Ni Amorim no Alto Tâmega em Escort RS 1800

O timoneiro da FPAK participou na primeira edição da prova transmontana com uma viatura da marca oval, lembrando agora o “seu” Rali Alto Tâmega, de 1983, quando ainda hesitava entre… dois amores!

(auto.look2010@gmail.com)

O presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK), Ni Amorim, que foi um dos mais destacados pilotos nacionais ao longo de três décadas, guarda no seu currículo a participação na primeira edição do Rali do Alto Tâmega, em 1983. Fê-lo ao volante de um Ford Escort RS 1800 (ex-António Rodrigues) e tendo como navegador António Manuel.

«Nesse ano comecei a época no Rali Sopete, seguindo-se as Camélias e, já mais tarde, o Alto Tâmega, mas também competi em provas de velocidade, como Vila do Conde, autódromo ou rampas», recordou Ni Amorim, que ainda retém na memória alguns detalhes da prova transmontana.

«O Rali do Alto Tâmega tinha umas classificativas bonitas e com bom piso. De tal maneira que adquiriu rapidamente um estatuto de referência no campeonato, no qual se manteve durante uma dezena de anos», sublinhou o piloto portuense, a poucos dias do regresso da prova ao principal escalão da especialidade.

A “aventura” de Ni Amorim nos ralis circunscreveu-se a esse ano de 1983 – não finalizou o Rali do Alto Tâmega devido a problemas de embraiagem no Ford Escort RS 1800 –, numa altura em que hesitava quanto ao rumo a seguir numa carreira já então em anteprojecto de piloto profissional.

«Passei por momentos de indefinição, já que tanto gostava de ralis como de velocidade, mas acabei por optar por esta última em definitivo por questões de budget. Já naquela época os ralis ficavam bastante mais caros e, para além disso, na velocidade havia uma fórmula barata, que eram os troféus, nos quais as marcas envolvidas ajudavam bastante os pilotos», acrescentou o presidente da FPAK.

O antigo piloto considera que não poderia ter feito melhor escolha, se atendermos ao brilhante palmarés que construiu, tanto a nível nacional como internacional, a partir de 1983 e até colocar um ponto final na carreira: «Claro que não me arrependo, bem pelo contrário, de ter optado pela velocidade. Tanto foi uma escolha acertada que fiquei por lá mais de três dezenas de anos», confidenciou Ni Amorim.

Quem acompanhou Ni Amorim na qualidade de navegador nessa primeira edição do Alto Tâmega foi António Manuel que, ainda hoje, recorda que o Escort levava o número 7 nas portas: «O Ni (Amorim) andava muitíssimo bem e isso viu-se logo na estreia do carro, que foi no “Sopete”, mas um problema mecânico em Vilar de Mouros impediu-nos de chegar ao fim. Depois, nas “Camélias”, estávamos a fazer uma boa prova, mas batemos com uma certa violência. Essa primeira edição do Alto Tâmega começou em Ribeira de Pena e logo numa das primeiras classificativas o Escort ficou com problemas de embraiagem e não fizemos um único tempo em condições até desistirmos na quinta ou sexta classificativa».

No próximo fim-de-semana, passados 28 anos, o Rali do Alto Tâmega estará de volta ao calendário do Campeonato de Portugal de Ralis, numa jornada que é pontuável ainda no Campeonato de Portugal GT de Ralis, Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis, Campeonato Norte de Ralis, Peugeot Rally Cup Ibérica e Challenge R2&YOU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: