Pequena “revolução” regulamentar na Montanha

A pouco mais de um mês do arranque, que acontecerá em Murça, foi oficializado o Regulamento Desportivo do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group.

(auto.look2010@gmail.com)

São muitas as alterações no seio da competição maior da modalidade, que se prepara ainda para receber, de braços abertos, os Fórmulas e os Kartcross integrados em taças específicas, neste ano de arranque. Depois de ter sofrido as agruras do surto pandémico, que reduziu a época 2020 a três provas (Murça, Serra da Estrela e Arrábida), o Campeonato de Portugal de Montanha JC Group prepara-se para regressar à normalidade, assim o combate a esta pandemia o permita na época que está prestes a começar.

A modalidade tem granjeado nos últimos anos os favores do público e, até à época de 2020, vinha numa trajectória crescente de impacto mediático, almejando ainda cimentar a qualidade e a quantidade de inscritos, prova após prova, premiando o trabalho executado pelo consórcio promotor, formado pela APPAM – Associação dos Pilotos Portugueses de Montanha e pelos clubes organizadores. O ano atípico de 2020 mostrou, mesmo assim, que a modalidade está sólida pois cada uma das provas realizadas saldou-se por um enorme êxito organizativo.

A entidade, em consonância com a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK), tem estudado continuamente a estrutura e os regulamentos, ouvindo pilotos e restantes protagonistas, num trabalho de contínua melhoria, para tornar o CPM JC Group cada vez mais atractivo para pilotos, equipas, autarquias, patrocinadores, comunicação social e público em geral.

Em 2020, a grande novidade foi a introdução da Categoria Legends, com a outorga de um título nacional específico, alcançado, neste primeiro ano, por Alberto Pereira, piloto de Mesão Frio e presidente do município, aos comandos de um Honda Integra Type R.

O edil mesãofriense fez assim companhia aos outros galardoados: José Correia (Osella PA2000 Evo2) alcançou o título mais saboroso, o Absoluto, juntando-lhe o cetro referente à categoria Protótipos. Já Vítor Pascoal levou o Porsche 991 GT3 Cup à vitória nos GT, cabendo a Luís Nunes (Ford Fiesta ST R5+) renovar o título entre os Turismos. Flávio Saínhas reclamou a supremacia entre os Clássicos.

2021 COM MUITAS NOVIDADES

A regulamentação agora apresentada ostenta o maior número de alterações que a modalidade observou nos últimos anos. Mas comecemos pelo que não é mudado. Quanto aos títulos em discussão, continuarão a ser 6: Absoluto, Protótipos, GT, Turismos, Legends e Clássicos, sendo ainda atribuídos troféus aos vencedores das Divisões, Grupos e Classes. O campeonato também continuará a contar com a disputa das Taças de Portugal reservadas a veículos modernos ou clássicos, com cilindrada até 1300cc.

É entre os Turismos que se dá uma pequena “revolução” regulamentar. Receptora de uma grande parte do pelotão oficial da Montanha, a Categoria apresenta agora três novas divisões, todas diferentes das quatro anteriores.

A nova Divisão Turismos 1 será reservada a todas as viaturas com quatro rodas motrizes. Já a Divisão 2 incluirá os veículos com apenas duas rodas motrizes e cuja cilindrada seja superior a 2000cc, com a Divisão Turismos 3 a incluir os carros cuja motorização seja até 2000cc e que possuam também apenas duas rodas motrizes.

FÓRMULAS E KARTCROSS SÃO MAIS DUAS GRANDES NOVIDADES NA ÉPOCA

A inclusão de monolugares nas lides competitivas do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group era falada já há alguns anos, sendo, notoriamente, vontade do Promotor vir a enquadrar viaturas que, a exemplo do que acontece no Europeu com os Fórmulas e em vários campeonatos nacionais e regionais com os Kartcross, demonstram ser espectaculares e merecedoras dos favores e do aplauso do publico.

Foi assim criada uma Taça de Portugal de KartCross de Montanha e uma Taça de Portugal de Monolugares de Montanha, onde estes monolugares estarão inseridos, com pontuações autónomas e não podendo pontuar para o campeonato absoluto.

Os Kartcross serão aceites e distribuídos por duas classes (até 600cc e 1.000cc), com os Fórmulas a serem distribuídos por três classes distintas (até 1.600cc, 2.000cc e 3.000cc).

Os Kartcross irão competir em todas as 8 rampas do calendário ao passo que os Fórmulas, por questão relacionadas com as condições de segurança, só estarão em cinco, ficando excluídas as rampas de Murça, Penha e Caramulo.

O anúncio da inclusão dos monolugares provocou já muitas reações de interesse, inclusivamente por parte de pilotos estrangeiros, sendo de esperar uma forte adesão às duas novas competições.

OITO PROVAS COM A GRANDE FESTA DO FIA HILL CLIMB MASTERS

É novamente pelas mãos do CAMI que o Campeonato de Portugal de Montanha JC Group arrancará. Será nos dias 10 e 11 de Abril, tendo como palco a Rampa Porca de Murça. 15 dias depois, a família da Montanha ruma a sul, para a mítica Serra da Arrábida, com a segunda prova a decorrer sob a batuta do Clube de Motorismo de Setúbal.

A 8 e 9 de Maio trará a novidade do Europeu de Montanha se disputar, pela primeira vez, no desafiante traçado de Boticas. Caberá ao Demoporto a organização da prova que reúne a fina flor do velho continente aos protagonistas do CPM JC Group. No último fim-de-semana do mês, a 29 e 30, tocamos o tecto de Portugal Continental.

A Rampa Covilhã Serra da Estrela será o quarto desafio da temporada, segundo onde o CAMI assume as honras organizativas. A 12 e 13 de Junho marcarão o regresso a norte, para na cidade berço se disputar a Rampa da penha Paisagem Protegida, voltando o Demoporto a tomar as rédeas do evento que marcará a abertura da segunda metade da temporada.

O desafiante serpentear do traçado erguido nos socalcos do Douro receberá a sexta edição da Rampa de Santa Marta. O Clube Automóvel da Régua ergue em Penaguião o encontro do campeonato com o Douro Património da Humanidade, nos dias 3 e 4 de Julho, para três semanas após ser vez do Targa Clube nos levar até ao Dão, onde o pelotão enfrentará a Rampa do Caramulo, em Tondela.

Trás-os-Montes abrirá e Trás-os-Montes terá honras de fecho do CPM JC Group 2021. Boticas será o local, com este traçado de grande dificuldade a ter assim honras de dupla aparição na época elevando para três o número de provas organizadas sob a égide do Demoporto.

As provas continuarão a contar com oito subidas, divididas equitativamente pelo sábado e pelo domingo das quais duas de aquecimento (warm-up), três de treinos oficiais e outras tantas de prova, contando para a classificação final o somatório dos dois melhores tempos efectuados entre os 3 possíveis nas referidas subidas de prova.

Quanto ao programa e horários, as verificações técnicas decorrerão sempre na noite de sexta e na manhã de sábado, recomendando o promotor que a primeira subida do programa de cada prova (Warm-up 1), arranque às 13 horas de sábado, uma hora antes do que era normal até à época passada.

Concluído o campeonato, a época terá ainda um momento de grande emoção. A mítica Falperra receberá o FIA Hill Climb Masters, competição maior da modalidade a nível mundial. Esta verdadeira Taça das Nações decorrerá nos dias 9 e 10 de Outubro, sendo de esperar que à prova do Clube Automóvel do Minho acorram mais de centena e meia de participantes, em representação de mais de duas dezenas de nacionalidades, transformando ao evento num dos momentos altos de 2021 do desporto motorizado português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *