Price vence etapa e Howes ascende ao topo

O estreante Rui Gonçalves (Sherco) foi o melhor português ao terminar na nona posição, a 12m19s do piloto australiano, que venceu pela segunda vez, em dia de nova mudança de líder nas duas rodas.

(auto.look2010@gmail.com)

O australiano Toby Price (KTM) venceu hoje a terceira das 12 etapas das motas na 43.ª edição do Dakar, num dia em que o norte-americano Skyler Howes (KTM) subiu à liderança. Toby Price terminou os 403 quilómetros da especial de hoje, de um total de 630 quilómetros, em redor de Wadi Ad-Dawasir, na Arábia Saudita, com o tempo de 3h33m23s, deixando o argentino Kevin Benavides (Honda) a 1m16s, na segunda posição. O austríaco Mathias Walkner (KTM) foi o terceiro, a 2m36s do vencedor.

No entanto, Skyler Howes, que terminou a etapa na quarta posição, a 6m16s de Toby Price, ascendeu à liderança da classificação das motos, aproveitando o dia negativo dos pilotos que tiveram de abrir a pista, o espanhol Joan Barreda Bord (Honda), o norte-americano Ricky Brabec (Honda) e o chileno Pablo Quintanilla (Husqvarna), que perderam mais de 20 minutos.

O estreante Rui Gonçalves (Sherco) foi o melhor português ao terminar na nona posição, a 12m19s de Toby Price. Joaquim Rodrigues Jr. (Hero) foi 18.º, a 16m28s e Sebastian Bühler (Hero) 21.º, a 18m03s.

Na geral, Skyler Howes ascendeu à liderança da prova pela primeira vez na sua carreira. Aos 28 anos, cumpre a terceira participação no Dakar, tendo abandonado em 2019 e terminado em nono em 2020. Já venceu o Rali Sonora, o Dakar Challenge e o rali de Marrocos em 2019.

Hoje agarrou o comando do Dakar, com 33 segundos de vantagem sobre Kevin Benavides, pupilo do português Ruben Faria, na Honda. O francês Xavier de Soultrait (Husqvarna) é terceiro, a 1m28s, com Toby Price logo atrás, a 1m52s. O anterior líder, Joan Barreda Bord, desceu para oitavo, a 9m02s. Joaquim Rodrigues Jr. é o melhor piloto luso, no 18.º lugar, a 21m02s do comandante. Rui Gonçalves é 22.º, a 36m41s e Bühler 24.º, a 40m16s.

Refira-se, por outro lado, que a Yamaha WR450F Rally do piloto norte-americano Andrew Short da Monster Energy Yamaha Rally Official Team, que foi forçado a abandonar na segunda etapa, entre Bisha a Wadi Ad-Dawasir, foi sujeita a uma inspecção no regresso ao bivouac. O exame identificou o problema como combustível contaminado, com uma quantidade significativa de água encontrada, tanto no tanque de combustível como na bomba de combustível na moto.

O terrível acontecimento aconteceu na zona de reabastecimento da segunda etapa, em que foi colocado água em vez de combustível no depósito da moto. Andrew Short ficou completamente despedaçado quando, após reabastecer, a Yamaha WR450F Rally deixou de colaborar.

O piloto tentou por todos os meios prosseguir em prova, mas a moto declinou todas as intenções de Andrew Short, até porque qualquer o motor é “alérgico” a água e não saiu do local onde se encontrava.

Amanhã, quarta-feira, disputa-se a quarta etapa, entre Wadi Ad-Dawasir e Riade, com 685 quilómetros, 457 deles disputados ao cronómetro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *