Sunderland pára, socorre Gonçalves e vence etapa

Triunfo do piloto britânico da KTM teve ontem um sabor especial. Após ter “desligado” a sua 450 Rally para ajudar o português, que se acidentou, a organização atribuiu-lhe a vitória

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Sam Sunderland (KTM)

A quinta etapa do Rali Dakar – segunda parte de uma tirada maratona que obrigou os participantes das duas rodas a enfrentar 345 quilómetros cronometrados e derradeira antes do descanso –, foi fértil em acidentes e benesses. Que o diga Paulo Gonçalves. O piloto de Esposende voltou a virar uma página sem história, ao sofrer uma queda violenta ao quilómetro 173, culminando com um pequeno traumatismo craniano, além da suspeita de ter fracturado a mão esquerda, tendo sido retirado do percurso de helicóptero. O piloto tinha subido ao oitavo lugar na classificação das motos na véspera, após o sexto lugar conquistado na quarta etapa, que ligou Arequipa a Moquegua. Essa tirada já tinha desistido Hugo Lopes (KTM), com o motor da sua moto partido.

Paulo Gonçalves evacuado de helicóptero

Tratou-se de um brutal golpe nas aspirações da marca nipónica, em que o técnico conimbricense Martim Reis trabalha arduamente para manter as máquinas em perfeitas condições. Primeiro foi Joan Barreda Bort a despedir-se do Peru e, agora, foi Paulo Gonçalves, com a esperança da Monster Energy Honda Team entregues a Kevin Benavides e Ricky Brabec.

Por outro lado, e como o britânico da Red Bull KTM Factory Team prestou socorro ao piloto português, a Amaury Sport Organisation (ASO) decidiu retirar 10m52s ao seu tempo oficial – cronometrado como o 14.º mais rápido. Antes desta decisão, o francês Xavier de Soultrait, da Yamalude Yamaha Team, foi declarado o vencedor da tirada, invertendo-se as posições.

Ricky Brabec (Honda)

«Estou feliz por conseguir hoje o triunfo e alcançado o segundo lugar da geral, apenas 59 segundos de diferença para o líder. Há um longo caminho a percorrer, mas agora temos um dia de descanso bem merecido, apesar de triste pelo abandomo do meu amigo Paulo Gonçalves», disse Sam Sunderland, depois de relegou para a segunda posição o francês Xavier de Soultrait (Yamaha) que terminou a 3m23s do piloto britânico e na frente do vencedor do Dakar 2018, Matthias Walkner (KTM) que foi o terceiro a 3m32s do vencedor da etapa.

Já o líder das motos no Dakar, Ricky Brabec (Honda), acabou a tirada desta sexta-feira na 10.ª posição, enquanto Sam Sunderland (KTM) é agora segundo, a 59 segundos do piloto norte-americano, e Pablo Quintanilla (Husqvarna), que perdeu muito tempo no final da especial, desceu à terceira posição a 2m52s do líder da prova.

Joaquim Rodrigues Jr. (Hero)

Entre os portugueses, Joaquim Rodrigues Jr. (Hero) foi o melhor piloto luso ao terminar na 18.ª posição. O cunhado de Paulo Gonçalves, Quim Rodrigues Jr., concluiu a tirada entre Monquegua e Arequipa, com um total de 776 quilómetros e uma especial cronometrada de 345 quilómetros, a 13m48s do vencedor, o britânico Sam Sunderland (KTM).

António Maio (Yamaha) foi o 27.º, a 18m43s do vencedor, e é 30.º, com Mário Patrão (KTM) em 29.º, a 22m41s. O piloto de Seia, que mantém o 21.º posto da geral, a 1h52m45s do líder explicou: «Dou por mim a lutar fisicamente para me manter focado, pois alguns waypoints (pontos de passagem obrigatória) estão muito difíceis de alcançar o que me tem feito perder algum tempo».

O luso-germânico Sebastian Bühler (KTM) terminou em 34.º, a 44m56s de Sam Sunderland, e é 33.º da geral, com Fausto Mota (Husqvarna) a terminar em 42.º, David Megre (KTM) em 73.º e Miguel Caetano (Yamaha) em 82.º. Refira-se que o dia ficou ainda marcado pela desistência do italiano Nicola Dutto (KTM), o primeiro piloto paraplégico a participar na competição das motas.

Sébastien Loeb e Daniel Elena (Peugeot 3008 DKR)

LOEB VENCE MAS NASSER REFORÇA LIDERANÇA

Nos automóveis, o francês Sébastien Loeb, navegado por Daniel Elena, vence pela segunda vez a edição deste ano do Dakar, depois duma etapa em que esteve quase sempre na frente. Depois de Stéphane Peterhansel liderar na fase inicial, o compatriota tomou a dianteira e bateu o piloto do Qatar, Nasser Al-Attiyah, por mais de nove minutos., com o navegador Daniel Elena a criticar a organização devido a um alegado erro no “road book” que terá custado à dupla gaulesa a perda de 30 minutos na terceira etapa.

Stéphane Peterhansel, por seu turno, teve problemas de sobra na segunda fase da etapa, ficando, inclusivamente, parado no km 478. É certo que recomeçou a especial, mas terminou-a em quarto atrás do espanhol Nani Roma e, pior do que isso, a 26 minutos atrás de Sébastien Loeb, cedendo 16 minutos para Nasser Al-Attiyah, que passa a dispor agora de 24m42s de avanço para o francês da Mini da alemã X-Raid Team.

Ricardo Porém (Can-Am)

Nani Roma é terceiro a 34m33s e Kuba Przygonski quarto a 38m12s. Sébastien Loeb passa a quinto, a 40m00s, já que Yazeed al-Rahji teve problemas e vai perder muito tempo. No final da primeira parte da etapa já estava a perder 1m45m.

Nos SxS, a dupla de Leiria, Ricardo Porém (Can-Am) foi sexto e mantém idêntica posição na classificação geral, cuja especial começou com duas horas de atraso devido ao nevoeiro cerrado que impediu os helicópteros de segurança de levantar voo e, pelo mesmo motivo, acabou por ser dada por finalizada no terceiro controlo de passagem.

Este sábado cumpre-se o dia de descanso do Dakar, prova que termina quarta-feira, em Lima, capital do Peru.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação