Pneus podem ser problemas no Estados Unidos

O neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda), apesar de batido na Turquia por Valtteri Bottas, chega a Austin no comando do campeonato com seis pontos de avanço sobre Lewis Hamilton.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Max Verstappen (Red Bull/Honda)

À chegada ao Circuito das Américas (Austin – Texas), os pilotos vão encontrar um novo traçado, uma vez que foram feitas várias correcções em algumas das curvas e os pneus podem não ser os ideais, uma vez que cerca de 40 % do asfalto é novo.

Por sua vez, a Pirelli não teve tempo para mandar os seus engenheiros analisarem as novas condições de aderência, o que leva a que os pilotos disponham dos C2 (macios), C3 (médios) e C4 (duros) utilizados o ano passado.

Para agravar o problema, houve poucas corridas no traçado americano e, como consequência, o asfalto vai apresentar-se “verde”, embora as condições de aderência vão melhorando sessão após sessão e das corridas de contorno.

Fica por definir a estratégia para a corrida. De lembrar que, em 2019, e o ano passado não houve corrida, e o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) venceu com duas paragens e o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) foi segundo com uma.

Lewis Hamilton (Mercedes)

O neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda), apesar de batido na Turquia por Valtteri Bottas, chega a Austin no comando do campeonato com seis pontos de avanço sobre Lewis Hamilton e será o duelo entre os dois a atrair as atenções, havendo a curiosidade de ver se o inglês consegue regressar ao comando do campeonato, numa altura em que nos aproximamos da ponta final.

 

Se a discussão é entusiasmante, entre os pontas de lança das duas equipas que têm dominado as últimas temporadas, o mesmo sucede em relação ao derradeiro lugar do pódio, com Valtteri Bottas a dispor de 10 pontos de vantagem sobre o mexicano Sergio Perez (Red Bull/Honda)

Os resultados do finlandês a serem decisivos para a decisão do título de Construtores, com a Mercedes a ter 36 pontos de vantagem sobre o carro da marca de bebidas energéticas.

Os 7,5 pontos que separam McLaren e Ferrari na luta pelo derradeiro lugar do pódio nos construtores é outro ponto de interesse com os pilotos das duas equipas apostadas em aproveitar qualquer falha do quarteto dianteiro.

De assinalar que a marca de Maranello tem vindo a mostrar uma significativa evolução nos seus desempenhos e a de Woking vive das excelentes actuações do inglês Lando Norris, uma vez que o australiano Daniel Riccardo, apesar de ter ganho em Monza, tem estado longe daquilo que era esperado.

É por isso que a Ferrari, depois de um mau início de temporada, parece poder vir a terminar no pódio, o que excederá as perspectivas com que a equipa arrancou para o campeonato.

Sem nada a perder, os homens da Alpine e da Alpha Tauri, mais que os da Aston Martin, podem vir a revelar-se decisivos na decisão do terceiro lugar do campeonato de construtores nos pontos que “roubarem” aos candidatos.

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º, Max Verstappen, 262,5 pontos; 2.º, Lewis Hamilton, 256,5; 3.º, Valtteri Bottas, 177; 3.º, Lando Norris, 145; 5.º Sérgio Perez, 135; 6.º, Carlos Sainz, 116,5; 7.º, Charles Leclerc, 116; 8.º, Daniel Ricciardo, 95; 9.º, Pierre Gasly, 74; 10.º, Fernando Alonso, 58; 11.º, Esteban Ocon, 46; 12.º, Sebastian Vettel, 35; 13.º, Lance Stroll, 26; 14.º, Yuki Tsunoda, 18; 15.º, George Russell, 16; 16.º, Nicholas Latifi, 7; 17.º, Kimi Raikkonen, 6; 18.º, Antonio Giovinazzi, 1.

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 433,5 pontos; 2.º, Red Bull Racing Honda, 397,5; 3.º, McLaren F1 Team, 240; 4.º, Scuderia Ferrari Mission Winnow, 232,5; 5.º, Alpine Renault, 104; 6.º, Scuderia Alpha Tauri Honda, 92; 7.º, Aston Martin Cognizant F1 Team, 61; 8.º, Williams Mercedes, 23; 9.º, Alfa Romeo Racing Ferrari, 7.

Calendário para 2022

Está definido o calendário da F1 para o próximo ano, que terá 23 corridas, o maior número da sua história, havendo sete jornadas duplas e até uma tripla contra a vontade das equipas.

A competição irá duas vezes aos Estados Unidos (Miami, uma estreia, e Austin) e a Itália (Imola e Monza), vê regressar a Austrália, Singapura e o Japão, que, este ano, foram canceladas e vê a China ficar de fora, sendo substituída pela França.

F1
DATA PAÍS CIRCUITO
20 de Março Bahrein Sakhir
27 de Março Arábia Saudita Jeddah
1 de Abril Austrália Melbourne
24 de Abirl Emilia-Romagna Imola
8 de Maio Estados Unidos Miami
22 de Maio Espanha Barcelona
29 de Maio Mónaco Monte Carlo
12 de Junho Azerbeijão Baku
19 de Junho Canadá Montreal
3 de Julho Grã-Bretanha Silverstone
10 de Julho Áustria Spielberg
24 de Julho França Castellet
31 de Julho Hungria Hungaroring
28 de Agosto Bélgica Spa-Francorchamps
4 de Setembro Paises Baixos Zandvoort
11 de Setembro Itália Monza
25 de Setembro Russia Sochi
2 de Outubro Singapura Marina Bay
9 de Outubro Japão Suzuka
23 de Outubro Estados Unidos Austins
30 de Outubro México Cidade do México
13 de Novembro Brasil São Paulo
20 de Novembro Abu Dhabi Yas Marina

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *