Miguel Barbosa com arranque atribulado no Dakar

Piloto do BP Ultimate Vodafone Team furou e ficou sem tracção na Toyota Hilux T1 inserido na estrutura da Overdrive.

(auto.look2010@gmail.com)

O regresso ao Dakar do oito vezes campeão de Portugal de Todo-o-terreno não começou da melhor forma. O piloto de Lisboa, apoiado pelo Automóvel Club de Portugal (ACP) que faz equipa com Pedro Velosa, teve um prólogo bastante atribulado na etapa que ligou Jeddah a Ha’il.

«Foi um dia péssimo. Tivemos problemas de transmissão e ainda não sabemos se também de diferencial ou mais alguma coisa. O certo é que ficamos sem tracção. Também tivemos um furo logo ao quilómetro sete. Sem tracção acabámos por nos enterrar a meio da especial e demorámos muito tempo a conseguir sair. Foi muito difícil», explicou Miguel Barbosa.

O piloto BP Ultimate Vodafone Team que disputa o Dakar os comandos de uma Toyota Hilux T1 e inserido na estrutura a Overdrive, realçou ainda «o bom trabalho do Pedro, tanto a nível de mecânica como a desenterrar o carro».

«Na ligação paramos para tirar uma transmissão e de seguida fizemos 600 quilómetros. Tudo isto vai comprometer os próximos dias. Vamos partir de trás e ser forçados a fazer muitas ultrapassagens», sublinhou Miguel Barbosa.

Amanhã os concorrentes terão pela frente uma especial de 334 km e mais 212 km de ligação nas paisagens montanhosas do norte da Arábia Saudita que fazem parte dos contrastes de percurso que do Dakar apresenta.

A areia já faz parte do “menu” e por enquanto apresenta-se em forma de trilhos numa etapa que será um quebra-cabeças no que à navegação diz respeito. Segundo a organização, o foco estará nos co-pilotos e quem tentar optar por um atalho será penalizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *