Rampa de Boticas palco de decisões e festa final

Às 14h00 deste sábado acende-se o semáforo verde para a subida de Warm Up, duas subidas oficiais de treinos e primeira oficial de prova, mas é a partir das 10h00 de amanhã que tudo ficará decidido. É o culminar de uma época competitiva com Trás-os-Montes na ribalta.

Texto: JOAQUIM AMÂNDIO SANTOS – Fotos: ARMINDO CERQUEIRA / FOTO GTI

A edição 2019 da Rampa de Boticas terá honras de fecho da temporada de Montanha. A prova assinada pelo Demoporto assume, este ano, uma importância acrescida pois, ao facto de ser o culminar de uma época longa e muito competitiva, adiciona a vistoria de que será alvo por parte da FIA, com a organização e o município de Boticas a apostarem todas as fichas em levarem a bom porto a candidatura para o traçado e o concelho serem palco da edição 2020 do FIA Hill Climb Masters, competição que é uma autêntica Taça das Nações da modalidade.

Os 5.110 metros de extensão da Rampa de Boticas, com uma inclinação média de 9,2% e um desnível de 727 metros, são um desafio que muito agrada ao plantel do CPM JC GRoup, tendo sido palco, ao longo de todas as edições, de grandes duelos.

E este ano não deverá fugir à regra, até porque, apenas um dos títulos está já atribuído. Será em Boticas que se conhecerão os campeões nacionais absolutos, da categoria protótipos e de clássicos. S luta pelo trono principal está ao rubro.

João Fonseca (Silver Car EF 10), autor de cinco vitórias absolutas e de seis pontuações totais, voltou à liderança da tabela após a Arrábida, tendo sete pontos de vantagem sobre Hélder Silva (Juno CN 09), com este a ser o único piloto do campeonato a já ter saboreado o triunfo esta época, com a vitória em Murça. Se o favoritismo pende para João Fonseca, o seu adversário vai dar tudo e é um forte opositor.

Também com toda a capacidade para se imiscuir na luta pela vitória em Boticas está José Correia. O bracarense busca chegar ao degrau mais alto do pódio e esteve quase na prova sadina. A sua habituação ao Osella PA2000 EVO2 tem sido fenomenal e correrá sem a pressão de lutar pelo título, assegurado que tem o 3.º lugar final no campeonato.

Aos três principais candidatos à vitória juntam-se os BRC CM 02 de Nuno Guimarães e de António Rodrigues, com este a fazer mais uma aparição nas provas de Montanha. A estreia do Porsche 991 GT3 Cup de Pedro Marques é uma das grandes novidades desta rampa. Já vencedor final da divisão Turismo 4, o piloto de Braga trocou o habitual Cupra TCR por esta “bomba” da marca de Estugarda, com que pretende fazer todo o campeonato de 2020.

Quanto às restantes divisões dos carros Turismo, as contas finais estão também praticamente saldadas, bem como a questão do título nacional da respectiva categoria. Luís Nunes já comemorou o título e a lógica vitória na “sua” divisão Turismo 2.

A exemplo de outras provas, assume favoritismo a mais um triunfo, tendo de enfrentar o regressado Hugo Araújo que, após uma incursão vitoriosa aos ralis, está de volta aos comandos do Subaru Impreza e tudo fará para desfeitear as pretensões de Nunes. Nesta divisão, vão competir mais cinco pilotos.

Saliência para os regressos de Manuel Pereira (Mitsubishi EVO VI), do potente Ford Escort RS de José Pires e do Peugeot 106 de Carlos Silva, a que se juntam o habitual duo de Peso da Régua formado por João Guimarães (Peugeot 206 RCV) e Nuno Pinto (Mazda MX5).

Em “solitário” na sua divisão 1, o já vencedor final Parcídio Summavielle vai querer mostrar todo o potencial do duo que forma com o seu Skoda Fabia R5, apontando aos lugares cimeiros globais. Quanto às lides da divisão Turismo 3, a questão da vitória final ficará saldada no momento em que Joaquim Teixeira arrancará para a primeira subida, pois um simples ponto o separa da revalidação da vitória na divisão.

O piloto do Seat Supercopa MK3 quererá comemorar com mais um triunfo, para mais na sua rampa “caseira”. Gabriela Correia, em carro idêntico, tem tudo para voltar a lutar pelo pódio na divisão e pelo top 10 na geral da prova. Ainda entre os concorrentes nesta divisão, vão estar em Boticas Sérgio Nogueira que, tudo indica, se despede do seu Renault Clio RS e Jorge Meira, num Seat Leon TDi.

Finalmente, na divisão Turismo 4 é caso para dizer que com “patrão” fora, fartura em casa. O Cupra TCR que era conduzido por Pedro Marques estará em boticas pelas mãos de Manuel Rocha e Sousa, que recentemente se estreou no campeonato, na Arrábida. A ele juntam-se o flaviense Luís Delgado, aos comandos de um Kia CEE’D e Paulo Silva, num Audi RS3 LMS.

Já recuperado das mazelas sofridas no forte acidente que protagonizou, na última subida de prova na Arrábida, Ricardo Loureiro vai a Boticas como favorito para conquistar o título absoluto no Campeonato de Portugal de Clássicos Montanha JC Group.

São 29 os pontos que o piloto do Ford Escort MK II tem sobre Carlos Oliveira (Ford Sierra RS Cosworth), com este a estar envolvido numa luta com Fernando Salgueiro (Ford Escort MK II), colega de equipa de Loureiro pelo segundo posto final no campeonato. Chegam à última prova separados por apenas sete pontos.

O plantel do CPCM JC Group em Boticas conta ainda com mais cinco pilotos. Augusto Vasconcelos está de regresso aos comandos do Ford Escort Twim Cam da JC Group, juntando-se a ele o Ford Escort MK I de Paulo Teixeira, o BMW 325 i de Luís Coelho e o Toyota Celica 4WD de José Pedro Miranda. A lista de membros desta “tribo exclusiva” fica completa com Rui Gama e o Austin Clubman Sallon.

São quatro os inscritos em Boticas com carros com cilindrada até 1300. Com a vitória final na TPM 1300 já entregue a João Diogo Santos, que selou as contas na Arrábida, o destaque vai mesmo para a ausência deste. Em prova estarão João Silva (Fiat Punto) e Francisco Milheiro (Peugeot 106). José Pedro Figueiredo e Domingos Fernandes vão discutir a vitória final na taça reservada aos clássicos. Confiam no seus habituais Datsun 1200 e Autobiachi A122 e chegam à derradeira prova separados por 13 pontos, com vantagem para Fernandes.

Quanto ao programa oficial da prova organizada pelo Demoporto, as verificações técnicas e documentais decorreram nesta manhã de sábado. Às 14h00 será tempo de semáforo verde para a subida de Warm Up, sendo cumpridas durante o primeiro dia de competição mais duas subidas oficiais de treinos e a primeira oficial de prova.

Às 10h00 de amanhã, domingo, será realizada mais uma sessão de Warm Up, a que se sucederá mais uma subida oficial de treinos. O culminar competitivo acontecerá com a segunda e terceira subidas oficiais de prova, antes da cerimónia de entrega de prémios, programada para o início da tarde.

 

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação