“Serenata à chuva” de Senna dá vitória no Estoril

Malogrado piloto brasileiro conquistou a sua primeira vitória na Fórmula 1 em Portugal.

(auto.look2010@gmail.com)

A Fórmula 1 está de regresso a Portugal 24 anos depois da última prova, disputada no circuito do Estoril. Desta vez é o Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, a acolher a 12.ª etapa do Mundial, de 23 a 25 de Outubro, e com hipótese de voltar a ficar na história do automobilismo mundial: se Lewis Hamilton vencer, irá tornar-se no piloto com mais vitórias, deixando para trás o recorde de Michael Schumacher, vencedor de 91 Grandes Prémios.

Portugal tem sido especial para muitos pilotos. Foi aqui que o malogrado Ayrton Senna alcançou a sua primeira vitória na Fórmula 1, a 21 de Abril de 1985. Começava aqui a caminhada vitoriosa do tricampeão mundial.

O Estoril recebia a segunda etapa do Mundial, contrastando com os restantes anos quando a prova em Portugal era das últimas do calendário da Fórmula 1. No sábado, o brasileiro fez 1m21.007s e conquistou a “pole position” em piso seco, deixando o francês Alain Prost, da McLaren-TAG/Porsche, a quase quatro décimas. Foi a sua primeira “pole” da carreira de Senna.

“SAÍ DAS BOXES COMO

QUE A PISAR EM OVOS”

Quando se deu o início da prova, havia uma certeza: muito dificilmente Ayrton Senna não venceria. O à-vontade com conduzia no circuito, num dia chuvoso, num piso molhado, deliciava quem estava esse dia no Estoril. A prova foi muito acidentada: dos 26 pilotos que iniciaram a corrida, apenas seis chegaram ao fim.

Apenas foram cumpridas 67 das 70 voltas previstas, já que se atingiu as duas horas de provas. A uma velocidade de 145,160 km/h, Senna levou o seu Lotus 97T/Renault Turbo ao triunfo, ao cruzar a meta com mais de um minuto de vantagem sobre Michele Alboreto, da Ferrari (+ 1m02.978s). Para se ter uma ideia das dificuldades da pista, de recordar que, em piso seco, Senna tinha feito a “pole” com o tempo de 1m21.007s e, na corrida, conseguiu também a melhor volta com 1m44.121s (alcançado na volta 15).

Nesse dia, Senna estava num mundo a parte. Dos restantes oito pilotos que conseguiram terminaram, dobrou sete deles. Piercarlo Ghinzani, o último, cruzou a meta com seis voltas de atraso. Foi também a primeira vitória da Lotus desde 1982 (Elio de Angelis no GP da Áustria).

A corrida foi tão fácil para o brasileiro que Senna até perdeu momentaneamente a concentração: despistou-se, saiu de pista, apanhou um valente susto mas voltou à corrida. Nada que o afectasse ou comprometesse a sua vitória.

«Tive vários momentos difíceis, mas o maior foi quando passei com as quatro rodas por cima de uma enorme poça de água e o carro “aquaplanou” para fora da pista. Felizmente que não bati em nada e pude voltar ao asfalto», recordou, na altura.

E como conseguiu pilotar com tamanha mestria, num piso tão traiçoeiro?

«Os organizadores tinham-nos dado dez minutos extra de aquecimento para nos adaptarmos àquela chuva. Eu estava tão perdido naquelas condições, porque não fazia a mínima ideia de como o carro iria comportar-se com tanta água, depois de ter saído do seco para o molhado com os depósitos cheios. Por isso saí das boxes como que a pisar em ovos. Lentamente, fui andando, com medo de perder o carro naquela volta e nem largar. Depois veio a largada, senti que o carro estava normal e fui embora», justificou, na altura, após a sua vitória.

Senna saiu do Estoril no terceiro lugar do Mundial de pilotos com nove pontos, os mesmos de Alain Prost e a três de Michele Alboreto, da Ferrari. Na altura, a vitória valia nove pontos, o segundo lugar ficava com seis pontos, o 3.º levava quatro pontos para casa. Três, dois e um ponto eram atribuídos ao 4.º, 5.º e 6.º colocados, respectivamente.

AYRTON SENNA, UM PREDESTINADO QUE PARTIU CEDO DEMAIS

Nascido em São Paulo, a 21 de Março de 1960, Ayrton Senna era um predestinado. Começou nos karts aos oito anos, fez a sua primeira prova oficial aos 13, aos 14 anos, era campeão de São Paulo, aos 17, campeão sul-americano, aos 19, vice-campeão do mundo. Em 1980, com 20 anos, Senna parte para Inglaterra e decide fazer do automobilismo a sua profissão.

A partir daí, iniciou-se o percurso rápido e continuado de vitórias que o levariam à Fórmula 1, onde se tornaria famoso e por vezes criticado por arriscar muito nas pistas e correr riscos desnecessários.

“NA PISTA ELE AGE COMO UM BANDIDO”

Em 1981, venceu os campeonatos de Towsend e RAC de fórmula Ford 1600, com 12 vitórias, 13 “pole positions” e cinco recordes de pista. Um ano depois, ganhou o campeonato inglês e europeu de fórmula super Ford 2000.

«Na pista ele age como um bandido», assim o definiu Michele Alboreto, antigo piloto italiano. À fama de condutor ousado e algo irresponsável contrapôs-se, porém, uma carreira planeada e segura, assente na autoconfiança do próprio valor.

Em 1984, Senna estreou-se na Fórmula 1, com um modesto Toleman, e ficou em 10.º lugar, apesar de integrar uma equipa que nunca pontuara num Mundial. No ano seguinte foi para a Lotus e ficou em quarto lugar. Em 1988 e 1990, ao volante de um McLaren Honda, foi campeão mundial. Com 30 anos, Senna sagrou-se tricampeão.

«Ele só pensa nas corridas. Não sei se tanta dedicação não o torna infeliz», disse, na altura, o piloto francês e rival Alain Prost, quando questionado sobre o piloto brasileiro. Senna disputou 162 grandes prémios desde a sua estreia na Fórmula 1, em 1984 com um Toleman-Hart, e ainda tem vários registos notáveis: é o quinto piloto com mais vitórias (41, a primeira delas no Estoril) e terceiro com mais “pole positions” (65).

Aos 34 anos, Ayrton Senna faleceu, após um violento acidente no Grande Prémio de São Marino de 1994, deixando para trás uma carreira de ouro na Fórmula 1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: