Steve Holcombe campeão Mundial de Enduro

“O meu objectivo era ser campeão da classe E2 pelo que ser campeão da geral é muito bom”, frisou o piloto britânico da Beta, no final da derradeira prova pontuável para o Campeonato Mundial FIM Borilli EnduroGP 2020, em Marco de Canaveses.

(auto.look2010@gmail.com)

O piloto britânico Steve Holcombe (Beta) sagrou-se este domingo campeão do Mundo de Enduro em Marco de Canavezes, no distrito do Porto, após ser segundo classificado na derradeira prova do campeonato.

Steve Holcombe, que tinha quatro pontos de vantagem sobre o compatriota e colega de equipa, Brad Freeman, terminou a 43 segundos do vencedor, o espanhol Josep Garcia (KTM), mas bateu Brad Freeman por 22 segundos, o suficiente para festejar o título.

«O meu objectivo era ser campeão da classe E2 pelo que ser campeão da geral é muito bom», frisou Steve Holcombe. Para quem venera o suspense, drama e reviravoltas, este último dia do Campeonato Mundial FIM Borilli EnduroGP 2020 foi um sonho.

Entre os portugueses, Gonçalo Reis (KTM) venceu, pelo segundo ano consecutivo, a categoria Open 2T, ajudando, também, ao triunfo da equipa da Federação de Motociclismo de Portugal no troféu de clubes: «Consegui ganhar, andei sempre certinho. É sempre bom ganhar por equipas», disse Gonçalo Reis, que faz equipa com Gonçalo Sobrosa (Beta) e Ricardo Wilson (Beta) e Frederico Rocha (Husqvarna).

Além do título mundial registado por Gonçalo Reis, a classe Open 2T viu Gonçalo Sobrosa sagrar-se vice-campeão. Terceiro no primeiro dia em Marco de Canaveses, o jovem da Beta, natural de Vila Nova de Cerveira, foi 4.º este domingo e assegurou a segunda posição no Campeonato Mundial FIM Borilli EnduroGP 2020 por apenas dois pontos face ao checo Robert Friedrich.

Mas não foram só os “Gonçalos” que colocaram Portugal em destaque na Open 2T. Ricardo Wilson e Frederico Rocha foram muito regulares na última jornada da temporada e fecharam o ano em 6.º e 7.º do campeonato, respectivamente.

Desta forma, nos sete primeiros lugares da Taça do Mundo de Enduro Open 2T, quatro foram portugueses. Na categoria Open 4T, Paulo Felícia foi obrigado a abandonar a corrida deste domingo quando seguia na 5.ª posição. Assim, Filipe “Taniko” Oliveira foi o melhor português e terminou a prova e o campeonato na 8.ª posição. Um bom resultado do piloto que apenas este ano se estreou em competições internacionais.

TRÊS PORTUGUESAS

NO TOP 10 NA CLASSE SENHORAS

Pelo terceiro ano consecutivo, Joana Gonçalves terminou na 5.ª posição do campeonato. Sexta classificada no sábado e quarta no domingo, a piloto da Husqvarna chegou a rodar nos três primeiros em ambos os dias e provou que tem o seu lugar entre as melhores do mundo.

Rita Vieira tinha sido nona no primeiro dia mas tirou partido da experiência adquirida na lama da prova do fim-de-semana passado (na qual competiu na classe Nacional) e melhorou no domingo para o 7.º posto. No cômputo final do campeonato, a piloto da Yamaha terminaria num positivo 8.º lugar.

 

Bruna Antunes também se deu melhor com as difíceis condições do terreno no domingo e foi uma das 10 participantes que conseguiram chegar ao final da prova. 12.ª e 10.ª nos dois dias de competição, a jovem piloto da KTM garantiu um lugar no top 10. Depois de anunciada a retirada da competição do Team Racespec CFL Offroad, a piloto de Sesimbra, que terminou a temporada de 2020 na terceira posição na classe Senhoras no Campeonato Nacional de Enduro, respondeu com aprumo a sua primeira experiência no Mundial de Enduro Feminino

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: