Mora, Teixeira e Santos: um trio de campeões

A edição de 2019 do TCR Ibérico consagrou três pilotos que têm o mérito de nunca deitar a toalha ao chão, mesmo em situações muita das vezes complicadas de digerir, como foi o caso deste compromisso algarvio em que apenas estiveram quatro voltas em pista.

(auto.look2010@gmail.com)

Com uma corria bastante acidentada, que teve a duração de apenas quatro voltas, terminou este domingo, no circuito de Portimão, a edição 2019 do TCR Ibérico que consagrou Francisco Mora (Veloso Motorsport/CUPRA), a nível absoluto, e Daniel Teixeira e Joaquim Santos (Bompiso Racing Team/Seat Leon), na classe DSG, como vencedores.

Se a questão do título absoluto, entre Mora e Vaks, parecia ter ficado decidida de forma prematura, quando o jovem estónio foi forçado a desistir, ao levar um “toque” de um adversário que deixou o Honda Civic impossibilitado de prosseguir, a interrupção da corrida com bandeira vermelha ao fim de quatro voltas baralhou a situação. Fora de prova, ao ser abalroado por um adversário ainda na formação da pré-grelha, já estava Gustavo Moura, devido aos danos sofridos na suspensão do Audi S3 LMS.

A entrada do “safety car” em pista na segunda volta foi necessária quando o Seat Leon de Joaquim Santos teve um princípio de incêndio, na sequência de um toque com o CUPRA de Manuel Sousa.

Lá na frente, Mora estava no primeiro lugar, pressionado por Mattias Vahtel (Honda Civic) e depois da interrupção da corrida, apenas com um tempo total de apenas 9m42s dos 20 minutos previstos, a mesma não foi retomada dada a impossibilidade de fazer cumprir o restante horário do European Le Mans Series (ELMS).

Apesar das dúvidas que então prevaleceram, os comissários desportivos decidiram, mais tarde, homologar a classificação. No último lugar do pódio terminou o russo Evgeniy Leonov (CUPRA) que deu mostras de uma boa evolução e no final apenas lamentava a curta duração da corrida…

«Creio que seria uma injustiça eu não ser o campeão, pois fui quem ganhou o maior número de corridas. Ontem tive azar, mas nesta segunda corrida bastava-me controlar o Vaks. Não ia ser fácil nesta pista aguentar o Honda Civic do Vahtel. Estou feliz com o título de campeão, que era o meu principal objectivo», declarou Francisco Mora.

O título da classe DSG foi conquistado por Daniel Teixeira e Joaquim Santos, embora este último, com a missão de fazer a segunda corrida aos comandos do Seat Leon, não tivesse a sorte pelo seu lado, como já foi referido.

A edição 2020 do TCR Ibérico já se encontra em marcha, em termos de planeamento, tudo se conjugando para que surjam várias novidades, quer a nível de calendário quer de equipas participantes.

CLASSIFICAÇÕES TCR IBÉRICO

Pilotos – 1º Francisco Mora, 112 pontos; 2.º Robin Vaks, 103; 3.º Mattias Vahtel, 90; 4.º Gustavo Moura, 53; 5º.s Daniel Teixeira e Joaquim Santos, 51.

DSG – 1.ºs Daniel Teixeira e Joaquim Santos, 118 pontos; 2.º Gabriela Correia, 40.

Equipas – 1.º ALM Honda Racing, 193 pontos; 2.º Veloso Motorsport, 152; 3.º Bompiso Racing Team, 51.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação