Sever do Vouga “respirou” PTRX por todos os poros

O clima esteve bom e o público e a intensidade das corridas marcaram a terceira prova do PTRX 2019, na pista alto do Roçário. Com a emoção e adrenalina de mãos dadas, a “capital do mirtilo” também se “trajou” a rigor para receber os magos das quatro rodas.

(auto.look2010@gmail.com)

Domingo foi o dia em que se decidiu a terceira prova do Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super Buggy. Correram-se as últimas qualificações, as finais foram disputadas e os vencedores foram consagrados

Quanto a vencedores, e no que na Iniciação diz respeito, a vitória ficou na posse de Rodrigo Correia (Peugeot 205) e, João Novo (Peugeot 106), ganhou na Nacional 2RM. Nos Supercar, divisão 2 e 1, José Pedro Gomes (Opel Astra) e Rogério Silva (Peugeot 206) foram, respectivamente, os laureados, enquanto Pedro Tiago (Citroën Saxo) continua a ganhar na Nacional A1.6. Mauro Reis (HSport TT) foi primeiro nos Super Buggy e Jorge Gonzaga (ASK EVO 18) ganhou nos Kartcross, com Joaquim Machado (Peugeot 208 S1600) a sair da capital do Mirtilo com o triunfo no bornal na Super 1600.

Na prova Iniciação, o piloto Autojac, Rodrigo Correia, que acelerou no Peugeot 205 com as cores AUTOLOOK, arrancou bem e assegurou a primeira posição logo desde o início. André Monteiro (Toyota Corolla), embora fosse um pouco mais atrás, ia consolidando o segundo lugar e isso ficava um pouco mais fácil, quando Gonçalo Macedo (VW Polo) falhava a caixa e baixava para último.

A partir daí, foi precisamente Rodrigo Correia a controlar a corrida a seu bel-prazer, depois de também ter dominado as duas provas anteriores, piloto muito acarinhado pelos seus fãs e conterrâneos, dado que o jovem piloto de Oliveira de Frades estava praticamente a evoluir em casa. Refira-se que Rodrigo Correia conquistou a “pole position” logo nas três primeiras corridas de qualificação, o que lhe garantiu o primeiro lugar.

Já André Monteiro não teve outra alternativa que segurar o segundo posto e Gonçalo Macedo a correr atrás do prejuízo. Depois de uma grande luta com Gonçalo Novo (Toyota Starlet), conseguia “arrancar” o mais baixo de pódio “a ferros” e Novo terminava em quarto.

No Nacional 2RM, João Novo (Peugeot 106) acelerou assim que a luz apagou. Atrás, na luta pelo segundo lugar, encontravam-se Adão Pinto (Opel Astra) e Luís Carvalho (Peugeot 206). Entretanto, entre a curva um e a dois, dava-se uma espécie de choque em cadeia, que envolvia meio pelotão e deixava Miguel Nunes (Peugeot 306) e Andreia Sousa (Peugeot 306), “fora de combate”, atravessados em plena trajectória e a corrida parava com bandeira vermelha.

Nova partida e João Novo arrancou para a liderança seguido de Adão Pinto, que na saída da curva um perdeu várias posições, na sequência de um toque, que envolvia também o Honda Civic de Hugo Santos. Santos ainda retomava o andamento, mas seguia para o paddock.

Na entrada da terceira volta Andreia Sousa criava pressão a Luís Carvalho e passava para terceiro lugar. As idas à “joker lap”, baralhavam tudo, deram-se muitas lutas, Adão Pinto conquistou a segunda posição novamente e aí acabou a corrida.

No fim, o pódio ficou definido com João Novo em primeiro, Adão Pinto em segundo e Luís Carvalho em terceiro, seguido de Andreia Sousa, completamente “colada” á traseira do Peugeot 206 de Carvalho. Andreia Sousa foi a senhora melhor classificada da Nacional 2RM.

Na prova destinada ao Nacional A 1.6, Pedro Tiago (Citroën Saxo) arrancou, como sempre bem e foi para frente da corrida. Deixou toda a gente a discutir o segundo posto e dessa forma foi ganhando a vantagem, que lhe permitiu gerir o final da prova. O segundo posto tornou-se assim no foco de toda a atenção e que “grande” corrida foi. Entre os restantes, na terceira volta, Leandro Macedo fez uma ultrapassagem por dentro, na entrada da recta da meta, que o deixou em segundo lugar, à frente de Tiago Ferreira.

Na quarta volta, Luís Morais (Peugeot 106) embatia na barreira e acabava encostado ao rail. A luta pelo segundo posto, perdia um protagonista. Pedro Tiago garantia a vitória e deixava o segundo lugar para Américo Sousa, seguido de Tiago Ferreira, Bruno Lima (Citroen Saxo) e Leandro Macedo (Citroën Saxo), completava o grupo dos cinco da frente.

Na Super 1600, início rápido de João Ribeiro (Citroën Saxo S1600) que rapidamente assumia o primeiro lugar. Joaquim Machado (Peugeot 208 S1600) ficava na segunda posição com Mário Teixeira (Ford fiesta S1600) colado na traseira. Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600) era o quarto elemento deste grupo.

As idas à “Joker Lap” foram definindo a corrida e João Ribeiro caiu para a terceira posição, dando hipótese de Mário Teixeira trepar para primeiro. A corrida foi intensa e o público vibrou. É certo que no final, as posições do pódio já se tinham modificado varias vezes.

Depois de uma corrida imprópria para cardíacos, tudo acabou com Joaquim Machado em primeiro lugar, Mário Teixeira em segundo, João Ribeiro em terceiro, Hélder Ribeiro em quarto e Sérgio Dias (Renault Twingo) a fechar o grupo dos cinco da frente.

Na competição de Supercars, Jorge Rodrigues (Subaru Impreza) dominou na linha de partida e assumiu a primeira posição, que manteve durante toda a primeira volta, com forte oposição de José Pedro gomes (Opel Astra). Joaquim Santos com problemas mecânicos no Ford Focus, seguiu para o paddock e desistiu. Na segunda volta, José Pedro Gomes assumiu a liderança por troca com Jorge Rodrigues. Já Rogério Silva (Peugeot 206), que lutava pelo terceiro posto, não evitou um pião na curva dois e baixava para último.

Jorge Rodrigues regressava da ida à “Joker Lap” e fazia um pião na curva dois, quando a disputava com Arturo Cota (Seat Leon). Entretanto Rogério Silva colava-se ao espanhol e nos metros que faltavam para terminar conseguia assumir o segundo posto e Jorge Rodrigues aproveitava para se “esgueirar” para terceiro.

José Pedro Gomes venceu à geral na Categoria 2, seguido por Rogério Silva, que foi simultaneamente o vencedor da Categoria 1. Jorge Rodrigues foi terceiro da geral e segundo da Categoria 2 e Arturo Loureiro terminou em quarto.

Na prova de Super Buggy, Nelson Barata (Toniauto Power UB) voou para a primeira posição, mas de acordo com o regulamento, teve de cumprir duas voltas á “Joker Lap”, por falsa partida. Mauro Reis (HSport TT) era o segundo.

Segunda volta e os dois primeiros vão ganhando distância de Fernando Silva (Toniauto TT) que se encontrava em terceiro. Foi na terceira volta que, com a ida à “Joker Lap” Nelson Barata baixou para terceiro e Mauro Reis assumiu a liderança. Fernando Silva subiu para a segunda posição.

A corrida ia na volta número cinco e Mauro Reis lutava forte com Fernando Silva pelo primeiro lugar, mas foi Mauro Reis que levou a melhor e assegurou a liderança. As posições de chegada foram: Mauro Reis em primeiro, Nelson Barata em segundo e Paulo Godinho em terceiro lugar a completar o pódio. Seguiam-nos Fernando Silva (Toniauto TT) e Arménio Rodrigues em quinto (GRT MXG).

Na final de Kartcross, a corrida começou renhida e só no final da curva um é que as três primeiras posições se começaram a definir: Jorge Gonzaga (ASK EVO 18) em primeiro, José Mota (Semog Bravo) em segundo e Rui Nunes (Semog Bravo) em terceiro.

Na terceira volta, o foco estava voltado para João Matias (HJSport H4) e Pedro Rosário (Semog Bravo), ambos estavam numa luta intensa lado a lado, a tentar alcançar o nono lugar. Já na volta número quatro, Pedro Rabaço (Proto HSport) subiu para a terceira posição.

A corrida foi muito renhida e as idas á “Joker” alteraram o piloto que iria ocupar o terceiro lugar: Pedro Rabaço. Assim, Jorge Gonzaga conseguiu manter a posição inicial, o tão apetecível primeiro lugar, José Mota acabou em segundo, Pedro Rabaço terceiro, Alexandre Borges quarto e Luís Almeida terminou em quinto.

 

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação