Ni Romeiro homenageado no Rali da Bairrada

O Clube Automóvel do Centro presta hoje uma justa homenagem ao malogrado sócio que presidia o Conselho de Comissários da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting. O tributo ocorrerá durante a cerimónia da entrega de prémios do Rali da Bairrada, em Vagos.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Claudino Romeiro, que faleceu a 25 de Outubro do ano transacto, vai ser homenageado sete meses depois da sua morte. No final do Rali da Bairrada, prova pontuável para o Campeonato Centro de Ralis, Campeonato Nacional de Ralis GT, Campeonato Nacional de Ralis Clássicos e Desafio Kumho, o Clube Automóvel do Centro prestará o tributo ao malogrado dirigente associativo e federativo.

Claudino Manuel Carneiro Pinto Romeiro, conhecido por Ni Romeiro no mundo do Motorsport e dos ralis em particular, presidia o Conselho de Comissários da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK). O dirigente da estrutura federativa morreu a 25 de Outubro, aos 69 anos, por complicações devido à Covid-19, após ter ficado internado durante dois dias na unidade hospitalar dos Covões, em Coimbra.

Sócio do Clube Automóvel do Centro desde tenra idade, Ni Romeiro desempenhou um papel preponderante no crescimento do clube sedeado em Coimbra ao longo de várias décadas, assim como a nível nacional, oferecendo a sua experiência à FPAK para que a estrutura federativa pudesse difundi-la de norte a sul do país e ilhas da Madeira e Açores.

Ni Romeiro trabalhou várias décadas no Observatório Geofísico e Astronómico, onde é investigada Astronomia, Geofísica, Ciências Planetárias, Física Solar e Astrofísica. No entanto, ao presidente do Conselho de Comissários da FPAK faltava-lhe uma cadeira para exercer Medicina, acabando por disponibilizar dados astronómicos e geofísicos às comunidades científicas e civis, entre muitas outras.

A morte do dirigente federativo provocou um rasto de consternação e uma onda de pesar de norte a sul do país e ilhas, marcando o desporto automóvel até aos dias de hoje, porque era um homem bom, embora incompreendido em diversas situações pelo papel predominante que desempenhava na FPAK.

Hoje, em Vagos, no final do Rali da Bairrada, as qualidades de Ni Romeiro vão ser recordadas no decorrer da cerimónia da entrega de prémios. Esta homenagem vinca os valores e princípios de um Homem que contribuiu para engrandecimento dos ralis em Portugal. Apesar do desporto automóvel nacional ter perdido um dos seus grandes vultos, o Clube Automóvel do Centro não esquece o amigo, o Homem e o dirigente de carácter e que deixou um legado de resiliência.

Ni Romeiro era natural de Silves, no Algarve, mas, desde muito cedo que adoptou a cidade de Coimbra como sua. Casou com Teresa Romeiro, uma transmontana de Macedo de Cavaleiros. Ambos estão sepultados em Moronho, no concelho de Tábua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *