Raikkonen: “Passa-se muita merda na Fórmula 1”

Finlandês, que é o piloto com maior número de Grandes Prémios disputados, um total de 349, sublinhou ao “Motorsport” que «há muita coisa que não faz sentido, pelo menos na minha cabeça… todo o tipo de parvoíces acontecem na Fórmula 1».

(auto.look2010@gmail.com)

Kimi Raikkonen não tem qualquer saudade da Fórmula 1. O “Ice Man” abandonou o campeonato no final da época passada, depois de quase 20 anos na prova rainha do automobilismo. Numa entrevista concedida ao “Motorsport”, pouco antes de terminar a carreira, o finlandês falou do seu desagrado para com «muitas coisas que não fazem sentido» dentro da Fórmula 1.

«Muitas coisas aqui são falsas. Mentalmente, será muito bom estar fora de toda esta merda por um tempo. Aqui passa-se muita merda além daquela que as pessoas veem do lado de fora. Há muita coisa que não faz sentido, pelo menos na minha cabeça… todo o tipo de parvoíces acontecem aqui. Todos sabemos disso, mas ninguém diz nada», começou por dizer o antigo piloto da Ferrari.

«O dinheiro mudou as coisas. Quanto mais está envolvido, mais política há. No geral, em qualquer país, há coisas que nunca sabemos até estarmos por dentro de tudo. É óbvio que o dinheiro e o poder têm um papel importante, e eu suponho que as pessoas queiram ter poder. Acredito que há muitos políticos na Fórmula 1, e outros que de certeza se safavam nisso. A Fórmula 1 perdeu o norte e tem sido assim há largos anos. Pode ser que as pessoas se apercebam. Sei muitas coisas que acontecem, mas não me quero envolver. Não acho que seja saudável», finalizou.

Kimi Raikkonen é o piloto com maior número de Grandes Prémios disputados, um total de 349. O finlandês chegou à Fórmula 1 em 2001, pela porta da Sauber. Foi campeão em 2007 com a Ferrari e vice-campeão em 2003 e 2005 com a McLaren. Representou ainda a Lotus e a Alfa Romeo, onde terminou a carreira. Entre 2010 e 2011, Kimi Raikkonen viveu um período sabático longe da Fórmula 1, tendo disputado a NASCAR, nos Estados Unidos, e o Mundial de Ralis em 2011.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.