Miguel Oliveira faz “barba, cabelo e unhas”

Almadense da equipa Tech3, que partiu da primeira posição para a última corrida da temporada de MotoGP, fruto da primeira “pole position” da carreira e da história do motociclismo português, nunca teve ninguém à sua frente…

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Vitória incontestável de Miguel Oliveira (KTM), no Grande Prémio MEO de Portugal, depois de uma demonstração de superioridade ao longo do fim-de-semana, traduzida na “pole position”, comando da corrida da primeira à última volta, volta mais rápida e vitória, a segunda da temporada. Uma demonstração de elevada qualidade que permite ao jovem português natural de Almada a caminho da equipa oficial da marca austríaca. Miguel Oliveira somou, esta temporada, mais triunfos que o campeão do mundo, o espanhol Joan Mir (Suzuki), vencedor de uma única corrida.

Com um arranque canhão e com algumas das voltas iniciais feitas no segundo “39”, enquanto a concorrência não conseguia baixar do segundo “40”, Miguel Oliveira cedo garantiu uma vantagem, que ninguém, com o australiano Jack Miller (Ducati) e o italiano Franco Morbidelli (Yamaha), que lutaram ao longo de toda a corrida pelo segundo lugar, a ocuparam o pódio, depois do australino ascender á segunda posição a duas voltas do fim, o que permitiu à Ducati conquistar o título de marcas, algo que não sucedia desde 2007.

E no final reconhecendo a superioridade por português, Jack Miller reconhecia que Miguel Oliveira tinha estado «noutro nível» e Franco Morbidelli confessava que era «intocável». Como curiosidade refira-se que os três primeiros pertencem a equipas satélites que pareceram ter-se adaptado melhor ao “sobe e desce” da “Montanha Russa” algarvia.

Para Miguel Oliveira «foi um fim-de-semana perfeito, que exige um agradecimento a todos os que o tornaram possível, pois sei que, mesmo tendo ficado em casa, me deram muita força. A época foi uma montanha russa de emoções, mas foi um ano fantástico e deixo a Tech3 muito orgulhoso e como foi a última corrida do Guy Collon, como chefe de mecânicos, quero enviar-lhe um forte abraço pela importância que teve nos meus êxitos e sei que com a equipa oficial eles vão continuar»

Com o título decidido estavam em causa as restantes posições do pódio final, com Franco Morbidelli a garantir sagrar-se vice-campeão e a deixar para o espanhol Alex Rins (Suzuki), que foi 15.º, a completar o pódio final.

Após cerrado duelo com o italiano Luca Marini (Kalex), que tinha hipóteses de conquistar o título, o australiano Ramy Gardner (Kalex) venceu a derradeira corrida de Moto2, com o inglês Sam Lowes (Kalex), outro candidato ao ceptro, a completar o pódio, com o italiano e o inglês a terminarem o campeonato nas posições que ocuparam na corrida.

Só que o italiano Enea Bastianini (Kalex), que chegou a Portimão no comando do campeonato, fez uma corrida de gestão e ao terminar em quinto, atrás do seu compatriota Marco Bezzecchi (Kalex), que fechava o lote de potenciais campeões, assegurou que o primeiro lugar não lhe escapava.

O espanhol Raul Fernandez (KTM), que largou da “pole”, garantiu a vitória na corrida de Moto3, depois de a ter comandado de fio a pavio, indiferente ao que sucedia atrás de si, e alcançou a segunda vitória do ano, 15 dias depois de ter triunfado na primeira corrida em Valência, enquanto o seu compatriota Albert Arenas (KTM) assegurava a conquista do título, apesar de não ter ido além do 12.º lugar.

Na fase inicial da corrida, Albert Arenas esteve na luta pelas primeiras posições, entre os perseguidores de Raul Fernandez, mas, à medida que o japonês Ai Ogura (Honda) ia andando “para trás”, o espanhol entrou em modo de gestão para garantir a vitória no campeonato, apesar de, ainda, ter apanhado alguns “sustos”.

Fantástica corrida do italiano Tony Arbolino (Honda), que largou de 27.º e terminou em quinto, o que conjugado com o oitavo lugar de Ai Ogura, permitiu sagrar-se vice-campeão, em igualdade pontual com o piloto nipónico, por ter a seu favor o facto de ter ganho uma corrida, a da semana passada em Valência, contra nenhum triunfo o seu opositor.

Classificações

MotoGP – 1.º Miguel Oliveira (KTM), 25 voltas (114,800 km), em 41’48,163” (164,7 km/h); 2.º, Jack Miller (Ducati), a 3,193”; 3.º, Franco Morbidelli (Yamaha), a 3,298”; 4.º, Pol Espargaro (KTM), a 12,626”; 5.º, Takaaki Nakagami (Honda), a 13,318”; 6.º, Andrea Dovizioso (Ducati), a 15,578”; 7.º, Stefan Bradl (Honda), a 15,738”; 8.º, Aleix Espargaro (Aprilia), a 18,325”; 9.º, Alex Marquez (Honda), a 18,325”; 10.º, Johann Zarco (Ducati), a 18,596”. Classificaram-se mais oito pilotos

Moto2 – 1.º, Remy Gardner (Kalex), 23 voltas (105,616 km), em 39’35,476” (160,0 km/h); 2.º, Luca Marini (Kalex), a 1,609”; 3.º, Sam Lowes (Kalex), a 3,813”; 4.º, Marco Bezzecchi (Kalex), a 8,437”; 5.º, Enea Bastianini (Kalex), a 8,646”; 6.º, Jorge Martin (Kalex), a 8,889”; 7.º, Joe Roberts (Kalex), a 8,956”; 8.º, Augusto Fernandez (Kalex), a 9,568”; 9.º, Lorenzo Baldassarri (Kalex), a 10,367”; 10.º, Xavi Vierge (Kalex), a 11,084”. Classificaram-se mais 11 pilotos

Moto3 – 1.º, Raul Fernandez (KTM), 21 voltas (96,432 km), em 38’06,272” (151,8 km/h); 2.º, Dennis Foggia (Honda), a 5,810”; 3.º, Jeremy Alcoba (Honda), a 5 866”; 4.º, Sérgio Garcia (Honda), a 6,447”; 5.º, Tony Arbolino (Honda), a 12,998”; 6.º, Darryn Binder (KTM), a 13,065”; 7.º, Celestino Vietti (KTM), a 13,907”; 8.º, Ai Ogura (Honda), a 13,929”; 9.º, John McPhee (Honda), a 13,945”; 10.º, Deniz Oncu (KTM), a 14,438”. Classificaram-se mais 18 pilotos

Classificações finais dos “Mundiais”

PILOTOS

MotoGP – 1.º, Joan Mir, 171 pontos; 2.º, Franco Morbidelli, 158; 3.º, Alex Rins, 139; 4.º, Andrea Dovisioso, 135; 5.º, Pol Espargaro, 135; 6.º, Maverick Viñales, 132; 7.º, Jack Miller, 132; 8.º, Fábio Quartararo, 127; 9.º, Miguel Oliveira, 125; 10.º, Takaaki Nakagami, 116; 11.º, Bran Binder, 87; 12.º, Danilo Petrucci, 78; 13.º, Johann Zarco, 77; 14.º, Alex Marquez, 74; 15.º, Valentino Rossi, 66; 16.º, Francesco Bagnaia, 47; 17.º, Aleix Espargaro, 42; 18.º, Cal Crutchlow, 32; 19.º, Stefan Bradl, 27; 20.º, Iker Lecuona, 27; 21.º, Bradley Smith, 12; 22.º, Tito Rabat, 10; 23.º, Michele Pirro, 4

Moto2 – 1.º, Enea Bastianini, 205 pontos; 2.º, Luca Marini, 196; 3.º, Sam Lowes, 196; 4.º, Mauro Bezzecchi, 184; 5.º, Jorge Martin, 160; 6.º, Remy Gardner, 135; 7.º, Joe Roberts, 94; 8.º, Tetsuta Nagashima, 91; 9.º, Marcel Schrotter, 81; 10.º, Xavi Vierge, 79; 11.º, Thomas Luthi, 72; 12.º Lorenzo Baldassari, 71; 13.º, Augusto Fernandez, 71; 14.º, Aron Canet, 64; 15.º, Fábio Di Giannantonio, 65; 16.º, Hector Garzo, 63; 17.º, Jorge Navarro, 58; 18.º, Jake Dixon, 44; 19.º, Marcos Ramirez, 37; 20.º, Nicolò Bulega, 32; 21.º, Hafizh Syahrin, 21; 22.º, Stefano Manzi, 21;23.º, Bo Bendsneyder, 18; 24.º, Simone Corsi, 15; 25.º, Somkiat Chantra, 10; 26.º, Edgar Pons, 5; 27.º Lorenzo Dalla Porta, 5; 28.º Dominique Aegerter, 4.

Moto3 – 1.º, Albert Arenas, 174 pontos; 2.º, Tony Arbolino, 170; 3.º, Ai Ogura, 170; 4.º, Raul Fernandez, 159; 5.º, Celestino Vietti, 146; 6.º, Jaume Masia, 140; 7.º, John McPhee, 131; 8.º, Darryn Binder, 122; 9.º, Sérgio Garcia, 90; 10.º, Dennis Foggia, 89; 11.º, Jeremy Alcoba, 87; 12.º, Tatsuki Suzuki, 83; 13.º, Gabriel Rodrigo, 80; 14.º, Romano Fenati, 77; 15.º, Andrea Migno, 60; 16.º, Ayumu Sasaki, 52; 17.º, Deniz Oncu, 50; 18.º, Kaito Toba, 41; 19.º, Niccolò Antonelli, 40; 20.º, Stefano Nepa, 38; 21.º, Filip Salac, 30; 22.º, Carlos Tatay, 26; 23.º, Alonso Lopez, 21; 24.º, Ryusei Yamanaka, 14; 25.º, Riccardo Rossi, 10

MARCAS

Moto GP – 1.º, Ducati, 221 pomtos; 2.º, Yamaha, 204; 3.º, Suzuki, 202; 4.º, KTM, 200; 5º, Honda, 144; 6.º, Aprilia, 51.

Moto2 – 1.º Kalex, 375 pontos; 2.º, Speed Up, 118; 3.º, MV Agusta, 32; 4.º, NTS, 22.

Moto3 – 1.º, Honda, 326 pontos; 2.º, KTM, 318; 3.º, Husqvarna, 86.

EQUIPAS

MotoGP – 1.º, Team Suzuki Ecstar, 319 pontos; 2.º Petronas Yamaha SRT, 248; 3.º, Red Bull KTM Factory Racing, 222; 4.º, Ducati Team, 213; 5.º, Pramac Racing, 183; 6.º, Monster Energy Yamaha MotoGP, 178; 7.º, Red Bull KTM Tech3, 152; 8.º LCR Honda, 148; 9.º, Repsol Honda Team, 101; 10.º, Esponsorama Racing, 87; 11.º, Aprilia Racing Team Gresini, 54.

Moto2 – 1.º, Sky Racing Team VR46, 380 pontos; 2.º, EG 0,0 Marc VDS, 267; 3.º, Red Bull KTM Ajo, 251; 4.º, Italtrans Racing Team, 210; 5.º Liqui Moly Intact GP, 153; 6.º, Onexox TKKR SAG Team, 135; 7.º, Flexbox HP 81, 134; 8.º, Tennor American Racing, 131; 9.º, Beta Tools Speed Up, 123; 10.º, Petronas Sprinta Racing, 123; 11.º, Pull & Bear Aspar Team Moto2, 88; 12.º, Federal Oil Gresini Moto2, 37; 13.º, MV Agusta Forword Racing, 36; 14.º, NTS RW Racing GP, 22; 15.º, Idemitsu Honda Team Asia, 10.

Moto3 – 1.º, Leopard Racing, 229 pontos; 2.º, Gaviota Aspar Team Moto3, 212; 3.º, Sky Racing Team VR46, 206; 4.º, Red Bull KTM Ajo, 200; 5.º, Rivacold Snipers Team, 200; 6.º, Honda Team Ásia, 170; 7.º, Kommerling Gresini Moto3, 167; 8.º, Petronas Sprinta Racing, 131; 9.º, SIC58 Squadra Corse, 123; 10.º, CIP Green Power, 122; 11.º, Estrella Galicia 0,0, 104; 12.º, Red Bull KTM Tech 3, 102; 13.º, Sterilgarda Max Racing Team, 98; 14.º Reale Avintia Moto3, 26; 15.º, Boe Skull Rider Facile Energy, 10.

One thought on “Miguel Oliveira faz “barba, cabelo e unhas”

  • 24 Novembro, 2020 at 12:53
    Permalink

    Amei seu blog 🙂
    Bom…
    Queria saber se você toparia fazer um publi post no seu
    blog. Caso você tenha interesse em saber mais. Me chama
    no whats: 83 9 9998 0820. Aguardo seu retorno 🙂

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: