Segunda vitória consecutiva de Jack Miller

O piloto australiano da Ducati venceu hoje o Grande Prémio de França de MotoGP, em Le Mans, numa prova, marcada pela chuva, em que o português Miguel Oliveira (KTM) abandonou devido a queda.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Quinze dias depois de ter ganho em Jerez de la Frontera, o australiano Jack Miller (Ducati) venceu em Le Mans, juntando-se ao francês Fabio Quartararo (Yamaha) no lote de pilotos que já subiram duas vezes ao lugar mais alto do pódio esta temporada.

A corrida começou com o piso seco, mas a chuva apareceu, o que levou os pilotos a irem às “boxes” trocar de moto para utilizarem aquelas que tinham montados pneus de chuva, mas isso não evitou várias quedas, entre elas a do português Miguel Oliveira (KTM), que viria a desistir.

O piloto de Almada, que chegou a estar na 16.ª posição, começou a recuperar terreno, chegando ao nono lugar, numa altura em que era o mais rápido em pista. No entanto, o piloto português voltou a cair, pela segunda vez este fim-de-semana, agora na curva 3 e a 15 voltas do final. Apesar de ter tentado regressar à corrida, tal como tinha feito no GP de Portugal, a mota não estava em condições e o piloto de Almada viu-se forçado a abandonar.

As Ducati foram as mais eficazes face à instabilidade das condições de aderência, uma vez que a pista começou a secar e houve quem equacionasse a possibilidade de voltar à moto equipada com pneus “slicks”, com o francês Johann Zarco (Ducati) a assegurar o 1-2 da marca italiana, à frente de Fabio Quartararo, que regressou ao comando do campeonato, com um ponto de avanço sobre o italiano Francesco Bagnaia (Ducati). Miguel Oliveira perdeu duas posições, caindo de 17.º para 19.º, com nove pontos, os mesmos do italiano Valentino Rossi (Yamaha), que foi 11.º.

Jack Miller, que conquistou a segunda vitória consecutiva no campeonato, deixou o francês Johann Zarco (Ducati) na segunda posição, a 3,970 segundos, e o também gaulês Fabio Quartararo (Yamaha) em terceiro, a 16,172 segundos.

A corrida começou com piso seco e com a liderança do australiano Jack Miller (Ducati) mas, três voltas mais tarde, a chuva que se abateu sobre o circuito de Le Mans obrigou os pilotos a irem às “boxes” para trocarem de mota, para uma com pneus de chuva.

O espanhol Marc Márquez (Honda) assumiu a liderança nessa altura graças à maior rapidez na operação de troca de moto e aí continuou até que, a 20 voltas do final, caiu uma primeira vez e perdeu muito tempo para regressar à pista.

O azar de Márquez foi aproveitado pelo francês Fabio Quartararo (Yamaha) para assumir a liderança, enquanto Miller era penalizado com uma dupla passagem pela volta mais longa ao circuito francês por ter excedido a velocidade máxima permitida na via das “boxes”.

Apesar da penalização, Jack Miller foi quem melhor se deu com o piso molhado, ganhando uma vantagem superior a quatro segundos, que depois soube gerir quando o asfalto começou a secar. Marc Márquez acabaria por sofrer nova queda, abandonando definitivamente, tal como o campeão em título, o espanhol Joan Mir (Suzuki), e o seu companheiro de equipa e compatriota, Alex Rins.

O espanhol Raul Fernandez (Kalex) venceu a corrida de Moto2, à frente do australiano Remy Gardner (Kalex), seu colega de equipa, que comanda o campeonato com um ponto de vantagem sobre o espanhol, com o italiano Marco Bezzecchi (Kalex) a completar o pódio.

Em Moto3, a novidade foi o facto do espanhol Pedro Acosta (KTM), que arrancou da 21.ª posição não ter terminado no pódio, com a recuperação a quedar-se pelo oitavo lugar, depois de uma corrida em que a constante mudança das condições de aderência, por o asfalto estar a secar, obrigou a redobrados cuidados dos pilotos.

O espanhol Sergio Garcia (Gasgas), o checo Filip Salac (Honda) e o italiano Riccardo Rossi (KTM) ocuparam o pódio, mas, ao contrário do que sucedeu nas corridas anteriores, a vitória não foi discutida nos derradeiros metros, com o espanhol a triunfar com mais de dois segundos de avanço sobre o seu mais directo perseguidor.

Finalmente, na corrida de MotoE, o brasileiro Eric Granado (Energica) confirmou a superioridade patenteada na qualificação e venceu à frente dos italianos Mattia Casadai e Alessandro Zaccone, o vencedor da corrida de abertura efactuada, em Espanha. O português André Pires (Energica) repetiu o 12.º lugar de Jerez de la Frontera.

A próxima prova do Mundial de MotoGP é o GP de Itália, a 30 de maio.

CLASSIFICAÇÕES

CORRIDAS

MotoGP – 1.º Jack Miller (Ducati), 27 voltas (112,95 km), em 47’25,473” (142,9 km/h); 2.º, Joan Mir (Suzuki), a 3,970”; 3.º, Fabio Quartararo (Yamaha), a 14,468”; 4.º, Francesco Bagnaia (Ducati), a 16,172”; 5.º, Danilo Petrucci (KTM), a 21,430”; 6.º, Alex Marquez (Honda), a 23,509”; 7.º, Takaaki Nakagami (Honda), a 30,164”; 8.º, Pol Espargaro (Honda), a 35,221”; 9.º, Iker Lecuona (KTM), a 40,432”; 10.º, Maverick Viñales (Yamaha), a 40,577”. Classificaram-se mais seis pilotos

Moto2 – 1.º, Raul Fernandez (Kalex), 25 voltas (104,625 km), em 40’46,101” (153,9 km/h); 2.º, Remy Gardner (Kalex), a 1,490”; 3.º, Marco Bezzecchi (Kalex), a 4,599”; 4.º, Tony Arbolino (Kalex), 7,503”; 5.º, Bo Bendsneyder (Kalex), a 11,887”; 6.º, Marcel Schrotter (Kalex), a 27,829”; 7.º, Ai Ogura (Kalex), a 27,975”; 8.º, Fábio Di Giannantonio (Kalex), a 28,112”; 9.º, Simone Corsi (Kalex), a 28,204”; 10.º, Jorge Navarro (Kalex), a 28,432”. Classificaram-se mais 11 pilotos

Moto3 – 1.º, Sergio Garcia (Gasgas) 22 voltas (92,07 km), em 42’21,172” (130,4 km/h); 2.º, Filip Salac (Honda), a 2.349”; 3.º, Riccardo Rossi (KTM), a 5’589”; 4.º, John McPhee (Honda), a 7,158”; 5.º, Ayumu Sasaki (KTM), a 14,882”; 6.º, Adrian Fernandez (Husqvarna), a 27,279”; 7.º, Xavier Artigas (Honda), a 27,408”; 8.º, Pedro Acosta (KTM), a 29,880”; 9.º, Deniz Oncu (KTM), a 35,098”; 10.º, Romano Fenati (Husqvarna), 36,616”. Classificaram-se mais 12 pilotos

MotoE – 1.º, Eric Granado (Energica), 7 voltas (29,295 km), em 12’23,012” (141,9 km/h); 2.º, Mattia Casadei (Energica), a 0,306”; 3.º, Alessandro Zaccone (Energica), a 0,453; 4.º Dominique Aegerter (Energica), a 0,532”; 5.º, Jordi Torres (Energica), a 0,640”; 6.º, Yonny Hernandez (Energica), a 0,900”; 7.º, Lukas Tulovic (Energica), a 1,045”; 8.º, Matteo Ferrari (Energica), a 1,751”; 9.º, Corentin Perolari (Energica), a 4,727”; 10.º, Maria Herrera (Energica), a 4,999; …; 12.º André Pires (Energica), a 29,350”. Classificaram-se mais três pilotos

CAMPEONATOS

PILOTOS

MotoGP – 1.º, Fábio Quartararo, 80 pontos; 2.º, Francesco Bagnaia, 79; 3.º, Johann Zarco, 68; 4.º, Jack Miller, 64; 5.º, Maverick Viñales, 56; 6.º, Joan Mir, 49; 7.º, Aleix Espargaro, 35; 8.º, Franco Morbidelli, 33; 9.º, Takaaki Nakagami, 28; 10.º, Pol Espargaro, 25; …; 20.º, Miguel Oliveira, 9. Estão classificados mais quatro pilotos

Moto2 – 1.º, Remy Gardner, 89 pontos; 2.º, Raul Fernandez, 88; 3.º, Marco Bezzecchi, 72; 4.º, Sam Lowes, 66; 5.º, Fábio Di Giannantonio, 60; 6.º, Joe Roberts, 31; 7.º, Aron Canet, 30; 8.º, Marcel Schortter, 30; 9.º, Ai Ogura, 29; 10.º, Xavi Vierge, 26. Estão classificados mais 17 pilotos

Moto3 – 1.º, Pedro Acosta, 103 pontos; 2.º, Sérgio Garcia, 49; 3.º, Andrea Migno, 47; 4.º, Romano Fenati, 46; 5.º, Niccolò Antonelli, 44; 6.º, Ayumu Sasaki, 44; 7.º, Jaume Masia, 39; 8.º, Darryn Binder, 36; 9.º, Filip Salac, 30; 10.º, Jason Dupasquier, 27. Estão classificados mais 17 pilotos.

MotoE – 1.º, Alessandro Zaccone, 41 pontos; 2.º, Mattia Casadei, 33; 3.º Dominique Aegerter, 33; 4.º, Eric Granado, 28; 5.º, Jordi Torres, 27; 6.º, Matteo Ferrari, 18; 7.º, Yonny Hernandez, 16; 8.º, Maria Herrera, 13; 9.º, Miguel Pons, 11; 10.º, Hikari Okubo, 9; …; 13.º André Pires, 8. Estão classificados mais cinco pilotos.

CONSTRUTORES

MotoGP – 1.º, Ducati, 110 pontos; 2.º, Yamaha, 107; 3.º, Suzuki, 53; 4.º, Honda, 43; 5.º, KTM, 38; 6.º, Aprilia, 35.

Moto2 – 1.º, Kalex, 125 pontos; 2.º, Boscoscuro, 41; 3.º, MV Agusta, 10.

Moto3 – 1.º KTM, 116 pontos; 2.º, Honda, 92; 3.º, Gasgas, 61; 4.º, Husqvarna, 50.

EQUIPAS

MotoGP – 1.º, Ducati Lenovo Team, 143 pontos; 2.º, Monster Energy Yamaha MotoGP, 136; 3.º, Pramac Racing, 86; 4.º, Team Suzuki Ecstar, 72; 5.º, Repsol Honda Team, 48; 6.º, LCR Honda, 42; 7.º, Petronas Yamaha SRT, 37; 8.º, Aprilia Racing Team Gresini, 37; 9.º, Red Bull KTM Factory Racing, 33; 10.º, Esponsorama Racing, 29; 11.º, Tech3 KTM Factory Racing, 24.

Moto2 – 1.º, Red Bull KTM Ajo, 177 pontos; 2.º, ELF Marc VDS Racing Team, 89; 3.º, Sky Racing Team VR46, 85; 4.º, Federal Oil Gresini Moto2, 63; 5.º, Liqui Moly Intact GP, 48; 6.º, Italtrans Racing Team, 42; 7.º, Inde Aspar Team, 35; 8.º, Petronas Sprinta Racing, 35; 9.º, Idemitsu Honda Team Asia, 33; 10.º, Pertamina Mandalika SAG Team, 25; 11.º, American Racing, 20; 12.º, Flexbox HR40, 19; 13.º, MB Conveyors Speed Up, 19; 14.º, MV Agusta Forward Racing, 4.

Moto3 – 1.º, Red Bull KTM Ajo, 142 pontos; 2.º, Rivacold Snipers Team, 77; 3.º, Gaviota Gasgas Aspar Team, 75; 4.º, Avintia Esponsorama Moto3, 58; 5.º, Sterilgarda Garda Max Racing Team, 56; 6.º, Carexpert Pruestel GP, 53; 7.º, Red Bull KTM Tech3, 52; 8.º Petronas Sprinta Racing, 49; 9.º, Indonesian Racing Gresini Moto3, 43; 10.º, Leopard Racing, 36; 11.º, Boe Owlride, 22; 12.º, CIP Green Power, 21; 13.º, SIC58 Squadra Corse, 12; 14.º, Honda Team Ásia, 4

Próxima prova – Gran Premio d’Italia Oakley, dia 30 de Maio, no Autódromo Internacional de Mugello.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *