Príncipe do Qatar quer ser “rei” na Arábia Saudita

A primeira semana do Rali Dakar te dado muito que falar, com muitas aventuras e peripécias pelo meio, mas o certo é que, nos automóveis, a Toyota Gazoo Racing é dona e senhora das operações, com Nasser Al-Attiyah e Matthieu Baumel na liderança folgadamente. Nas motos, Sam Sunderland (GasGas) tem o comando em perigo, com Matthias Walkner (KTM), a somente 2m39s e Daniel Sanders (GasGas) a 5m35s.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Dia de descanso em Riyhad, altura de fazer um balanço ao que foi a primeira semana da mais importante competição mundial de todo-o-terreno, que esteve em risco de ser cancelada, em consequência da explosão de um carro, em Jeddah, no final do ano passado.

Uma situação que levou a um aumento significativo das medidas de segurança, ainda que o governo francês tivesse sugerido o cancelamento da prova, a exemplo do que sucedeu em Lisboa, em 2008.

Nos automóveis tudo aponta para que o qatari Nasser Al-Attiyah (Toyota GR DKR Hilux) averba a quarta vitoria, segunda da marca nipónica, tirando partido, não só, da sua regularidade e rapidez, mas também, dos erros dos seus principais opositores.

O francês Sébastien Loeb (Prodrive Hunter), que trocou de navegador, por causa das falhas do monegasco Daniel Elena, seu companheiro durante a maior parte da sua carreira nos ralis, não parece ter ganho com as trocas, porque os erros de navegação continuam a existir e a atrasá-lo, para além de um dia ter ficado só com tracção dianteira o que foi muito penalizador.

Terceiro, atrás do saudita Yazeed Al Rahji (Toyota Hilux Overrive), que está a fazer uma excelente prova, a vitória parece estar fora de questão, a menos que algo aconteça a Nasser Al-Attiyah, mas a luta pelos dois outros lugares do pódio deverá ser interessante.

O sul-africano Giniel de Villiers (Toyota GR DKR Hilux) viu ser-lhe retirada uma penalização de cinco horas, por, alegadamente, não ter prestado assistência a um piloto de motos que tinha atropelado. Na realidade, apenas passou por cima da moto, e ascendeu ao quarto lugar, a 3m02s do saudita, pelo que o duelo entre os três promete ser animado.

Catastrófica está a ser a Audi Motorsport com a viatura que faz a estreia em competição, o Audi RS Q e-tron, a acusar problemas de juventude, a que se juntaram erros de navegação e o despiste de Stéphane Peterhansel.

Tratou-se de uma situação que obrigou o francês a esperar pelo camião de assistência e a passar a ser o escudeiro dos seus companheiros de equipa, o sueco Mattias Ekstrom (Audi RS Q e-tron) e o espanhol Carlos Sainz (Audi RS Q e-tron). No arranque da segunda semana da prova, o sueco é 14.º, o espanhol 25.º e o francês 71.º, posições que estão muitíssimo longe daquilo que equipa e pilotos esperavam.

A Audi Motorsport surgiu no Dakar com um conceito de carro totalmente inovador, mas a engrenagem não está ainda perfeitamente oleada, já que as três formações foram todas multadas em 800 euros devido a uma infração com as botas de pilotos e navegadores.

A equipa apresentou o vestuário correcto à prova de fogo durante as verificações mas, pelos vistos, as botas não estavam em conformidade com a nova norma da FIA 8856-2018 o que é uma violação do Código Desportivo Internacional da FIA. Resultado, uma coima de 800 euros. Um representante da equipa informou os Comissários que os sapatos corretos já tinham sido encomendados em Outubro, mas enganaram-se nos números.

TRIUNFO DE JOAQUIM RODRIGUES JR. NAS MOTOS

Entre os portugueses, a retirada da penalização a Giniel De Villiers tirou Paulo Fiúza, que navega o lituano Vaidotas Zala (Mini John Cooper Works Rally) do “top ten”, do qual distam, agora, 28m52s, enquanto Miguel Barbosa, navegado por Pedro Velosa (Toyota Hilux Overdrive) termina a primeira semana na 37.ª posição, depois de ter começado em 84.º, como consequência de ter estado adoentado e com os problemas de transmissão que teve no curto (19 km) Sector Selectivo inicial.

Filipe Palmeiro, que navegava o lituano Bendiktas Vanagas (Toyota Hilux Overdrive), é a única baixa entre os portugueses presentes, como consequência do violento capotanço na quinta etapa, felizmente, sem consequências para a equipa.

Se nos automóveis a questão da vitória parece resolvida, com Nasser Al-Attiyah a optar por um andamento mais cauteloso, nas motos tudo está em aberto, com os quatro primeiros, o inglês Sam Sunderland (GasGas), o austríaco Matthias Walkner (KTM), o australiano Daniel Sanders (GasGas) e o francês Adrien Van Beveren (Yamaha) separados por menos de 10 minutos.

Destaque para o excelente desempenho das GasGas, a surpreender tudo e todos, restando saber como vão reagir aos ataques dos opositores. A GasGas pretende inscrever pela primeira vez o nome na lista de vencedores, a Yamaha a querer voltar a subir ao lugar mais alto do pódio, o que não sucede desde 1998, então com Stéphane Peterhansel, e a KTM com a vontade de recuperar o domínio exercido durante 18 anos e colocado em causa pela Honda, nos últimos dois. Honda que tem o melhor piloto em quinto, o chileno Pablo Quintanilla (Honda), mas já a 17’44” do comandante.

Entre os portugueses destaque para a vitória de Joaquim Rodrigues Jr. (Hero), na terceira etapa, e para o terceiro de Rui Gonçalves (Sherco), na quinta, com a navegação a continuar a ser a maior dificuldade dos pilotos lusos, como o demonstrou Joaquim Rodrigues Jr, quando, no dia seguinte a vencer o Sector Selectivo, abriu a pista e no primeiro controlo era 96.º.

António Maio (Yamaha) tem feito uma prova muito regular, sendo presença habitual entre os 30 mais rápidos, enquanto Mário Patrão (KTM) é sétimo entre a classe “Original by Motul”, destinada aos participantes que não podem ter auxílio externo, seja ao nível da mecânica, como da logística.

Alexandre Azinhais (KTM), Arcélio Couto (Honda) e Pedro Bianchi Prata (Honda) completaram a primeira semana de prova e estão cada vez mais perto de concretizarem o seu objectivo: chegar a Jeddah, assim como o moçambicano Paulo Oliveira, integrado na portuguesa Team Bianchi Prata Honda.

LUÍS PORTELA MORAIS NO 9.º LUGAR NOS SSV

Nos SSV tudo aponta para que a vitória se decida entre o estreante brasileiro Rodrigo Luppi de Oliveira (BRP CAN-AM Maverick XRS) e o americano Austin Jones (BRP CAN-AM Maverick XRS), que entram para a segunda semana da prova separados por 6m56s. O polaco Michal Gozcal (BRP CAN-AM Maverick XRS) está na terceira posição, a 28m06s do primeiro lugar, diferença não irrecuperável, mas já muito significativa.

Entre os portugueses, Luís Portela Morais, que faz equipa com David Megre (BRP CAN-AM Maverick XRS) tem sido presença regular entre os 10 mais rápidos dos SS e termina a semana em nono da geral, a mais de 30 minutos do russo Sergei Kariakin (BRP CAN-AM Maverick XRS), que o antecede, mas com quase 20 minutos de avanço para o espanhol Joan Lascorz (BRP CAN-AM Maverick XRS), que o persegue. Mais discreto tem sido Rui Oliveira, navegado por Fausto Mota (BRP CAN-AM Maverick XRS), que termina a semana em 21.º, mas que, sem a penalização de 15 minutos por excesso de velocidade, iniciaria a segunda parte do Dakar no 17.º lugar.

Nos camiões, domínio esperado da Kamaz, cujos “pesos pesados” monopolizam o pódio provisório, faltando definir qual deles chega a Jeddah no comando da classificação. O português José Martins (Iveco), único luso nos camiões, ocupa o 31.º lugar, entre os 51 que se mantêm em prova.

O regresso às pistas acontece amanhã, com um percurso de 701 km entre Riyahd e Al Dawadimi, dos quais 402 km são corridos em especial numa zona desconhecida para os pilotos, que começa com cerca de 100 km de dunas, com a parte final a ser mais rápida, mas com o labirinto de pistas a poder provocar perdas de tempo significativas.

CLASSIFICAÇÕES

GERAL

MOTOS – 1.º, Sam Sunderland (GasGas), 19.55’59”; 2.º, Matthias Walkner (KTM), a 2’39”; 3.º, Daniel Sanders (GasGas), a 5’35”; 4.º, Adrien Van Beveren (Yamaha), a 7’43”; 5.º, Pablo Quintanilla (Honda), a 17’44”; 6.º, Lorenzo Santolino (Sherco), a 18’22”; 7.º, Stefan Svitko (KTM), a 24’29”; 8.º, Kevin Benavides (KTM), a 24’56”; 9.º, Joan Barreda Bort (Honda), a 25’59”; 10.º, Mason Klein (KTM), a 37’08”; …; 18.º, Joaquim Rodrigues (Hero), a 1.05’05”; …; 25.º, António Maio (Yamaha), a 1.43’33”; …; 32.º, Rui Gonçalves (Sherco), a 2.20’08”; …; 54.º, Mário Patrão (KTM), a 5’38’55”; …; 70.º, Alexandre Azinhais (KTM), a 7.33’14”; …; 81.º, Arcélio Couto (Honda), a 8’32’57”; …; 102.º, Pedro Bianchi Prata (Honda), a 11.12’51”; …; 105.º Paulo Oliveira (KTM), a 31.44′ 10′.

AUTOMÓVEIS – 1.º Nasser Al-Attiyah/Mathias Baumel (Toyota GR DKR Hilux), 20.37’24”; 2.º, Yazeed Al Rahji/Michael Orr (Toyota Hilux Overdrive), a 48’54”; 3.º, Sébastien Loeb/Fabian Lurquin (Prodrive Hunter), a 50’25”; 4.º, Giniel de Villiers/Dennis Murphy (Toyota GR DKR Hilux), a 51’56”; 5.º, Lucio Alvarez/Armand Monleon (Toyota Overdrive Hilux), a 1.06’58”; 6.º, Jakub Przygonski/Timo Gottschalk (Mini John Cooper Works Buggy), a 1.16’25”; 7.º, Vladimir Vasilyev/Oleg Uperenko (BMW X5) a 1.22’08”; 8.º, Orlando Terranova/Daniel Oliveras (Prodrive Hunter), a 1’24’00”; 9.º, Martin Prokop/Viktor Chytka (Ford Raptor RS Crosscountry), a 1.30’30”; 10.º, Sebastian Halpern/Bernard Graue (Mini John Cooper Works), a 1.42’25”; 11.º, Vaidotas Zala/Paulo Fiuza (Mini John Cooper Works Rally), a 2.11’17”; …; 37.º, Miguel Barbosa/Pedro Velosa (Toyota Hilux Overdrive), a 7.42’01”

SSV – 1.º, Rodrigo Luppi de Oliveira/Maykel Justo (BRP CAN-AM Maverick XRS), 25.04’01”; 2.º, Austin Jones/Gustavo Gugelmin (BRP CAN-AM Maverick XRS), a 6’56”; 3.º, Michal Gozcal/Szymin Gospodarczyk (BRP CAN-AM Maverick XRS), a 28’06”; 4.º, Gerard Farres Guell/Diego Ortega Gil (BRP CAN-AM Maverick XRS), a 29’08”; 5.º, Rokas Baciuska/Oriol Mena (BRP CAN-AM Maverick XRS), a 46’26”; …; 9.º, Luís Portela de Morais/David Megre (BRP CAN-AM Maverick XRS) a 2.58’57”; …; 21.º, Rui Oliveira/Fausto Mota (BRP CAN-AM Maverick XDS) a 5.12’31”.

CAMIÕES – 1.º Dmitry Sotnikov/Ruslan Akhmadeev/Ilgiz Akhmetzianov (Kamaz), 22.25’25”; 2.º, Eduard Nikolaev/Evgenii Iakolev/Vlamidir Rybakov (Kamaz), a 10’29”; 3.º, Anton Shibalov/Dmitrii Nikitin/Ivan Tatarinov (Kamax),a 38’17”; 4.º, Janus Van Kasteren/Marcel Snijders/Darek Rodewald (Iveco), a 1.04’54”; 5.º, Ales Loprais/Petr Pokora/Jaroslav Valtr (Praga),a 1.06’20”; …; 31.º, José Martins/Didier Belier, Jeremie Gimbre (Iveco), a 45.25’44”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *