Mercedes AMG GT Black Series “aterrou” na C. Santos

Na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. Na Sociedade Comercial C. Santos, nunca se perder o norte e nem se arruína as oportunidades. Tudo na vida tem um preço e, um cliente daquelas paragens, entendeu adquirir um AMG-GT Black Series Edition One no valor de 410 mil euros…

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt

Não é um “avião” mas “aterrou” num espaço circundante ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, na Maia. Também não se tratou de uma “aterragem” de emergência mas, comodamente, “estacionou”, com pompa e circunstância, nas magníficas instalações da Sociedade Comercial C. Santos aquele que é o primeiro Mercedes AMG-GT Black Series Edition One a fazer furor no nosso país.

Esta unidade é a única a vir para Portugal com o pack Edition ONE, exclusivamente disponível para clientes Project One. Além desta, virão mais cinco viaturas AMG GT Black Series (normais) para Portugal, uma das quais será para um cliente da Sociedade Comercial C. Santos.

O AMG-GT Black Series Edition One é uma das 275 viaturas criadas em exclusivo para os clientes da Mercedes valorizado em 410 ml euros, a que se adiciona mais 50 mil euros em opcionais que fundamentam a sua denominação e exclusividade, incluindo a pintura que emula a dos Mercedes-Petronas da Fórmula 1. Uma estrela que resplendece ainda mais na já existente e fulgurante frente do super-desportivo da marca alemã.

No Black Series está acoplado o mais potente motor AMG V8 produzido em série até à data, debitando 730 cavalos de potência às 6700/6900 rpm e produz um binário máximo de 800 Nm às 2000/6000 rpm, combinados com uma aerodinâmica activa e um design que tem origem directa do actual modelo de competição AMG GT3.

Esta motorização aprova uma cambota “plana”, aparentando ser um bloco de quatro cilindros em linha – excepto nos apoios das bielas na cambota mais largos, que cada um apoia duas bielas no motor V8. A ignição no motor V8 de planos paralelos passa de um bloco de cilindros para o outro, o que permite melhorar ainda mais o ciclo termodinâmico.

Os turbocompressores receberam rotores compressores de maiores dimensões em relação ao AMG GT Coupé de quatro portas, que podem fornecer um total de 1.100 quilos de ar por hora. O Black Series acelera dos 0 aos 100 em 3,2 segundos e até aos 200 km/h em menos de 9 segundos. A velocidade máxima é de 325 km/h, embora só possa ser testada em circuitos fechados.

Para o novo Mercedes-AMG GT Black Series (consumo de combustível em ciclo combinado: 12.8 l/100 km, emissões de CO2 em ciclo combinado: 292 g/km), Affalterbach apostou fortemente na arte de projectar um veículo. O novo modelo super-desportivo incorpora perfeitamente a longa tradição da marca no desporto automóvel, bem como os seus muitos anos de experiência no desenvolvimento de veículos completos que impressionam em todos os níveis.

No interior, destacam-se os estofos exclusivos em pele sintética/microfibra Dinamica preta com costura em verde-turquesa, o volante AMG Performance em microfibra Dinamica preta com costuras verde turquesa, o botão para o controlo de tração AMG em verde turquesa e um distintivo com a inscrição “Exclusive for AMG One Team”.

Quanto ao exterior, sobressai o conceito de pintura STAR: Mercedes-AMG Petronas Motorsport Star Pattern em prata e preto obsidiana ou, em alternativa, preto obsidiana puro. Os Black Series distinguem-se, ainda, pelas listas folheadas em verde turquesa fosco nas embaladeiras laterais, jantes forjadas de performance AMG de 19 e 20 polegadas em design de 10 raios, pintadas em preto fosco com aro em verde turquesa. À vista, a capa de protecção com a inscrição “Exclusive For AMG ONE Team”.

“GANHAR PÓ” NÃO FAZ

PARTE DO ADN NA AMG

Na Mercedes-AMG, desde 2006 que o Black Series tem sido sinónimo de um tipo de modelo muito especial: desportivo intransigente, com um design expressivo e a transferência da mais comprovada tecnologia do desporto automóvel para a produção em série. Os modelos Black Series são automóveis exclusivos extremamente raros.

Não foram desenvolvidos para “ganhar pó” nas garagens dos coleccionadores, mas sim para serem utilizados a alta velocidade nos circuitos fechados, apesar de estarem homologados para circularem na via pública. O AMG GT Black Series representa um novo destaque nesta tradição: é o mais potente Mercedes-AMG com um motor V8 produzido em série.

Para realçar a redefinição de modelo super-desportivo, os projectistas de motores em Affalterbach desenvolveram uma vez mais o testado e comprovado bloco de 4.0 litros biturbo – apesar de já ser reconhecido pelas suas excelentes prestações, entrega de potência e progressão de binário.

DIFERENTES ARQUITECTURAS

DOS POTENTES MOTORES V8

A arquitectura de um motor V8 oferece aos projectistas uma ampla margem de manobra relativamente a um elemento fundamental: a disposição da cambota, o que influencia as características do motor. Normalmente existem duas versões de motores V8, os de cambota cruzada e que a AMG utilizou em todos os anteriores motores V8, ou os de cambota plana, mais usados em competição.

Se observarmos de um ponto de vista paralelo uma cabota de plano cruzado, poderá identificar a cruz que dá origem ao nome deste conceito. Os benefícios destas cambotas são a soberba suavidade de funcionamento e o elevado binário a baixas rotações. O som característico é outro elemento marcante do motor V8 de planos cruzados. Para utilizar de forma ideal a cilindrada e, portanto, o potencial de desempenho no caso do motor de 4.0 litros V8 biturbo, os engenheiros da AMG deslocaram essencialmente o lado do escape para o “V interior quente” dos dois blocos de cilindros no motor V8.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *