Rali de Monte Carlo abre “hostilidades” no WRC

O Campeonato do Mundo de Ralis começa quinta-feira, em Gap, com o arranque do Rali de Monte Carlo, mas há muitas dúvidas, tal como sucedeu o ano passado, em relação aquilo que pode suceder ao longo do ano.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

O Campeonato do Mundo de Ralis (WRC) arranca esta quinta-feira, em Monte Carlo, à “porta fechada”, com a primeira de 12 provas de um calendário reformulado devido à pandemia da Covid-19, que adiou a reforma do campeão Sébastien Ogier (Toyota Yaris WRC).

Para já sabe-se que o Rali da Suécia, que devia estar na estrada, de 11 a 14 de Fevereiro, foi substituído pelo Rali do Ártico (Finlândia) sedeado em Rovaniemi, capital da Lapónia e terra do Pai Natal. É na cidade situada nas proximidades do Circulo Polar que a prova deve decorrer com temperaturas a rondar os 30 graus negativos, de 26 a 28 de Fevereiro.

Já o Rali de Inglaterra, agendado para decorrer de 19 a 22 de Agosto, foi substituído pelo Rali de Ypres, com a prova belga, que já tinha sido uma solução de recurso não concretizada, o ano passado, a voltar a ter hipótese de integrar o calendário do “Mundial”.

A realização da prova finlandesa, que faz a estreia no “Mundial”, permite o regresso das provas em piso de neve, algo que nos últimos anos não tinha sucedido na Suécia, por as temperaturas na região de Torsby não serem tão baixas como em anos anteriores, o que contribuía para a diminuição da neve.

Um ano depois da Itália ter sido palco de duas provas do WRC é a vez da Finlândia assegurar o mesmo estatuto, mais uma vez, para garantir um calendário de 12 provas, tal como tinha sido anunciado.

As dúvidas sobre a realização do Rali de Monte Carlo mantiveram-se até muito perto do arranque da prova, que teve de ser reformulada e encurtada, passando de um percurso total de 1.475,29 km dos quais 303,52 km divididos por 16 especiais, para 1.392,88, com apenas 14 provas de classificação que totalizam 257,64 km do trajecto total, o que faz da edição de 2021 a mais curta da história da prova monegasca.

Pairava uma nuvem negra sobre a realização do Rali de Monte Carlo na data agendada, mas a Câmara Municipal dos Altos Alpes deu luz verde à realização da prova e aquela desvaneceu-se. A 89ª edição do Rali de Monte Carlo vai mesmo realizar-se, depois da Câmara Municipal dos Alpes (Hautes Alps) ter dado luz verde para que a prova se realize nos dias 22 a 24 de Janeiro.

Recorde-se que faltava esta autorização para que a prova fosse realizada, depois da luz verde dada Câmaras Municipais da Alta Provença (Haute Provence), Drôme, Isére e Alpes Marítimos. Com a autorização do governo regional dos Alpes, nada pode impedir, agora, a realização da prova.

A presidente da câmara dos Altos Alpes, Martine Clavel, referiu que «é um trabalho de excelência que foi feito pelo Autombile Club de Monaco, e é o profissionalismo deste organizador que permite que a primeira prova do Mundial de Ralis possa ser realizadas debaixo das actuais condições de segurança sanitária que têm de ser impostas para segurança de todos».

Claro que a autorização para a realização da prova, obrigou a medidas de segurança drásticas. Os horários das classificativas foram alterados para que seja cumprido o recolher obrigatório às 18h00. E o Monte Carlo não terá público. As especiais vão ser fechadas no dia anterior às 18h00, excepto para os residentes. Estarão mais de 100 comissários e polícias destacados para fazer cumprir a lei e a ausência de espectadores.

A nível de equipas oficiais não há novidades, com a Toyota, agora dirigida pelo finlandês Jari-Matti Latvala, que rendeu no cargo o seu compatriota Tommi Kakinen, a conservar ao volante dos Yaris WRC o francês Sébastien Ogier, que inicia a defesa do título, depois de ter “batido” com força nos testes, o galês Elfyn Evans, que, o ano passado esteve muito perto de conquistar o seu primeiro ceptro, o finlandês Kalle Rovampera, cada vez mais perto de integrar a lista de vencedores, e o japonês Takamoto Katsuta, que continua a sua evolução.

A Hyundai, que ficou sem o francês Sébastien Loeb, continua a contar com o estónio Ott Tanak, o belga Thierry Neuville, desejoso de repetir o triunfo do ano passado, o espanhol Dani Sordo e o francês Pierre-Louis Loubet, que pode ser uma aposta para o futuro.

Se não acontecer nada de estranho, o sucessor de Sébastien Ogier, sairá do lote destes pilotos, uma vez que a Ford, reduzida ao finlandês Temmu Suninen e ao inglês Gus Greensmith, com o finlandês Esapekka Lappi a optar por uma paragem, não tem “argumentos” para contrariar o duelo entre Toyota e Hyundai.

Nos RC2, divididos em duas categorias (WRC2, para os pilotos que representam equipa, e WRC3, para os que competem em nome individual, com Andreas Mikkelsen (Skoda Fabia Rally2 Evo) a ter de ser apontado como favorito.

Fruto da superior experiência mundial, o piloto norueguês está entre os primeiros, com o francês Eric Camilli (Citroën C3 Rally2), e o finlandês Oliver Solberg (Hyundai i20 R5) a perfilarem-se como os seus principais opositores, enquanto entre os restantes o francês Nicolas Ciamin (Citroën C3 Rally2) parte como “o homem a bater”.

Portugal está presente em Monte Carlo, com a Sports & You, que vai dar assistência ao carro de Eric Camilli, com o piloto a contar com o apoio da “Race for Good”, equipa de André Villas-Boas, com objectivo de destacar o trabalho desenvolvido pela ONG Ace Africa, no Quénia e na Tanzânia, que fornece ajuda diária a milhares de pessoas em África.

De destacar a presença de seis Alpine A110 Rally, contra um Abarth 124 Rally, marcas que fazem parte da história dos ralis mundiais e que vão estar em confronto na categoria RGT.

A ESTRADA

A prova monegasca arranca em Gap, como vem sendo habitual, com Saint-Disdier – Corps (20,58 km) e Saint-Maurice – Saint-Bonnet (20,78 km) a serem as duas provas de classificação a percorrer antes dos concorrentes regressarem ao local de partida.

Na sexta-feira, também com partida e chegada a Gap, haverá uma dupla passagem pelas especiais de Aspremont – La Bâtié-des-Fonds (19,61 km) e Cahalancon – Gumiane (21,62 km) e uma por Montauban-sur-l’Ouvèze – Villebois-les-Pins (22,23 km), a mais extensa, por a segunda passagem ter sido anulada para permitir a chegada mais cedo, para ir ao encontro das determinações das autoridades de saúde.

No sábado, na ligação entre Gap e Monte Carlo, a situação repete-se, com a segunda passagem por Saint-Clément – Freissinières (20,48 km) a ser anulada, mantendo-se a dupla passagem pela classificativa de Le Bréole – Selonnet (18,31 km).

Por fim, no domingo, a denominada “etapa do Turini” levará os “sobreviventes” a passarem duas vezes pelas especiais de Puget-Théniers (12,93 km) e Briançonnet – Entrevaux (14,31 km), com a segunda passagem pela última a funcionar como “Power Stage”.

VENCEDORES DO “MUNDIAL”

Sébastien Loeb (pilotos), Daniel Elena (navegadores) e Citroën (marcas) estão no topo da lista de vencedores das 602 provas efectuadas que contaram para o Campeonato do Mundo de Ralis, ao longo dos seus 48 anos de existência. No momento em que arranca o 49.º WRC registem-se o número de vitórias de pilotos, navegadores e marcas.

PILOTOS

79 – Sébastien Loeb

49 – Sébastien Ogier

30 – Marcus Gronholm

26 – Carlos Sainz

25 – Colin McRae

24 – Tommi Makinen,

23 – Juha Kankkunen

20 – Didier Auriol

19 – Markku Alen

18 – Jari-Matti Latvala, Hannu Mikkola

17 – Miki Biasion,

16 – Bjorn Waldegaard

15 – Mikko Hirvonen

14 – Walter Rohrl

13 – Thierry Neuville, Petter Solberg, Ott Tanak

11 – Stig Blomqvist, Timo Salonen

10 – Richard Burns, Ari Vatanen

7 – Bernard Darniche, Sandro Munari, Gilles Panizzi

6 – Kenneth Eriksson

5 – Markko Martin, Kris Meeke, Shekhar Mehta, Jean Pierre Nicolas, Jean-Luc Therier

4 – François Delecour, Timo Makinen. Michele Mouton

3 – Jean Claude Andruet, Elfyn Evans, Andreas Mikkelsen, Jean Ragnotti, Dani Sordo, Henri Toivonen

2 – Philippe Bulgaski, Ingvar Carlsson, Mkael Ericsson, Mats Jonsson, Bruno Saby, Kenjiro Shinozuka, Joginder Singh, Achim Warmbold

1 – Andrea Aghini, Pentti Airikkala, Alain Ambrosino, Ove Andersson, Fulvio Bacchelli, Bernard Beguin, Walter Boyce, Roger Clark, Gianfranco Cunico, Ian Duncan, François Duval, Per Eklund, Tony Fassina. Guy Frequelin, Josef Haider, Kyosti Hamalainen, Harry Kallstom, Anders Kullang, Esapekka Lappi Piero Liatti, Joaquim Moutinho, Alain Oreille, Mads Ostberg, Hayden Paddon Raffaelle Pinto, Jesus Puras, Jorge Recalde, Harri Rovampera, Armin Schwarz, Patrick Tauziac, Franz Wittmann

NAVEGADORES

79 – Daniel Elena

49 – Julien Ingrassia

30 – Timo Rautiainen

24 – Luís Moya

20 – Seppo Harjanne, Ilka Kivimaki

18 – Arne Hertz

16 – Mikka Antilla, Bernard Occelli, Tiziano Siviero

14 – Jarmo Lehtinen, Juha Piironen

13 – Christian Geistdorfer, Nicolas Gilsoul, Martin Jarveoja, Risto Mannisenmaki, Phil Mills, Hans Thorszelius

10 – Bjorn Cederberg, Robert Reid

8 – Derek Ringer

7 – Alain Mahe, Herve Pannizzi

6 – Terry Harryman

5 – Fred Gallagher, Denis Giraudet, Michael Park, Stafan Parmander, Fabrizia Pons

4 – Mike Doughty, Daniel Grataloup, Henry Liddon, Silvio Maiga, Paul Nagle, David Richards, Jean Todt

3 – Carlos Del Barrio, Christian Delferrier, Mario Mannucci, Marc Marti

2 – Jean-Marc Andrie, Lars Backman, Claes Billstam, Per Carlsson, Jean-Paul Chiaroni, David Doig, «Biche», Jean-François Fauchille, Michel Gamet, Anders Jaeger, Jacques Jaubert, Scott Martin, John Meadows, Juha Repo, Michel Vial

1 – Atso Aho, Claes-Goran Andersson, Jonas Andersson,  Daniel Barritt, Jochen Berger, Bruno Berglund, Arnaldo Bernacchini, Carlo Cassina, Sergio Cresto, John Davenport, Jorge Del Buono, Peter Diekmann, Lofty Drews, Stefano Evangelisti, Sauro Farnocchia, Janne Ferm, Ola Floene, Edgar Fortes, Fred Hinterleitner, John Kennard, Vincent Laverne, Jean-Claude Lefebvre, Jean-Jacques Lenne, Daniel LeSaux, Kaj Lindstrom, Mauro Mannini, Jaakoo Markkula, Roman McNamee, Claude Papin, Jorg Pattermann, Stuart Pegg, Risto Pietilainen, Francesco Rossetti, Sven Smeets, Hans Sylvan, Gilles Thimonier, Pierre Thimonier, Martti Tukkanen, Paul White, David Williamson, Neil Wilson, Doug Woods

MARCAS

102 – Citroën (C4 WRC, 44; Xsara WRC, 24; DS3 WRC, 26; C3 WRC, 6 ; Xsara Kit Car, 2).

91  – Ford (Focus WRC, 44; Escort RS 1800, 17; Fiesta WRC, 9; Escort RS Cosworth, 8; Fiesta RS WRC, 6; Escort RS 1600, 4; Escort WRC, 2; Sierra RS Cosworth, 1)

73 – Lancia (Stratos, 17; Delta Integrale, 14; Delta Integrale 16V, 13; Delta HF 4WD, 11; Delta HF Integrale, 8; 037 Rally, 6; Delta S4, 4)

60 – Toyota (Yaris WRC, 17; Celica Turbo 4WD, 16; Celica GT4, 14; Celica Twincam, 6; Corolla WRC, 4; Corolla Levin, 2; Celica 2000 GT, 1)

48 – Peugeot (206 WRC, 24; 205 Turbo 16, 9; 205 Turbo 16 E2, 7; 307 WRC, 3; 504 V6 Coupé, 2; Peugeot 504 Ti, 2; Peugeot 504, 1)

47 – Subaru (Impreza 555, 11; Impreza S3 WRC, 8; Impreza S5 WRC, 6; Impreza S10 WRC, 6; Impreza S09 WRC, 4; Impreza S4 WRC, 3; Impreza S6 WRC, 3; Impreza S07 WRC, 3; Impreza S11 WRC, 2; Legacy RS, 1)

44 – Volkswagen (Polo R WRC, 43; Golf GTi 16V, 1)

34 – Mitsubishi (Lancer III, 6 ; Carisma GT, 6 ; Galant VR-4, 6; Lancer VI, 5 ; Lancer V, 4 ; Lancer 6,5, 3 ; Colt Lancer, 1 ; Lancer, 1 ; Lancer II, 1 ; Lancer IV, 1)

24 – Audi (Quattro, 10; Quattro A2, 9 ; Quattro A1, 2 ; Sport Quattro, 2; 200 Quattro, 1)

21 – Fiat (131 Abarth, 18; 124 Abarth, 3)

17 – Hyundai (i20 Coupé WRC, 10; i20 WRC, 7)

7 – Datsun (160 J, 3; Violet GT, 2; 240 Z, 1; Violet 160 J, 1)

6 – Alpine-Renault (A110, 6); Opel (Ascona 400, 4; Ascona 1900 SR, 1; Kadett GSi, 1); Renault (5 Turbo, 3; 17 Gordini, 1; Maxi 5 Turbo, 1; 5 GT Turbo, 1)

4 – Saab (96 V4, 2; 99 EMS, 1; 99 Turbo, 1)

3 – Mazda (323 4WD, 3)

2 – BMW (2002 Tii, 1; M3, 1); Mercedes-Benz (500 SLC, 2); Nisssan (200 SX, 1 ; Violet GT, 1) ; Porsche (911 Carrera, 1; 911 SC, 1); Talbot (Sunbeam Lotus, 2)

VENCEDORES DO RALI DE MONTE CARLO

Criado em 1911, o Rali de Monte Carlo viu a sua realização interrompida pelas duas Guerras Mundiais e desde 1 949, apenas não teve lugar em 1 971, ano da crise do petróleo.

Os franceses Sébastien Loeb e Sébastien Ogier são aqueles que mais vezes (7) venceram a prova monegasca, à frente do alemão Walter Rohrl (4) e do italiano Sandro Munari e do finlandês Tommi Makinen, ambos com três triunfos. Em caso de vitória, Sébastien Ogier torna-se no piloto com mais triunfos no Rali de Monte Carlo.

No que diz respeito aos navegadores, a situação é idêntica com Daniel Elena e Julien Ingrassia, navegadores de Loeb e Ogier, respectivamente, a contabilizarem sete triunfos, à frente do alemão Christian Geistdorfer, sempre com Walter Rohrl, e do francês Bernard Occelli, três com Didier Auriol e um com Patrick Bernardini, que subiram quatro vezes ao lugar mais alto do pódio. Em relação às marcas superioridade da Lancia (12 vitórias), à frente de Citroën (10) e da Ford (9).

ANO EQUIPA CARRO
1911 Henri Rougier Turcat-Méry 25 HP
1912 Julius Beutler Berliet 16 HP
1924 Jacques-Edouard Ledure Bignan
1925 François Repusseau Renault
1926 Victor Bruce AC Six
1927 Marcel Lefebvre-Despeaux Amilcar
1928 Jacques Bignan Fiat 509
1929 Sprenger Van Eijk Graham-Paige
1930 Hector Petit Corre La Licorne Torpedo
1931 Donald Healey Invicta Type S
1932 Maurice Vasselle Hotchkiss AM2
1933 Maurice Vasselle Hotchkiss AM 80S
1934 Louis Gas/Jean Trevoux Hotchkiss AM 80S
1935 Charles Lahaye/René Quatresous Renault Nervasport
1936 Ion Zamfirescu/Petre Cristea Ford V8 Spéciale
1937 René Le Begue/Julio Quinlin Delahaye 135 MS Spéciale
1938 Gerard Bakker Schut/Karel Ton Ford V8 Coupé
1939 Jean Trevoux/Marcel Le Surque Hotchkiss 686 GS Riviera
1939 Joseph Paul/Marcel Contet Delahaye 135 M
1949 Jean Trevoux/Marcel Le Surque Hotchkiss 686 GS
1950 Marcel Becquart/Henri Secret Hotchkiss 686 GS
1951 Jean Trevoux/Roger Crovetto Delahaye 175 S
1952 Sydney Allard/Guy Warburton Allard P1 Sport
1953 Maurice Gatsonides/Peter Worledge Ford Zephir
1954 Louis Chiron/Ciro Basadona Lancia Aurelia GT 2500
1955 Per Malling/Gunnar Fadum Sunbeam-Talbot MK III
1956 Ronnie Adams/Frank Bigger Jaguar MK VII
1958 Jacques Feret/Guy Monraisse Renault Dauphine Spéciale
1959 Paul Coltelloni/Pierre Alexandre Citroen ID 19
1960 Walter Schock/Rolf Moll Mercedes-Benz 220 SE
1961 Maurice Martin/Roger Bateau Panhard PL 17 Tigre
1962 Erik Carlsson/Gunnar Haggbom Saab 96
1963 Erik Carlsson/Gunnar Palm Saab 96
1964 Paddy Hopkirk/Henry Liddon Morris Mini Cooper S
1965 Timo Makinen/Paul Easter BMC Mini Cooper S
1966 Pauli Toivonen/Ensio Mikander Citroen DS 21
1967 Rauno Aaltonen/Henry Liddon BMC Mini Cooper S
1968 Vic Elford/David Stone Porsche 911 T
1969 Bjorn Waldegaard/Lars Helmer Porsche 911 S
1970 Bjorn Waldegaard/Lars Helmer Porsche 911 S
1971 Ove Andersson/David Stone Alpine-Renault A110
1972 Sandro Munari/Mario Manucci Lancia Fulvia HF Coupé
1973 Jean-Claude Andruet/”Biche” Alpine-Renault A110
1975 Sandro Munari/Mario Manucci Lancia Stratos HF
1976 Sandro Munari/Silvio Maiga Lancia Stratos HF
1977 Sandro Munari/Silvio Maiga Lancia Stratos HF
1978 Jean-Pierre Nicolas/Vincent Laverne Porsche 911 Carrera
1979 Bernard Darniche/Alain Mahé Lancia Stratos HF
1980 Walter Rohrl/Christian Geistdorfer Fiat 131 Abarth
1981 Jean Ragnotti/Jean-Marc André Renault 5 Turbo
1982 Walter Rohrl/Christian Geistdorfer Opel Ascona 400
1983 Walter Rohrl/Christian Geistdorfer Lancia Rally 037
1984 Walter Rohrl/Christian Geistdorfer Audi Sport Quattro A2
1985 Walter Rohrl/Terry Harriman Peugeot 205 Turbo 16
1986 Henri Toivonen/Sergio Cresto Lancia Delta S4
1987 Massimo Biasion/Tiziano Siviero Lancia Delta HF 4WD
1988 Bruno Saby/Jean-François Fauchille Lancia Delta HF 4WD
1989 Massimo Biasion/Tiziano Siviero Lancia Delta Integrale
1990 Didier Auriol/Bernard Occelli Lancia Delta HF Integrale
1991 Carlos Sainz/Luis Moya Toyota Celica GT4
1992 Didier Auriol/Bernard Occelli Lancia Delta HF Integrale
1993 Didier Auriol/Bernard Occelli Toyota Celica Turbo 4WD
1994 François Delecour/Daniel Grataloup Ford Escort RS Cosworth
1995 Carlos Sainz/Luis Moya Subaru Impreza GT
1996 Patrick Bernardini/Bernard Occelli Ford Escort RS Cosworth
1997 Piero Liatti/Fabrizia Pons Subaru Impreza S5 WRC 97
1998 Carlos Sainz/Luis Moya Toyota Corolla WRC
1999 Tommi Makinen/Risto Mannisenmaki Mitsubishi Lancer VI
2000 Tommi Makinen/Risto Mannisenmaki Mitsubishi Lancer VI
2001 Tommi Makinen/Risto Mannisenmaki Mitsubishi Lancer 6,5
2002 Tommi Makinen/Kaj Lindstrom Subaru Impreza S7 WRC 01
2003 Sébastien Loeb/Daniel Elena Citroen Xsara WRC
2004 Sébastien Loeb/Daniel Elena Citroen Xsara WRC
2005 Sébastien Loeb/Daniel Elena Citroen Xsara WRC
2006 Marcus Gronholm/Timo Rautiainen Ford Focus RS WRC 06
2007 Sébastien Loeb/Daniel Elena Citroen C4 WRC
2008 Sébastien Loeb/Daniel Elena Citroen C4 WRC
2009 Sébastien Ogier/Julien Ingrassia Peugeot 207 S2000
2010 Mikko Hirvonen/Jarmo Lehtinen Ford Fiesta S2000
2011 Bryan Bouffier/Xavier Panseri Peugeot 207 S2000
2012 Sébastien Loeb/Daniel Elena Citroen DS3 WRC
2013 Sébastien Loeb/Daniel Elena Citroen DS3 WRC
2014 Sébastien Ogier/Julien Ingrassia VW Polo R WRC
2015 Sébastien Ogier/Julien Ingrassia VW Polo R WRC
2016 Sébastien Ogier/Julien Ingrassia VW Polo R WRC
2017 Sébastien Ogier/Julien Ingrassia Ford Fiesta WRC
2018 Sébastien Ogier/Julien Ingrassia Ford Fiesta WRC
2019 Sébastien Ogier/Julien Ingrassia Citroen C3 WRC
2020 Thierry Neuville/Nicolas Gilsoul Hyundai i20 Coupé WRC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *