTM) em 126.º, seguido de Pedro Bianchi Prata (Team Bianchi Prata – Honda), em 127.º.

Pedro Bianchi Prata

«Etapa terminada, muito dura excessivamente longa. Surgiram algumas peripécias, mas conseguimos chegar ao fim e estar tudo bem é o que interessa. O Dakar continua e a 4.ª etapa é sempre a mais dura e difícil. O Dakar é assim mesmo e não facilita. Amanhã é outro dia e vai correr tudo bem», argumentou Pedro Bianchi Prata, em Honda CRF450RX.

Já Arcélio Couto, em moto idêntica, sustentou que «a etapa foi concluída com sucesso». «A tirada que foi a mais longa da 44.ª edição do Rali Dakar de todo-o-terreno foi propícia a algumas aventuras, pois foram 464quilómetros muito duros. Foi, efectivamente, uma etapa muito rápida e muito perigosa, mas feita sem percalços», vincou o piloto nortenho.

Paulo Oliveira

Por seu turno, Paulo Oliveira, em KTM, fez questão de referir que «hoje foi a etapa mais longa do Dakar, muito dura e com um total de 800 quilómetros, 464 dos quais foram cronometrados». «Hoje tivemos alguns percalços e tivemos que parar para ajudar dois concorrentes que estavam parados à espera dos mecânicos, mas o Pedro (Bianchi Prata) acabou por resolver. Apesar de difícil, esta etapa está feita e já estamos preparámos para mais um dia de competição», acrescentou.

Para esta quinta-feira disputa-se a quinta etapa em torno de Riyadh, capital da Arábia Saudita, e será composta por um troço cronometrado de 346 quilómetros. Os pilotos e equipas vão encontrar um percurso entre trilhos de terra, salpicados de pedra e com uma longa secção de dunas com quase 80 quilómetros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.