Nuno Gonçalves desafortunado na Régua

Piloto de Condeixa viveu um “oceano” de agitações junto ao rio Douro no pretérito fim-de-semana, na segunda prova do “Nacional” de Enduro, ficando, no entanto, o estímulo de fazer mais e melhor já a partir da prova do Góis Moto Clube, a 8 de Março.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt) – Fotos: RÚBEN DAVID OLIVEIRA

Aos comandos de uma Honda CRF 450 RX preparada e assistida por Lousãmotos Redmoto, Nuno Gonçalves andou às avessas com a sorte na dupla jornada da segunda prova pontuável para o Campeonato Nacional de Enduro, marcada por um cruel impulso. No Peso da Régua faltou o “esquadro” para arquitectar uma prova sem sobressaltos, mas os ensinamento são para serem estudados e pesquisados até à exaustão para serem aplicados no futuro.

Na prova desenhada em redor do rio Douro a serpentear o sopé dos vinhedos e com os socalcos esculpidos a fazer companhia aos pilotos, Nuno Gonçalves admitiu ter sentido um fim-de-semana com sabor agre e doce, «sobretudo no sábado, talvez por falta de alguma concentração».

No rescaldo da dupla jornada do Campeonato Nacional de Enduro CFL em Peso da Régua, o piloto inscrito pelo Góis Moto Clube começou por sublinhar que falhou «um controlo horário logo na primeira volta e, quando apercebi o erro, já não havia nada a fazer e, por conseguinte, o resultado foi uma justa penalização de 45 minutos».

No domingo, o piloto da Honda CRF 450 RX com o número 14 e preparada por Lousãmotos Redmoto, reiniciou a missão com muita ousadia: «Tudo estava a correr lindamente, o físico estava bom, a moto sem qualquer problema e a motivação em alta. O relógio mostrava que estava a progredir dentro dos nossos ensejos no que concerne aos tempos nas especiais. Tudo parecia correr sobre rodas, mas um enorme poço de lama prendeu-me a moto, levando uma eternidade a conseguir deslocar a Honda CRF 450 RX daquele lamaçal em plena especial cronometrada».

Bastante agastado com este obstáculo que não estava nos seus planos, Nuno Gonçalves confidenciou que «esgotei forças e, principalmente, a oportunidade de estar mais à frente da classificação final». «O resultado foi um fim de tabela devido aos contratempos, mas bastante satisfeito porque sei que estou a entrar no ritmo desejado».

Com a vitória, no segundo dia, a sorrir a Rui Gonçalves (Sherco 450 SEF), com o tempo de 1h21m32,68s, Nuno Gonçalves finalizou a participação na nona posição. Porém, o piloto condeixense sublinhou que «esta prova de Enduro foi uma grande lição, que nada nos faz parar, continuando a manter viva a nossa missão já no dia 8 de Março, a fim de podermos estar no ponto para a jornada organizada pelo Góis Moto Clube».

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação