Nuno Rocha “voou” para o pódio de Veteranos

A prestação dos representantes da família Rocha do Team AC Motos TM Racing/Alves Bandeira teve finais diferentes no Enduro de Águeda. O pai Nuno terminou no pódio e o filho Frederico abandonou devido a avaria na sua moto.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: JOÃO DA FRANCA

Nuno Rocha

Num percurso de verdadeiro Enduro, com especiais exigentes e de agrado de Nuno e Frederico Rocha, respectivamente, pai e filho, o decorrer da terceira prova do Nacional de Enduro foi decorrendo de forma contrária ao que inicialmente estava previsto.

Frederico Rocha, que se apresentou em Águeda aos comandos de uma TM 125, na qual prevê apresentar-se na primeira etapa do Mundial de Enduro que começa já no próximo fim-de-semana, em Marco de Canaveses, começou bem o dia com forte andamento mas, a meio da primeira volta, surgiu o primeiro contratempo.

«A corrente da moto saiu por oito vezes. Depois de ter entortado o guia da corrente, perdi muito tempo e ficou difícil de repor o ritmo», revelou o jovem piloto universitário que, resolvido este problema, surgiu outro mais difícil de solucionar: «A moto perdeu potência diversas vezes, não conseguindo, nem em pista nem na assistência, resolver o enigma».

Frederico Rocha

Com um atraso significativo no final da primeira volta e com todos os participantes da classe Open em prova e com ritmo elevado, Frederico Rocha não teve outra alternativa que abandonar, até porque a TM 125 denunciava falta de potência.

Um revés para o jovem piloto de Coimbra e equipa AC Motos TM Racing/Alves Bandeira que, perante este cenário, decidiram desistir e não comprometer a mecânica da TM 125. No final, Frederico Rocha era um piloto desanimado pelo sucedido, num dia que começou bem, com um ritmo elevado e com bons tempos nas especiais, fazendo prever uma jornada proveitosa na estreia da sua nova montada.

Refira-se que esta semana o foco do jovem piloto passa pela recuperação da sua TM 125 e apresentar-se na máxima força para a ronda inaugural do Mundial, a disputar em Marco de Canaveses.

Frederico Rocha

Por seu turno, Nuno Rocha apresentou-se aos comandos de uma TM 250 FI. Tratou-se de um regresso aos comandos da muito competitiva moto a quatro tempos da marca Italiana e a prova em Águeda foi sempre em crescendo. O patriarca Rocha começou por rodar em 5.º da classe para terminar em 3.º na classificação da classe Veteranos, atrás do líder do Campeonato Nacional, Manuel Moura e Nuno Freitas, primeiro e segundo, respectivamente.

«O Enduro de Águeda estava muito bem organizado, muito duro no percurso e com três especiais muito bem delineadas e exigentes, obrigando-me a andar muito concentrado e a TM 250 FI portou-se de forma irrepreensível», sublinhou Nuno Rocha.

Nuno Rocha

Para ambos a especial de Motocross, no Crossódromo Internacional de Águeda foi um dos pontos mais positivos do Enduro bairradino, com os seus enormes saltos e curvas muito rápidas a fazer as delicias dos pilotos, com o veterano Nuno Rocha a “voar” sobre o salto de mesa, mostrando que a idade não cria barreiras.

O Campeonato Nacional de Enduro tem um longo interregno, mas segue-se duas etapas do Mundial, em Portugal e Itália, onde Frederico Rocha apresentar-se-á com as cores lusas com a sua TM 125. A 4 de Julho regressa o Enduro Sprint de Cantanhede, Nuno e Frederico Rocha competirão de novo juntos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *