Sébastien Ogier destronou Sébastien Loeb

Este domingo disputam-se as últimas quatro classificativas do Rali de Monte Carlo, com um total de 67,26 quilómetros ao cronómetro. O piloto francês chega ao último dia a liderar a prova monegasca.

(auto.look2010@gmail.com)

Sébastien Ogier (Toyota Yaris Rally1)

O francês Sébastien Ogier (Toyota Yaris Rally1) chega ao último dia na liderança do Rali de Monte Carlo, prova de abertura do Campeonato do Mundo, depois desta sexta-feira ter destronado o compatriota Sébastien Loeb (Ford Puma Rally1).

Sébastien Ogier deu-se melhor com as condições traiçoeiras da quinta e última especial, concluindo o dia com o tempo de 2h19m43,1s, deixando Sébastien Loeb na segunda posição, a 21,1 segundos.

O irlandês Craig Breen (Ford Puma Rally1) chegou ao terceiro lugar, já a 1m26s, aproveitando o despiste do britânico Elfyn Evans (Toyota Yaris Rally1). Sébastien Ogier chegou à liderança ainda na sessão matinal, ao vencer dois dos três troços disputados – Elfyn Evans vencera logo a abrir o dia, antes de cometer o erro que o fez baixar para 26.º, depois de o carro ter ficado preso fora da estrada.

Sébastien Loeb (Ford Puma Rally1)

Mas, a confiança do piloto francês da Toyota, actual campeão em título, fez a diferença na derradeira especial, a Sisteron, a mais perto da localidade de Gap, de onde é natural Sébastien Ogier, que conta com 10 triunfos em Monte Carlo.

Sébastien Loeb decidiu montar pneus slicks (lisos) em vez de pneus com pregos, mais eficazes no gelo, uma estratégia copiada com sucesso por Sébastien Ogier, que ganhou 16,1 segundos ao compatriota.

A especial foi conquistada pelo finlandês Kalle Ravenperä (Toyota Yaris Rally1), que ainda foi cinco segundos mais rápido do que Sébastien Ogier com pneus de tacos montados numa especial com gelo, neve e partes de piso seco.

Craig Breen (Ford Puma Rally1)

Desta forma, Sébastien Ogier, de 38 anos, chega ao derradeiro dia de prova com 21,6 segundos de vantagem sobre Sébastien Loeb, que esta sexta-feira tornou-se no mais velho piloto a liderar um rali, aos 47 anos.

«Estava a planear montar os pneus da neve, porque era a opção mais segura, mas vi que o Séb (Loeb) ia com os slicks e decidi trocar (os pneus) à última hora. Foi complicado pilotar em algumas zonas, mas foi divertido guiar nas zonas secas», explicou Sébastien Ogier, que este ano fará apenas algumas provas do campeonato, para se dedicar às resistências.

Com 16,1 segundos de atraso, Sébastien Loeb, que poderia tornar-se no mais velho a vencer uma prova do Mundial, dá a luta quase como perdida: «Agora, a distância já é grande. Tentámos, mas o Ogier viu e mudou à última hora. Foi complicado com os slicks, era muito fácil cometer erros, mas chegámos ao fim», frisou Sébastien Loeb, vencedor por sete vezes no Mónaco.

Elfyn Evans (Toyota Yaris Rally1)

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20 Rally1) é o melhor representante da marca coreana, mas apenas no sexto lugar, já a 7m44,1s do líder, depois de ter perdido algum tempo a reparar o amortecedor dianteiro direito, que se partiu. O estónio Ott Tänak (Hyundai i20 Rally1), campeão em 2019, acabou por desistir, depois de ter sofrido dois furos e um despiste.

Este domingo disputam-se as últimas quatro classificativas do rali, com um total de 67,26 quilómetros ao cronómetro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.