Portugal conquista 3.º lugar na Bélgica nas 85cc

O “filme” Coupe de l’Avenir repetiu-se. Depois de, em 2016, a selecção nacional ter ocupado o lugar mais baixo do pódio na classe 85cc, bastaram três anos para se renovar a dose, desta vez por Afonso Gomes, Sandro Lobo e Martim Espinho, o trio maravilha que brilhou na Bélgica.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt) – Fotos: REGIS YVES

Afonso Gomes, Sandro Lobo e Martim Espinho foram verdadeiros heróis em território belga no dia da Implantação da República Portuguesa e no dia seguinte. 119 anos depois, em que resultado de uma revolução organizada pelo Partido Republicano Português iniciada no dia 2 de Outubro e vitoriosa na madrugada do dia 5 de Outubro de 1910, os três pilotos de palmo e meio também fomentaram uma “revolução” no Coupe de l’Avenir, na Bélgica, em defesa das cores d Federação Motociclismo de Portugal.

Se no sábado, dia 5 de Outubro, as condições climatéricas “travaram” os três pilotos, no domingo a lama acabou por produzir um efeito quase aziago mas, fruto de “manobras” arrojadas de Afonso Gomes, Sandro Lobo e Martim Espinho, a selecção de Portugal demonstrou eu está na forja “alunos” de excelência na disciplina de 85cc.

Uma cilindrada para gente jovem mas de enorme superioridade, conduzindo, com arte e engenho, a selecção nacional ao degrau mais baixo do pódio, regozijando-se de quebrar enguiços e ficar à frente dos seleccionados da França, Grã-Bretanha ou Alemanha, o que tradiz bem do poderio lusitano.

O conimbricense Afonso Gomes rubricou uma prestação notável na primeira de três mangas. Arrancou da sétima posição e ficou à porta do pódio, somando importantes pontos para a selecção e catapultando os companheiros nesta missão. A chuva que caiu incessantemente originou muita lama na pista, com as motos, fatos de competição, capacetes e luvas a ficarem irreversivelmente “adulterados”.

O piloto AUTOLOOK.PT esteve sempre o ataque e, no segundo e terceiro compromisso, delineou uma toda de trás para a frente. Na segunda corrida partiu de 34.º e encerrou-a no 12.º lugar. Uma prova marcada pelo infortúnio, já que Afonso Gomes, “preso” entre dois irmãos belgas logo no arranque, fê-lo cerrar os punhos e encetar pela recuperação, ganhando 22 lugares e importantes pontos para anexar aos já alcançados. A terceira corrida foi muito semelhante à anterior. O piloto de Coimbra partiu de 32.º e desferiu nova investida, para recuperar 15 posições, terminando a sua missão com o dever cumprido, com a 8.ª posição da classificação geral individual da categoria.

Por seu turno, Sandro Lobo terminou em 10.º na primeira maga e, na segunda, ocupou o lugar intermédio do pódio. O jovem piloto comandou quase por completa a corrida mas, a duas voltas da bandeira de xadrez, viria a ser ultrapassado, ficando, no entanto, o doce sabor de um lugar de grande destaque. Na terceira manga terminou em 19.º, culminando na 7.ª posição da classificação geral individual.

Finalmente, Martim Espinho. O jovem da Husqvarna foi o 15.º na primeira manga e 23.º na segunda, fechando com chave dourada o “top 10” na terceira corrida, registando o 12.º lugar na classificação geral individual.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação