Portugueses querem “ganhar experiência”

Os pilotos Pedro Fragoso, Tomás Alonso e Miguel Santiago ambicionam chegar ao topo do motociclismo mundial e já este fim-de-semana querem qualificar-se para a corrida de Supersport 300, prova que decorre no Circuito do Estoril.

(auto.look2010@gmail.com)

Esta sexta-feira ouviram-se os primeiros “roncos” das Superbikes no circuito do Estoril, palco da última prova do Mundial e que vai consagrar o próximo campeão do mundo, numa luta entre Jonathan Rea, em Kawasaki, e Scott Redding, da Ducati.

O sonho dos pilotos portugueses que hoje rodaram no circuito português é chegar a esta categoria, mas para já o desafio é deixar a sua marca nas Supersport 300. Um desses pilotos é Pedro Fragoso, campeão nacional, que aos comandos de um Yamaha quer fazer as duas corridas previstas no calendário e aponta alto quanto a objectivos para este fim-de-semana.

«Quero conseguir a qualificação no sábado e fazer boas corridas, terminando no top-15», atira o jovem piloto, revelando que o desafio passa por conseguir uma vaga «a tempo inteiro» no calendário do próximo ano depois de este ano ter ganhado experiência nas provas em França e Espanha.

O campeão nacional frisa que nesta fase quer sobretudo «fazer muitos quilómetros em cima da moto» e que no sábado pode igualar o seu recorde no circuito do Estoril. Tomás Alonso, que também já teve experiências nas Supersport 300, competiu já este ano no Autódromo Internacional do Algarve, e este fim-de-semana quer alinhar nas duas corridas no traçado português.

«Hoje tive um primeiro dia complicado, porque tivemos de experimentar um novo “setup” para a moto. A cada treino estamos a melhorar e estou confiante para amanhã (sábado), espero qualificar-me para a corrida. Tenho aprendido muito com estes pilotos a cada vez que entro em pista e para o ano quero fazer o campeonato do mundo a tempo inteiro», confidencia o piloto.

A completar este trio luso está Miguel Santiago, que se estreia nesta categoria e, depois de ter ganho “rodagem” na Oliveira Cup e competir no Campeonato Espanhol de Velocidade, assume que a este nível é tudo muito mais desafiante.

«Hoje tive boas sensações, apesar do nível ser muito alto. É uma grande experiência, os pilotos são muito rápidos e é sempre a puxar, é incrível a rodagem que têm. Quero a qualificação, mas claro que é muito complicado, apesar de ser um circuito que conheço muito bem. Fiz o meu melhor tempo aqui esta manhã, amanhã vou tentar apertar, mas sei que os outros vão fazer o mesmo e vai ser difícil», diz o piloto de 16 anos.

Obviamente, Miguel Oliveira é um nome que o piloto de Mafra tem como referência e afirma que «com muito trabalho» e os «apoios necessários» é possível chegar ao nível do piloto da KTM. Por agora, diz concentrado, «quero chegar a domingo e poder dizer que tive um grande fim-de-semana e estive nas duas corridas».

A última prova do Mundial de Superbike, que decide as contas do título, discute-se este fim-de-semana no Circuito do Estoril à porta fechada, devido à pandemia da Covid-19.

Em Supersport 300, a discussão pela atribuição do ceptro mundial discute-se entre os dois jovens holandeses e companheiros de equipa Jeffrey Buis e Scott Deroue, separados por apenas 28 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: