Ni Amorim lança futuro promissor da FPAK

Presidente fez um balanço positivo dos 25 anos de existência da FPAK, considerando que «o automobilismo cresceu imenso» e, em 2022, «vamos investir na captação de jovens, até aos 23 anos no Campeonato de Portugal de Ralis: cinco carros serão entregues às principais equipas nacionais para um calendário de igual número de provas de asfalto, cujos custos de cada viatura e dos respectivos pneus será da responsabilidade da estrutura federativa».

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Ni Amorim

A Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) está a assinalar um quarto de século, «efeméride que, a todos nós, amantes do desporto automóvel, deve encher de orgulho e de satisfação». «Um aniversário só agora festejado por motivos que têm a ver com a situação pandémica vivida em 2020, a qual condicionou fortemente tanto as nossas vidas como a actividade de empresas e de organismos», referiu Ni Amorim, presidente da estrutura federativa no decorrer da Gala dos Campeões, que decorreu no Casino Estoril e que juntou cerca de 500 pessoas, e no qual foram entregues, também, os troféus de campeões relativos à época de 2021.

«Ao longo destes 25 anos de história, a FPAK assinala uma trajectória com registo ascendente, evoluindo de forma sustentada até aos dias de hoje. Em 1995, com 47 clubes filiados e 3.945 licenciados, a entidade federativa apresentava no seu calendário um total de 149 provas. Em 2019, o número de associados subira de 47 para 108, o de licenciados de 3.945 para 7.992 e o total de provas realizadas de 149 para 292. No auge da pandemia, em 2020, foram realizadas apenas 109 provas e o número de licenciados não foi além dos 5.903», destacou o timoneiro da FPAK.

Ni Amorim

AGRADECIMENTO ESPECIAL

AOS COLABORADORES QUE PASSARAM PELA FPAK

De acordo com Ni Amorim, «foram tempos complicados os vividos entre 2019 e 2020, que ainda tiveram alguns reflexos na época passada, mas uma gestão rigorosa e projectada para o futuro permite-nos, atualmente, apresentar indicadores operacionais nunca antes vistos no historial da FPAK».

O presidente da Direcção da estrutura federativa sublinhou que «os investimentos previstos para 2020 que tinham sido adiados por força da pandemia, designadamente no apoio aos jovens pilotos, vão ser concretizados esta época e em moldes inéditos». «Na área do karting, por exemplo, se na categoria de captação a FPAK suportava 40 por cento do orçamento de cada piloto, em 2022 na categoria iniciação das competições da Região Autónoma da Madeira passará a oferecer-lhes os pneus para uma época completa», acrescentou.

Ni Amorim

As novidades não se ficam por aqui, uma vez que Ni Amorim sustentou que «o lançamento do FPAK Júnior Team, para pilotos com idade até 23 anos, no Campeonato de Portugal de Ralis, com cinco carros entregues às principais equipas portuguesas para um calendário de igual número de provas de asfalto, cujos custos de cada viatura e dos respectivos pneus será da responsabilidade da FPAK, é outro grande investimento».

Relativamente ao passado e ao presente, o presidente federativo afirmou que «é tempo de agradecer, sem excepção, a todos quantos, enquanto colaboradores, passaram pela FPAK e deram-lhe o seu contributo, mas seria injusto não mencionar os “5 magníficos” que há 25 anos vestem a sua “camisola”: Nair Vitória, Fátima Dinis, Margarida Silva, Carla Varandas e Nuno Vilarinho».

Ni Amorim ladeado por Sónia Araújo e Pedro Gil de Vasconcelos, apresentadores da Gala dos Campeões

PORTUGAL NOS GRANDES EVENTOS INTERNACIONAIS

«Nesta caminhada de 25 anos da FPAK, «é também relevante o aumento paulatino do número de provas internacionais que alcançou uma cifra recorde, fruto de circunstâncias várias, sorte em alguns casos, mas também mérito de quem lutou por esses objectivos, em 2020 e 2021. Nesse contexto, lembro o regresso da Fórmula 1 a Portugal, em dois anos consecutivos, com palco no Autódromo Internacional do Algarve, região que recebeu ainda o Campeonato do Mundo de Karting e ainda uma jornada do prestigiado campeonato WEC, o Campeonato Mundial de Endurance», recordou Ni Amorim perante uma plateia entusiasmada.

Para Ni Amorim, «o nosso país continua a ser um ponto de referência no âmbito do desporto automóvel internacional, em cujo calendário o Vodafone Rally de Portugal mantém, orgulhosamente, uma posição de destaque entre os melhores do mundo».

Ni Amorim

«E nos últimos anos passamos a ter uma segunda prova do FIA ERC (European Rally Championship) e em 2021, para além do regresso a Montalegre do Mundial de Ralicross, Braga recebeu, na Rampa da Falperra, o Masters de Montanha FIA, enquanto a prova do Europeu de Montanha teve como palco a Rampa de Boticas», vincou o presidente da FPAK.

Depois de dar os parabéns aos organizadores de provas internacionais, pelo seu empenho e determinação para prestigiar o país e o nosso desporto automóvel, Ni Amorim afirmou estar «na hora em que nos rejubilamos pelos 25 anos da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, há um sentimento de gratidão para quem, nesta caminhada de altos e baixos, esteve sempre com o desporto automóvel, como o Instituto Português do Desporto e Juventude».

«Nesta ocasião tão especial, a FPAK não poderia deixar de fazer uma menção especial, em jeito de agradecimento também, à Câmara Municipal de Cascais, pelo apoio aos eventos naquela que durante muitos anos foi a única pista permanente portuguesa: o Autódromo Fernanda Pires da Silva» sublinhou.

NI AMORIM DESTACOU O INESTIMÁVEL CONTRIBUTO DAS AUTARQUIAS

Nestes 25 anos de desporto automóvel, Ni Amorim disse ser «justo reconhecer, de Norte a Sul do país, com extensão às Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, o inestimável contributo das autarquias», pois sem os patrocínios do poder autárquico, «este nosso desporto não teria alcançado a projecção e a dinâmica registada neste quarto de século».

E porque 25 anos apenas se comemoram uma vez, «a Direcção da FPAK a que tenho a honra de presidir, entendeu que é tão justo quanto oportuno, nesta efeméride, homenagear algumas personalidades», entre os quais António Vasconcelos Tavares, que foi o primeiro presidente da FPAK, Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Club de Portugal, primeiro sócio da FPAK, o piloto Pedro Lamy, o director de corridas Eduardo Freitas e o jornal Autosport receberam um troféu alusivo aos 25 anos da FPAK.

«O professor Vasconcelos Tavares foi o primeiro presidente da Federação. Já a escolha de Carlos Barbosa foi por todo o trabalho desenvolvido, como a realização do Rali de Portugal, e por ser presidente do ACP, primeiro associado da FPAK. Também considerámos que o Pedro Lamy foi o melhor piloto destes 25 anos. O Eduardo Freitas por todo o trabalho desenvolvido em prol do automobilismo e o Autosport por ser o único jornal que se manteve a falar só de automobilismo», justificou Ni Amorim, presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.