Philippe Fuchey lidera Rally de Portugal Histórico

Pelo segundo dia consecutivo, a dupla franco-belga, Philippe Fuchey e Christophe Hayez, mantém o Porsche 911 SC (1978), na liderança do Rally de Portugal Histórico, mas muito perto por Michel Decremer e Patrick Lienne, em Opel Ascona (1981).

Texto: CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt) – Fotos: JOSÉ MOURA

O Rally de Portugal Histórico está ao rubro. A terceira etapa da prova do Automóvel Club de Portugal, com a incontornável visita a Lamego, Rampa dos Remédios, Peso da Régua e Barragem de Bagaúste, manteve Philippe Fuchey e Christophe Hayez no topo da pauta classificativa, mas a chegada a Viseu ditou que a diferença para os segundos classificados, os belgas Michel Decremer e Patrick Lienne (Opel Ascona), não é de descontracção.

A esperança de chegarem ao Estoril na condição de vencedores absolutos mantém-se, naturalmente, mas as lutas titânicas no asfalto avolumam-se, com os pilotos a desvendarem argumentos capazes de dilatar disparidades nos andamentos. Contudo, os navegadores desempenham um papel de soberania, evidenciando também indícios de astúcia nas provas especiais a que estão sujeitos.

Perante este cenário, a dupla leiriense, Paulo Grosso e Susana Cordeiro, também não desarma e, fruto da experiência acumulada, conduziu, com arte e engenho, nas estradas da região vinhateira e viseense, o Porsche 911 (1968) até ao terceiro lugar da classificação geral, mantendo também viva a legítima ambição de alcançar a vitória.

Na quarta posição está o Ford Escort (1971) do espanhol Marcos Fernandez Adan que, navegado pelo experiente e conterrâneo Adolfo Gonzalez-Almuiña, relegou para o quinto posto os compatriotas David Nogareda Estivill e Sergi Giralt Valero, em Porsche 911 Carrera RS (1973).

Os portugueses José Manuel Dias e Nuno Ricardo Rodrigues (Porsche 911 SC, de 1978) e Paulo Marques e João Martins (BME 1600, de 1969), terminaram a etapa de hoje na 12.ª e 18.ª posição, respectivamente. Se a primeira dupla tem superado algumas adversidades e conquistado posições, já a segunda viveu momentos de alguma tensão.

Depois de ter alcançado a primeira posição na etapa inaugural, na Figueira da Foz, Paulo Marques e João Martins tiveram uma aziaga “manobra” de trabalhos suplementares, demorando muito tempo na assistência para resolver um problema ao nível da embraiagem. Um “enigma” adicional que originou à dupla leiriense entrar atrasada na especial Lamego 1, causando um atraso significativo na classificação, embora continuem a “manobrar” os “cavalos” do BMW 1600 como se estivem a lutar pela vitória.

Para esta sexta-feira, o Rally de Portugal Histórico entra no último dia de competição, levando o pelotão de Viseu ao Estoril com passagens por locais carismáticos como o Caramulo (11h30), o Kartódromo de Leiria e os incontornáveis troços nocturnos de Sintra, pontos incontornáveis da história do desporto automóvel nacional. O final tem lugar sábado com o Slalom do Autódromo do Estoril que, tal como a noite de Sintra, contará com a participação dos pilotos convidados Ari Vatanen e Miko Hirvonen.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação