Rui Rijo vence “Taça dos Campeões Regionais”

A prova foi também a ronda de fecho dos Campeonatos de Portugal de GT’s e Clássicos, assim como do Campeonato Sul de Ralis (CSR). Vítor Pascoal e Ricardo Faria assinaram o triunfo na prova de GT, conquistando o tetracampeonato entre os “Grande Turismos”. Nos Clássicos, Luís Mota e Alexandre Ramos foram os justos vencedores.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: ZÉ MIGUEL MOTORSPORT PHOTOGRAPHY

Rui Rijo e Miguel Luz (Mitsubishi Lancer Evo VIII MR)

O Rali Casinos do Algarve acolheu este fim-de-semana um formato novo nos ralis nacionais, a Taça dos Campeões dos Ralis Regionais – Claudino Romeiro 2021, competição para qual estavam habilitados a competir os cinco melhores classificados nos grupos comuns aos cinco campeonatos regionais de ralis existentes em Portugal.

O período tardio de atribuição da prova e o enorme congestionamento do calendário desportivo nacional levaram a que não fosse possível uma participação mais homogénea entre todos os regionais. A prova foi também a ronda de fecho dos Campeonatos de Portugal de GT’s e Clássicos, assim como do Campeonato Sul de Ralis (CSR).

O rali foi para a estrada no sábado de manhã com a realização de um “free practice” e de uma “qualifying stage” em Porches, onde o mais rápido foi o Mitsubishi Lancer Evo VIII MR de Rui Rijo e Miguel Luz. Seria o início do domínio da dupla almancilense que assim foram os primeiros a partir para a estrada e alcançaram a liderança na primeira passagem por Portimão para nunca mais a largar.

Nuno Carujo e Daniel Martins (Mitsubishi Lancer Evolution VI)

Além de uma primeira vitória à geral para Rui Rijo no CSR, Miguel Luz conseguiu sagrar-se campeão sul de navegadores e ainda levaram para casa a Taça dos Campeões das 4 Rodas Motrizes e do Grupo P3. Neste grupo em particular foram secundados por Nuno Carujo e Daniel Martins (Mitsubishi Lancer Evolution VI) e Vasco Tintim e Filipa Tintim (Subaru Impreza).

O pódio à geral foi completo com João Bica e João Sena (Mitsubishi Lancer Evolution IX) e Nelson Silva e Paulo Silva (Mitsubishi Lancer Evolution VI), com o mais novo do clã Bica a conseguir ainda a Taça dos Campeões no Grupo X3, onde se seguiu os companheiros do pódio e ainda Rui da Silva Santos e João Sebastião (Subaru Impreza).

João Bica e João Sena (Mitsubishi Lancer Evolution IX)

A luta nas Duas Rodas Motrizes teve como vencedores os conimbricenses Paulo Correia e Tiago Amado, em Peugeot 208 R2, com a dupla a levar a melhor sobre Luís Morais e Helena Maia, em viatura idêntica, isto que no que se refere ao grupo P1, onde o pódio ficou fechado por Elísio Lopes e Marco Vilas Boas (Ford Fiesta R2).

Referência ainda para José Manuel Gomes e Bruno Pedrosa que ainda deram bastante luta a Correia, mas que acabaram por desistir no primeiro troço de domingo devido a avaria.

Ainda nas Duas Rodas Motrizes, outra luta interessante de acompanhar foi no grupo X2 onde não só estava em jogo a Taça dos Campeões, mas também onde estavam os principais candidatos ao título do CSR da categoria.

Paulo Correia e Tiago Amado (Peugeot 208 R2)

Acabaram por haver triunfos repartidos, com Viana Martins e Vítor Viegas a garantirem a Taça e Paulo Anselmo e Pedro Dias da Silva a assinarem o título sulista. Em terceiro entre os X2 ficaram os vimaranenses João Gonçalves e Rui Araújo em Honda Civic.

No Grupo X1 houve também bastante emoção, começando logo no “free practice”, quando um dos favoritos, Filipe Silva, navegado por Ricardo Martins, bateu precisamente na primeira curva do percurso, destruindo a frente do Citroën Saxo.

À primeira vista parecia desistência certa mas a equipa barlaventina uniu-se, correu à oficina onde a viatura é preparada, e conseguiu trazer um manancial de peças que permitiu ao carro alinhar na prova.

Luís Almeida e Ricardo Bettencourt (Fiat Punto HGT)

Luís Nascimento e Leonido Madeira também tiveram azar na mesma sessão com problemas de transmissão de caixa no Opel Corsa, conseguindo ainda os resolver. Marco Ferreira e Edgar Gonçalves acabaram por assumir a dianteira no grupo, mas problemas no Citroën Saxo relegaram-nos para o segundo lugar do grupo no final, com Filipe Silva e Ricardo Martins a conseguirem o que parecia ser no dia anterior uma tarefa impossível.

Luís Nascimento e Leonido Madeira fecharam o pódio. Nota também para o Grupo P2, onde o piloto de Poiares da Habimóvel, Luís Almeida, e o navegador conimbricense Ricardo Bettencourt, foram os vencedores no Fiat Punto HGT, viatura ex-António Gago, os quais foram os únicos a chegar ao fim.

Vítor Pascoal e Ricardo Faria (Porsche 911 GT3 CUP)

Entre os GT, Vítor Pascoal e Ricardo Faria assinaram o triunfo na prova com o habitual Porsche, com o piloto de Baião a conseguir o tetracampeonato entre os grande turismos. Os irmãos Carvalheiro vieram ainda lutar pelo título, mas a correia de distribuição do Porsche traiu-os na segunda passagem por Monchique.

Nos Clássicos o domínio inicial foi dos recentemente coroados campeões nacionais Nuno Carreira e Danny Carreira em Subaru Impreza, mas uma saída em Monchique 2 colocou-os fora de prova, proporcionando a segunda vitória consecutiva a Luís Mota e Alexandre Ramos (Mitsubishi Lancer Evolution VI), que terminou na frente de Vítor e Márcio Calisto (Ford Escort).

A prova foi também marcada pela presença de Ricardo Teodósio e José Teixeira como carro de abertura da prova, aproveitando para colaborar com a segurança da competição e agradecer ao público presente pelo apoio prestado ao longo na conquista do segundo título de campeões nacionais de ralis, brindando os presentes nas super-especiais de Lagos e Portimão com um grande espectáculo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.