Miguel Oliveira: “Tive de tomar analgésicos”

O piloto português fez o nono melhor tempo do dia, garantindo um lugar na terceira linha da grelha de partida, a 0,856 segundos do mais rápido, o espanhol Jorge Martin (Ducati), que estabeleceu um novo recorde no traçado de Red Bull Ring.

(auto.look2010@gmail.com)

Miguel Oliveira (KTM) admitiu ter tido uma «qualificação difícil» para o Grande Prémio da Áustria de MotoGP, 11.ª prova da temporada, que se disputa este domingo em Spielberg. O piloto português fez o nono melhor tempo do dia, garantindo um lugar na terceira linha da grelha de partida, a 0,856 segundos do mais rápido, o espanhol Jorge Martin (Ducati), que estabeleceu um novo recorde no traçado de Red Bull Ring, com o tempo de 1m22,643s.

«Foi uma qualificação difícil. Na Q2 (segunda fase da qualificação) não consegui tirar o melhor partido dos pneus», explicou o piloto de Almada, que teve de passar pela primeira fase da qualificação, a Q1, onde até fez melhor tempo do que na Q2, e admitiu ter sentido algumas limitações pelas dores na mão direita devido à queda sofrida há uma semana, nos treinos livres do GP da Estíria.

«A minha mão piorou de ontem (sexta-feira) para este sábado e tive de tomar analgésicos. Espero que em Silverstone (GP da Grã Bretanha) o problema já esteja definitivamente resolvido», disse o piloto luso.

Ainda assim, Miguel Oliveira explicou que as dificuldades sentidas este sábado «não foram pela mão». «Estamos num circuito em que se trava muito e acelera muito. Temos de fazer isso num espaço de tempo mais curto do que fazemos actualmente», frisou.

Miguel Oliveira disse ainda que no traçado de Spielberg a técnica «na escolha de trajectórias não faz tanta diferença como noutros circuitos», pelo que é a correcta afinação da moto que ajuda a baixar os tempos.

«Nesta categoria estão todos muito próximos», anotou, considerando que a corrida «será desafiante e difícil». «O ritmo de corrida não é dos melhores, mas acreditamos que dará para um lugar no top-10», concluiu Miguel Oliveira. O piloto português chega a esta 11.ª prova da temporada na sétima posição, com 85 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *