Ogier e Evans esgrimem argumentos em Monza

Pilotos da Toyota Gazoo Racing enfrentar as sinuosas estradas de montanha nos Alpes Bergamascos e o circuito da Catedral da Velocidade, Monza, situado no limite da cidade do norte de Itália, em busca do título mundial…

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Tal como sucedeu o ano passado, quando integrou o calendário, como consequência da anulação de várias provas, por causa da pandemia, o Rali de Monza mantêm-se no calendário do “Mundial”, pelas mesmas razões, depois da anulação das provas agendadas para a Suécia, Inglaterra, Chile e Japão e, tal como então, decide o título.

Nessa altura, o inglês Elfyn Evans (Toyota Yaris WRC), que tinha tudo a seu favor para garantir o título, saiu da estrada e “entregou” o ceptro ao francês Sébastien Ogier (Toyota Yaris WRC), com os dois a estarem na corrida pela “coroa”, mas agora na situação inversa, uma vez que é o gaulês a entrar com 17 pontos de vantagem sobre o seu colega de equipa.

Sem precisar de arriscar para garantir o oitavo título da carreira, Sébastian Ogier pode gerir a prova como quiser, uma vez que Elfyn Evans só lhe roubará o título se, em caso de vitória, o francês ficar para lá do sexto lugar, o que não parece muito possível de suceder.

Com 19 pontos a separá-los, o belga Thierry Neuville (Hyundai i20 Coupé WRC) e o finlandês Kalle Rovampera (Toyota Yaris WRC) decidem o derradeiro lugar do pódio, com o primeiro a estar na mesma posição do segundo, mas com mais dois pontos de vantagem, o que aumenta a possibilidade de ser ele a terminar no pódio final.

Com 47 pontos de vantagem sobre a Hyundai, só um “terramoto” pode impedir a Toyota de recuperar o título conquistado em 2018, naquele que será o quinto ceptro da marca japonesa.

Em termos de traçado e tal como sucedeu o ano passado, o Autódromo de Monza, onde está situado o Parque de Assistência, vai ser utilizado das mais variadas maneiras como palco de provas de classificação.

Contudo, sexta-feira e sábado de manhã, as equipas rumam ao norte para competirem em quatro especiais desenhadas nas estradas da região.

A sexta-feira abre com uma dupla passagem pelas especiais de Gerosa (10,96 km) e Costa Valle Imagna (22,11 km), para o dia terminar com uma dupla passagem por Cinturato (14,49 km) e Grand Prix (10,29 km) desenhadas no Parque de Monza.

No sábado a situação repete-se, com o dia a começar com uma dupla passagem pelas classificativas de San Fermo (14,80 km) e Selvino (24,93 km), a mais extensa, para terminar no Parque de Monza, com uma dupla passagem pela prova de classificação de Sottozero (14,39 km).

Finalmente, no domingo, a prova não sai do Parque de Monza, com os concorrentes a voltarem a percorrer a especial Grand Prix e prova terminar com uma dupla passagem pela especial Serraglio (14,62 km), com a segunda a funcionar como “Power Stage”.

QUINTA-FEIRA (18 DE NOVEMBRO)

17h01 – Shakedown (4.09 km)

SEXTA-FEIRA (19 DE NOVEMBRO)

06h31 – PE1 Gerosa 1 (10,96 km)

07h16 – PE2 Costa Valle Imagna 1 (22,11 km)

09h20 – PE3 Gerosa 2 (10,96 km)

10h08 – PE4 Costa Valle Imagna 2 (22,11 km)

12h45 – PE5 Cinturato 1 (14,49 km)

14h55 – PE6 Cinturato 2 (14,49 km)

17h27 – PE7 Grand Prix 1 (10,29 km)

SÁBADO (20 DE NOVEMBRO)

06h38 – PE8 San Fermo 1 (14,80 km)

07h33 – PE9 Selvino 1 (24,93 km)

10h08 – PE10 San Fermo 2 (14.80 km)

11h03 – PE11 Selvino 2 (24.93 km)

14h09 – PE12 Sottozero 1 (14.39 km)

16h19 – PE13 Sottozero 2 (14.39 km)

DOMINGO (21 DE NOVEMBRO)

06h48 – PE14 Grand Prix 2 (10,29 km)

09h08 – PE15 Serraglio 1 (14.62 km)

11h18 – PE16 Serraglio 2 / Power Stage (14,62 km)

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º Sébastien Ogier, 204 pontos; 2.º Elfyn Evans, 187; 3.º Thierry Neuville, 159; 4.º Kalle Rovampera, 140; 5.º Ott Tanak, 128; 6.º Craig Breen, 76; 7.º Takamoto Katsuta, 68; 8.º Dani Sordo, 63; 9.º Gus Greensmith, 60; 10.º Adrien Fourmaux, 42; 11.º Esapekka Lappi, 22; 12.º Teemu Suninen, 21; 13.º Mads Ostberg, 15; 14.º Yohan Rossel; Oliver Solberg, 12; 16.º Jari Huttunen, 10; 17.º Andreas Mikkelsen, 10; 18.º  Onkar Rai; Pierre-Louis Loubet, 6; 20.º “Pepe” Lopez; Karan Patel; Alexey Lukyanuk; Pieter Jan Michiel Cracco; Nil Solans, 4; 25.º Eric Camilli, 3. 26.º Jan Solans; Carl Tundo; Fabian Kreim; Marco Bulacia Wilkinson, 2; 30.º Nikolay  Gryazin, 2; 31.º Vincent Verschureren, Emil Limdholm, 1.

NAVEGADORES – 1.º Julien Ingrassia, 204 pontos; 2.º Scott Martin, 187; 3.º Martijn Wydaeghe, 159; 4.º Jonne Halttunen, 140; 5.º Martin Jarveoja, 128; 6.º Paul Nagle, 76; 7.º Daniel Barritt, 66; 8.º Chris Patterson, 54 ; 9.º Renaud Jamoul, 36; 10.º Candido Carrera, 12; 11.º Janne Ferm, 22; 12.º Mikko Markkula, 21; 13.º Borja Rozada, 20; 14.º Alexandre Coria, 18; 15.º Torstein Eriksen, 15 ; 16.º Carlos Del Barrio, 11; 17.º Mikko Lukka, 10; 18.º Ola Floene, Elliott Edmonson, 8; 20.º Sebastian Marshall, Drew Sturrock, Florian Haut-Labourdette, Craig Drew, 6; 24.º Diego Valejo, Tauseef Khan, Yaroslav Fedorov Jasper Vermeulen, Marc Marti, 4; 29.º Rodrigo Sanjuan, Tim Jessop, Frank Christian, Marcelo Der Ohannesian, Aaron Johnstone, Maxime Vilmot, Konstantin Aleksandrov, 2; 36.º François-Xavier Buresi, Filip Cuvelier, Reeta Hamalainen, 1.

MARCAS – 1.ª Toyota Gazoo Racing WRT, 474, pontos; 2.ª Hyundai Shell Mobis WRT, 427; 3.ª M-Sport Ford WRT, 185; 4.ª Hyundai 2C Competition, 58.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *