Sébastien Ogier na frente no Rali de Monza

Aos comandos de um Toyota Yaris WRC, o piloto francês estabeleceu o melhor tempo no “aperitivo” do Rali de Monza, relegando para a segunda e terceira posição, respectivamente, Thierry Neuville e Ott Tänaka, ambos em Hyundai i20 Coupé WRC.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Uma curta especial (4,33 km), desenhada, em grande parte, na principal recta do Autódromo de Monza, mas que incluía, ainda, caminhos de terra do interior do Parque onde está plantado o circuito, abriu a derradeira prova do WRC (Campeonato do Mundo de Ralis), que vai decidir o título entre o galês Elfyn Evans (Toyota Yaris WRC) e o francês Sébastien Ogier (Toyota Yaris WRC) já que as hipóteses do belga Thierry Neuville (Hyundai i20 Coupé WRC) e do estónio Ott Tanak (Hyundai i20 Coupé WRC), detentor do título, estão mais do lado da aritmética.

Antes de confessar que «a situação é simples: tenho de ganhar», Sébastien Ogier fez o melhor tempo e assumiu o comando da prova, com 0,5” de vantagem sobre Thierry Neuville, com o terceiro, Ott Tanak; a ficar já a 2,0” do francês, diferença de tempo com algum significado numa especial tão curta, mas que pode ser consequência da maneira como cada um encarou a parte em terra que estava muito escorregadia.

O comandante do campeonato, Elfyn Evans, registou a quarta marca, ao perder 2,7” para o francês, mas não evitou um susto, que quase o fez bater num dos “rails”, quando saía do asfalto para a terra.

Pelo caminho, o que lhe custou 10 minutos de penalização, ficou o japonês Takamoto Katsuta (Toyota Yaris WRC), que bateu num dos “rails”, que amanhã vai continuar em prova, ao abrigo do regulamento do “Rally2”.

O finlandês Jari Huttunen (Hyundai i20 R5), nono na especial, foi o mais rápido entre os RC2 ao bater o norueguês Andreas Mikkelsen (Skoda Fabia R2 Evo) por 0,7”, enquanto o italiano Franco Morbidelli (Hyundai i20 R5), piloto da Yamaha no MotoGP, que faz a estreia nas quatro rodas, apesar de considerar «fantástico estar aqui e de querer ir passo a passo», não escondeu a dificuldade, para quem não está habituado, de ouvir as “notas” ditas pelo navegador, o seu compatriota Simone Scattolin, um dos melhores transalpinos no banco do lado direito, escolhido para ajudar o “motard” a enfrentar as dificuldades da prova.

A ESTRADA

Amanhã, sexta-feira, o interior do Autódromo de Monza continua a ser palco da prova, com os concorrentes a cumprirem uma dupla passagem pelas especiais de Junior (13,43 km) e Roggia (16,22 km), estas com transmissão televisiva, para o dia terminar com a classificativa Grand Prix (10,31 km), com todas elas a aproveitarem o traçado do circuito, levando os concorrentes a percorrerem o anel de velocidade, em tempos utilizado na F1, e vários dos caminhos de terra existentes no seu interior.

Classificação após a primeira especial – 1.º Sébastien Ogier/Julien Ingrassia (Toyota Yaris WRC), 3’31,5”; 2.º Thierry Neuville/Nicolas Gilsoul (Hyundai i20 Coupé WRC), a 0,5”; 3.º Ott Tanak/Martin Jarveoja (Hyundai i20 Coupé WRC), a 2,0”; 4.º Elfyn Evans/Scott Martin (Toyota Yaris WRC), a 2,7”; 5.º Kalle Rovampera/Janne Halttunen (Toyota Yaris WRC), a 3,0”; 6.º Esapekka Lappi/Janne Ferm (Ford Fiesta WRC), a 3,7”; 7.º Dani Sordo/Carlos Del Barrio (Hyundai i20 Coupé WRC), a 3,7”; 8.º Gus Greensmith/Elliott Edmondson (Ford Fiesta WRC), a 4,0”; 9.º Jari Huttunen/Mikko Lukka (Hyundai i20 R5), a 5,8” (1.º RC2); 10.º Teemu Suninen/Jarmo Lehtinen (Ford Fiesta WRC), a 6,4”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *