Ricardo Teodósio sagrou-se campeão em Mortágua

Ricardo Teodósio e José Teixeira (Skoda Fabia Rallye evo sagraram-se hoje campeões nacionais de ralis pela segunda vez, apesar de ter sido segundo classificado no Rali de Mortágua, oitava e derradeira prova do Campeonato, atrás de Bruno Magalhães e Carlos Magalhães (Hyundai i20 N Rally2).

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Impróprio para cardíacos o final do Rali de Mortágua, derradeira prova do Campeonato de Portugal de Ralis, que decidia o título, com Armindo Araújo e Ricardo Teodósio, ambos em Skoda Fabia Rally2 Evo, a serem os candidatos à sucessão do primeiro na lista de campeões.

Um pião no “qualifying” fez com que Armindo Araújo fosse o último a escolher a sua posição de partida e não teve alternativa que não fosse abrir a estrada, o que é penalizador em pisos de terra.

Para agravar a situação, o campeão em título furou pouco depois de arrancar e, como consequência, bateu forte, ainda no primeiro quilómetro da especial de abertura, perdendo as hipóteses de lutar até ao fim pelo ceptro, mas podendo mantê-lo em função daquilo que o seu adversário fizesse.

A partir desse momento, Ricardo Teodósio sabia que, para conquistar o título precisava de vencer ou ser segundo e o mais rápido na “Power Stage”. Com a primeira classificativa anulada por o carro de Armindo Araújo não permitir a passagem dos restantes concorrentes, as hostilidades começaram na segunda prova de classificação, onde as coisas não correram bem para Ricardo Teodósio, que perdeu 18,9 segundos para José Pedro Fontes (Citroën C2 Rally2), o primeiro comandante da prova.

Com problemas na caixa de velocidades que ficou bloqueada em terceira, Ricardo Teodósio chegou ao fim da primeira volta pelas quatro especiais que compunham a prova em quarto lugar a 51,4 segundos do comandante, Bruno Magalhães (Hyundai i20 N Rally2), que tinha ascendido ao comando logo na segunda especial, onde José Pedro Fontes renunciou com problemas de alternador, e a 32,5 segundos de Miguel Correia (Skoda Fabia Rally2 Evo) que ocupava o segundo lugar.

Uma situação que não parecia favorável para as suas aspirações e a manter-se a situação Armindo Araújo revalidaria o título, mesmo estando de fora. Mas, sem nada a perder, Ricardo Teodósio atacou, foi recuperando terreno e à entrada da “Power Stage” era terceiro a 8,7 segundos de Miguel Correia e do segundo lugar, pelo que tudo se iria decidir nos 18,00 km da segunda passagem por Felgueira.

E para que não houvesse dúvidas quanto à justiça da conquista do título, Ricardo Teodósio “esmagou” a concorrência ao ganhar 13,3 segundos a Pedro Meireles (VW Polo GTi R5), 15,6 segundos a Miguel Correia e 19,4 segundos a Bruno Magalhães, oitavo vencedor do ano noutras tantas provas.

Com este resultado, o piloto algarvio conquista o segundo título da carreira recuperando um ceptro que foi seu em 2019.

«Confesso que foi mau conquistar o título desta madeira. É bom conquistar o título, mas sem o meu adversário directo na luta não é tão bom. Gosto de ganhar com os meus adversários na estrada. Não aconteceu da maneira que gostávamos, mas também não foi um rali fácil, porque tivemos problemas com o carro. Tivemos de recuperar à tarde para ir de quinto até segundo», sublinhou o piloto da Guia (Albufeira).

Com a vitória em Mortágua, Bruno Magalhães e Carlos Magalhães terminam a época do Campeonato de Portugal de Ralis de 2021 em terceiro lugar, com 4 pódios e 2 vitórias.

«Estou muito contente por termos ganho este rali. Foi um campeonato muito competitivo, onde estivemos sempre na luta pelos primeiros lugares. Uma época difícil para nós, que acabou por ficar condicionada pelo atraso na homologação do Hyundai i20 N Rally2», começou por referir o piloto de Lisboa.

«Apesar de só termos feito três provas, conseguimos perceber todo o potencial e competitividade deste novo modelo e levá-lo ao lugar mais alto do pódio», acrescentou o piloto Bruno Magalhães.

O Team Hyundai Portugal agradeceu «aos fãs que apoiaram a equipa em todos os momentos de forma muito calorosa, bem como a todos os patrocinadores que estiveram connosco nesta época». «Aos vencedores do Campeonato de Portugal de Ralis 2021, Ricardo Teodósio e José Teixeira, os nossos parabéns».

Armindo Araújo, que precisava de ser pelo menos segundo, perdeu o título por apenas um ponto: «Infelizmente, sofremos um furo no primeiro quilómetro e, numa travagem mais forte, poucos metros depois, saímos de estrada», começou por referir o piloto tirsense».

«Não havia nada a fazer e, dado o resultado conseguido pelo Ricardo Teodósio, não conseguimos revalidar o título por um ponto. Não era este obviamente o desfecho que procurámos e que trabalhámos toda a temporada, mas os ralis são mesmo assim. Muitos parabéns aos vencedores, a todos os que acreditaram em nós e a toda a minha equipa. Para o ano estaremos cá de novo para poder lutar pelas vitórias e pelo título», concluiu Armindo Araújo.

Com uma prova notável, Carlos Fernandes e Valter Cardoso asseguraram em Mortágua o título de duas rodas motrizes, concluindo a prova do Clube Automóvel do Centro a vencer todas as especais e com um avanço de mais de cinco minutos para os segundos classificados.

De acordo com Carlos Fernandes, «este é o meu primeiro título nacional nos ralis». «Foi também a primeira vez que participei a tempo inteiro num campeonato nacional. Passei em todos os escalões, regionais, FPAK, Taça de Portugal, esses campeonatos todos, tinha ganho o Peugeot Modelstand, vice-campeão da copa, mas nunca tinha feito o Campeonato Portugal de Ralis. Este ano focámo-nos um pouco nesta competição, foi a primeira vez, ganhámos, para mim é uma grande felicidade, ganhar aqui um título como este»,

FICHA DA PROVA

Prova – Rali de Mortágua

Data – 5/6 de Novembro

Organizador – Clube Automóvel do Centro

Estrutura – 188,75 km divididos por duas secções: Mortágua – Mortágua (96,56 km); Mortágua – Mortágua (92,19 km)

PC – 8 (4 + 4) previstas, 7 (3 + 4) cumpridas

Extensão das PC – 103,92 km (51,92 km + 51,96 km) regulamentados, 96,14 km (44,18 km + 51,96 km) percorridos

Percentagem das PC – 55,05 % idealizada, 50,93 % concretizada

Inscritos – 22 (11 RC2, 2 RC2N, 4 RC3, 5 RC4)

Participantes – 22 (11 RC2, 2 R2N, 4 RC3, 5 RC4)

Classificados – 17 (7 RC2, 2 RC2N, 4 RC3, 4 RC4)

Comandantes sucessivos

Absoluto – José Pedro Fontes, na 2.ª PC; Bruno Magalhães, da 3.ª à 8.ª PC

RC2 – José Pedro Fontes, na 2.ª PC; Bruno Magalhães, da 3.ª à 8.ª PC

RC2N – Fernando Teotónio, da 2.ª à 8.ª PC

RC3 – Daniel Nunes, da 2.ª à 8.ª PC

RC4 – Carlos Fernandes, da 2.ª à 8.ª PC

Vencedores

Absoluto – Bruno Magalhães/Carlos Magalhães (Hyundai i20 N Rally2)

RC2 – Bruno Magalhães/Carlos Magalhães (Hyundai i20 N Rally2)

RC2N – Fernando Teotónio/Luís Morgadinho (Mitsubishi Lancer X)

RC3 – Daniel Nunes/Nuno Mota Ribeiro (Ford Fiesta Rally3)

RC4 – Carlos Fernandes/Valter Cardoso (Peugeot 208 Rally4)

CLASSIFICAÇÃO

POS. EQUIPA CARRO TEMPO
1.º Bruno Magalhães/Carlos Magalhães Hyundai i20 N Rally2 1.05’48,2″
2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira Skoda Fabia Rally2 Evo a 27,9″
3.º Miguel Correia/Mário Castro Skoda Fabia Rally2 Evo a 34,8″
4.º Pedro Meireles/Pedro Alves VW Polo Gti R5 a 42,1″
5.º Daniel Nunes/Nuno Mota Ribeiro Ford Fiesta Rally3 a 3’53,7″
6.º Diogo Salvi/Hugo Magalhães Skoda Fabia R5 a 3’57,7″
7.º Carlos Fernandes/Valter Cardoso Peugeot 208 Rally4 a 7’14,5″
8.º Ricardo Filipe/Fernando Almeida Ford Fiesta R5 a 8’04,3″
9.º Fernando Teotódio/Luís Morgadinho Mitsubishi Lancer X a 9’19,6″
10.º Gil Antunes/Diogo Correia Dacia Sandero R4 a 9’38,3″

Os mais rápidos

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º
Bruno Magalhães 3 3 0 1 0 0
Ricardo Teodósio 3 1 1 1 0 1
José Pedro Fontes 1 0 0 0 0 0
Miguel Correia 0 2 3 2 0 0
Pedro Meireles 0 1 3 3 0 0
Manuel Castro 0 0 0 0 2 3
Diogo Salvi 0 0 0 0 2 2
Paulo Neto 0 0 0 0 2 0
Daniel Nunes 0 0 0 0 1 1

CLASSIFICAÇÃO OFICIOSA DO CAMPEONATO

Pilotos – 1.º, Ricardo Teodósio, 156; 2.º, Armindo Araújo, 155; 3.º, Bruno Magalhães, 139; 4.º, José Pedro Fontes, 114; 5.º, Miguel Correia, 84; 6.º, Bernardo Sousa, 67; 7.º, Paulo Neto, 56; 8.º, Pedro Meireles, 44; 9.º, Daniel Nunes, 34; 10.º, Manuel Castro, 26. Estão classificados mais sete pilotos

CAMPEÕES DE PORTUGAL

ANO PILOTO NAVEGADOR
1966 Manuel Gião
1967 Américo Nunes
1968 Américo Nunes
1969 Não houve campeão absoluto
1970 Não houve campeão absoluto
1971 Não houve campeão absoluto
1972 Não houve campeão absoluto
1973 Não houve campeão absoluto
1974 Não houve campeonato
1975 Manuel Inácio Pina de Morais
1976 António Dieguez Henrique Alegria
1977 Giovanni Salvi Pedro Almeida
1978 Carlos Torres Pedro Almeida
1979 José Pedro Borges Rui Bevilacqua
1980 Santinho Mendes Filipe Lopes
1981 Santinho Mendes Filipe Lopes
1982 Joaquim Santos Miguel Oliveira
1983 Joaquim Santos Miguel Oliveira
1984 Joaquim Santos Miguel Oliveira
1985 Joaquim Moutinho Edgar Fortes
1986 Joaquim Moutinho Edgar Fortes
1987 Inverno Amaral Joaquim Neto
1988 Carlos Bica Fernando Prata
1989 Carlos Bica Fernando Prata
1990 Carlos Bica Fernando Prata
1991 Carlos Bica Fernando Prata
1992 Joaquim Santos Carlos Magalhães
1993 Jorge Bica Joaquim Capelo
1994 Fernando Peres Ricardo Caldeira
1995 Fernando Peres Ricardo Caldeira
1996 Fernando Peres Ricardo Caldeira
1997 Adruzilo Lopes Luís Lisboa
1998 Adruzilo Lopes Luís Lisboa
1999 Pedro Matos Chaves Sérgio Paiva
2000 Pedro Matos Chaves Sérgio Paiva
2001 Adruzilo Lopes Luís Lisboa
2002 Miguel Campos Carlos Magalhães
2003 Armindo Araújo Miguel Ramalho
2004 Armindo Araújo Miguel Ramalho
2005 Armindo Araújo Miguel Ramalho
2006 Armindo Araújo Miguel Ramalho
2007 Bruno Magalhães Paulo Grave
2008 Bruno Magalhães Carlos Magalhães
2009 Bruno Magalhães Carlos Magalhães
2010 Bernardo Sousa Nuno Rodrigues da Silva
2011 Ricardo Moura António Costa
2012 Ricardo Moura António Costa
2013 Ricardo Moura António Costa
2014 Pedro Meireles Mário Castro
2015 José Pedro Fontes Miguel Ramalho
2016 José Pedro Fontes Inês Ponte
2017 Carlos Vieira Jorge Eduardo Carvalho
2018 Armindo Araújo Luís Ramalho
2019 Ricardo Teodósio José Teixeira
2020 Armindo Araújo Luís Ramalho
2021 Ricardo Teodósio José Teixeira

Número de títulos conquistados

PILOTOS

6 – Armindo Araújo

4 – Carlos Bica, Joaquim Santos

3 – Adruzilo Lopes, Bruno Magalhães, Ricardo Moura, Fernando Peres

2 – José Pedro Fontes, Pedro Matos Chaves, Joaquim Moutinho, Américo Nunes, Santinho Mendes, Ricardo Teodósio,

1 – Jorge Bica, José Pedro Borges, Miguel Campos, António Dieguez, Manuel Gião, Inverno Amaral, Manuel Inácio, Pedro Meireles, Giovanni Salvi, Bernardo Sousa, Carlos Torres, Carlos Vieira

NAVEGADORES

5 – Miguel Ramalho

4 – Carlos Magalhães, Fernando Prata

3 – Ricardo Caldeira, António Costa, Luís Lisboa, Miguel Oliveira

2 – Pedro Almeida, Edgar Fortes, Filipe Lopes, Sérgio Paiva, Luís Ramalho, José Teixeira

1 – Henrique Alegria, Rui Bevilacqua, Joaquim Capelo, Jorge Eduardo Carvalho, Mário Castro, Paulo Grave, Joaquim Neto, Pina de Morais, Inês Ponte, Nuno Rodrigues da Silva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *