Selecções seniores e juniores ganham posições

Saber esperar é algo que numa prova longa, exigente e muitas vezes inesperada como os International Six Days Enduro, é por vezes uma mais-valia e pode ter justas compensações…

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: DARIO AGRATI

Diogo Ventura

O quinto dia da 95.ª edição dos International Six Days Enduro, que se está a realizar-se na região italiana da Lombardia, voltou a confirmar a veracidade dessa afirmação com clara vantagem para as selecções nacionais, em especial os Seniores e os Juniores que esta sexta-feira ganharam uma posição cada, subindo, respectivamente, ao quinto e ao décimo posto da geral.

Com menos um piloto desde o dia inaugural, a equipa sénior viu o seu esforço e resiliência ser recompensado com a subida a um honroso e muito justo quinto lugar na classificação geral, após mais um dia onde Luís Oliveira esteve entre os dez melhores da sua classe.

Foi o melhor dos pilotos lusitanos e viu ainda Diogo Ventura a cotar-se o 14.º classificado na mesma classe E1 e Rui Gonçalves no 15.º posto na E2. Uma prestação global que os deixa com uma ligeira vantagem face aos adversários mais directos antes do dia de encerramento.

Rui Gonçalves

A selecção júnior ganhou também uma posição e entrou de novo no lote das dez melhores ao mesmo tempo que olha para o nono lugar que ainda pode retirar das mãos da equipa belga se, para tal, conseguir anular a diferença no derradeiro dia de competição.

Também as Senhoras querem “agarrar” o quarto posto na edição deste ano dos International Six Days Enduro. Esta sexta-feira, a jovem piloto Joana Gonçalves não se intimidou com as adversidades e voltou a fechar o dia entre as cinco melhores, com Rita Vieira, de Via Nova de Gaia, a estar mais uma vez impecável, num desempenho de qualidade que a conduziu a mais um “top-ten”.

Já Bruna Antunes continua de “pedra e cal” a combater a lesão no braço direito contraída no terceiro dia de prova para também levar as cores de Portugal até ao final da prova.

Rita Vieira

Este sábado pilotos e máquinas enfrentam a disciplina do motocross final, numa pista onde poderão brilhar, fruto da sua experiência e rapidez, os pilotos Rui Gonçalves e Joana Gonçalves, que já alinharam no campeonato do mundo de MX e são apontados como potenciais vencedores do derradeiro confronto da prova.

Entre os membros da equipa são igualmente reconhecidos os dotes e velocidade no motocross de Luís Oliveira, Diogo Ventura ou Renato Silva, pilotos que conseguiram também vingar nessa disciplina ao longo das suas carreiras.

Será um dia decisivo para as cores de todas as equipas lusas, onde se incluir a formação da IS3 Team Portugal que continua em prova com os seus três pilotos: Frederico Rocha, Fernando Sousa e Fernando Sousa Jr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *