Rali das Camélias de aroma mais requintado

Um ano depois, a história repete-se. O Clube Motorismo de Setúbal foi ainda mais longe permitindo o regresso das classificativas nocturnas que numa dupla passagem pela serra de Sintra vão fechar o rali depois de um dia passado em Mafra.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: JCM PHOTO

Luís Caramelo apresentou o Rali das Camélias

Na sequência do enorme sucesso da edição de 2018 que marcou o regresso do Rali das Camélias quase 20 anos depois ao panorama nacional, este ano o Clube Motorismo de Setúbal foi ainda mais longe permitindo o regresso das classificativas nocturnas que numa dupla passagem pela serra de Sintra vão fechar o rali depois de um dia passado em Mafra.

Em mais um ano em cheio para o CMS, com o regresso da Rampa da Arrábida ao Campeonato Nacional de Montanha, a temporada fecha com a nova jóia da coroa, o Rali das Camélias. Durante muitos anos foi uma das provas mais importantes do panorama nacional e servia não poucas vezes como último ensaio para a fase inicial do Rali de Portugal, pois utilizava as especiais que seriam depois percorridas na ronda portuguesa do Mundial de Ralis.

Na edição do ano passado a vitória acabou por sorrir a Paulo Neto depois de uma intensa batalha com Gil Antunes na segunda metade da prova, depois de Carlos Fernandes ter dominado a fase inicial. Pilotos como Rui Madeira, vencedor da Taça do Mundo de Grupo N em 1996 e Fernando Peres, fizeram parte de uma lista de inscritos que ultrapassou as sete dezenas. Este ano são já mais de 80, as equipas inscritas e se praticamente todas as estrelas de 2018 voltam a marcar presença, destaque para as inscrições de Vítor Pascoal com o Porsche, o reforço de máquina por parte de Paulo Neto, que tal como André Cabeças, vai aparecer aos comandos de um R5. Entre os favoritos, temos que juntar ainda o veterano Mário Silva, Gil Antunes e os Campeões de Clássicos, Pedro Leone e Cipriano Antunes, isto para além dos KIA Picanto do Troféu e de alguns participantes no Challenge 1000 cc.

Depois da “fuga” do desporto automóvel da região de Lisboa o CMS tem feito um esforço que é preciso enaltecer e depois de ter não só reerguido a Arrábida levando-a de regresso ao Nacional de Montanha, juntamente com o forte apoio das Câmaras Municipais de Cascais, Sintra e Mafra está a caminhar para voltar a sedimentar as Camélias no espaço que é seu por direito próprio. Este ano de novo está tudo pronto para mais um grande espectáculo entre Sintra, Cascais e Mafra.

Como se percebe a festa vai ser rija. A partida está marcada para sábado dia 30 de Novembro às 8h30 nos Jardins do Casino Estoril, com os pilotos a rumarem a Sintra-Pé da Serra (10,01 km – 9h08) e Azóia-Cascais (11,23 km – 9h31), ou seja as duas especiais de abertura de 2018 por ordem inversa e percorridas em sentido contrário. Depois tempo de ir até um primeiro reagrupamento em Mafra, antes da passagem pelo regressado Gradil (10,47 km – 12h14) e Livramento (8,00 km – 12h42). De seguida reagrupamento e assistência no Parque Intermodal, junto ao Palácio Nacional a partir das 13h09. Após o retemperador almoço os pilotos seguem para a classificativa de Mafra (10,19 km – 16h17) e para a nova especial Azueira-Sobral da Abelheira, a mais longa da prova com 18,56 km (junta o início do Livramento e o Codeçal de 2018 e tem final comum com o Gradil) que se disputa a partir das 16h50.

Após nova passagem pela assistência tempo para a sessão nocturna. Duas passagens pelos 14,51 km dos Capuchos (19h58 e 21h59), que mais não são que a união das três especiais clássicas da serra de Sintra. Início em Sintra, com os pilotos nos Capuchos a virar à esquerda entroncando na Peninha para virem terminar no início da Lagoa Azul (Penha Longa). A consagração dos vencedores acontece desta vez em Mafra junto ao Palácio Nacional às 22h59.

Espera-se uma grande afluência de público e por isso a segurança foi reforçada principalmente, nos pontos nevrálgicos identificados no ano passado e agora nas duas passagens noturnas por Sintra, onde é mais difícil conseguir o controlo do público, mas onde se espera também que o seu comportamento seja exemplar para manter a possibilidade de continuarmos a ser autorizados a utilizar a serra de Sintra, em futuras edições.

Uma referência final para o facto das Verificações Administrativas e Técnicas passarem a ser no Autódromo do Estoril (por indisponibilidade de última hora da FIARTIL e das Garagens do Centro de Congressos do Estoril) com horário a sair em Aditamento.

Serão utilizadas as instalações da ACDME (clube que tal como o Olival Motorizado, o Montejunto Rally Clube e o Autódromo Estoril apoiam a organização) para o Secretariado Provisório, Verificações Administrativas e 1.ª Reunião do CCD e algumas boxes do Autódromo, para as Verificações Técnicas.

O Rallye das Camélias – Lighthouse Portugal tem o patrocínio das Câmaras Municipais de Cascais, Sintra e Mafra, a Lighthouse Portugal como patrocinador principal e os apoios da Firststop, Consilcar, Hotel Londres, António Neves, Grossorent e Portugal Motorsport. A organização é do Clube de Motorismo de Setúbal, com o aval da FPAK.

Tudo pronto então para a 40.ª edição do Rallye das Camélias – Lighthouse Portugal, um dos ralis mais antigos do Calendário Nacional – 1.ª edição em 1954, que se espera venha a ser do agrado de todos e um espectáculo apaixonante para o público.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação