Max Verstappen vence por eliminação

Holandês da Red Bull/Honda venceu o Grande Prémio da Alemanha marcado pela chuva, que afastou dos pontos os dois Mercedes pela primeira vez em mais de um ano no Mundial de Fórmula 1.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

As constantes alterações das condições de aderência do asfalto, como consequência da chuva que caiu antes da partida, parou, voltou a aparecer no primeiro terço da corrida e desapareceu, condicionaram o desempenho dos pilotos, muitos deles a cometerem erros, e da estratégias das equipas que tiveram dificuldades em encontrar as melhores opções.

Dos homens da frente só o holandês Max Verstappen (Red Bull/Honda), que acabou por vencer, naquela que é a primeira vitória da Red Bull na Alemanha, e o alemão Sebastian Vettel (Ferrari), que terminou em segundo, depois de ter largado de 20.º, não falharam, ao contrário do que sucedeu com aqueles que costumam ser os seus principais opositores, com o russo Daniil Kvyat (Toro Rosso/Honda) a aproveitar, o elevado número de abandonos, para terminar no pódio.

De assinalar que a Honda volta a colocar dois carros de equipas diferentes no pódio, o que não acontecia desde 1987, em Monza, quando Nelson Piquet (Williams/Honda) e Ayrton Senna (Lotus/Honda) foram os dois primeiros.

A chuva que antecedeu a partida, levou a que a mesma tivesse lugar atrás do “Safety Car” que, ao fim de três voltas, saiu da pista e permitiu que houvesse uma largada tradicional, com os pilotos do lado esquerdo da grelha a largarem melhor que os do lado direito, onde a quantidade de água era maior, com os dois Mercedes a saltarem para o comando, à frente do finlandês Kimi Raikkonen (Alfa Romeo/Ferrari), que de imediato ascendeu ao terceiro lugar, superando os dois Red Bull.

Logo na segunda volta, o mexicano Sergio Perez (Racing Point/Mercedes) foi o primeiro a ser surpreendido pelas condições de aderência do asfalto, em particular na primeira e na última curvas, que foram o “cemitério” de muitas esperanças, o que levou à primeira entrada do “Safety Car” e à ida às “boxes”, de alguns pilotos para trocarem os pneus de chuva pelos intermédios.

Na frente os homens da Mercedes controlavam a corrida, com a chuva a reaparecer, ainda que sem grande intensidade, para voltar a parar, até que, à 30.ª volta, o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) parou para trocar de pneus a troca não correu bem e perdeu o comando para o holandês, numa altura em que o monegasco Charles Leclerc (Ferrari) já tinha batido, três voltas, quando era segundo e tentava aproximar-se do campeão do mundo, para pouco depois, quando já tinha regressado ao comando, Lewis Hamilton sair na mesma curva do monegasco (a última), danificar a asa dianteira, a entrar na “box” de forma irregular, o que lhe custou uma penalização de cinco segundos, e a cair para o fundo do pelotão.

E para desespero dos homens da Mercedes, que festejavam os 200 Grandes Prémios como equipa e os 125 anos de envolvimento no desporto automóvel, o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) saiu da pista (na primeira curva), quando era quarto e procurava chegar ao pódio, fazendo com que o GP caseiro seja o pior da marca alemã esta temporada.

A 17 voltas do fim, Sebastian Vettel parou para mais uma troca de pneus, caiu para nono, mas com uma cavalgada impressionante foi ganhando posições para chegar ao segundo lugar, algo que à partida parecia pouco provável que sucedesse.

O canadiano Lance Stroll (Racing Point/Mercedes) chegou a passar, de forma meteórica pelo comando, mas acabaria em quarto, à frente do espanhol Carlos Sainz (McLaren/Renault), uma vez mais o melhor entre os que utilizam motores franceses, com o tailandês Alexander Albon (Toro Rosso/Honda) a completar o bom resultado da equipa de Faenza, à frente dos Alfa Romeo/Ferrari, do finlandês Kimi Raikkonen e do italiano Antonio Giovinazzi, e dos Haas/Ferrari, do francês Romain Grosjean e do dinamarquês Kevin Magnussen que, mais uma vez, não evitaram um “toque”, na fase final da corrida, mas sem consequências.

FICHA DA PROVA

Grande Prémio – Alemanha

Circuito – Hockenheim

Extensão – 292,736 km = 64 x 4,574 km

“Pole position” – Lewis Hamilton (Mercedes), 1 volta (4,574 km), em 1’11,767” (229,442 km/h)

Grelha de partida1.ª linha: Lewis Hamilton (Mercedes W10/Mercedes), 1’11,767”; Max Verstappen (Red Bull/Honda), 1’12,113”; 2.ª linha: Valtteri Bottas (Mercedes W10/Mercedes), 1’12,129”; Pierre Gasly (Red Bujll/Honda), 1’12,522”; 3.ª linha: Kimi Raikkonen (Alfa Romeo C38/Ferrari), 1’12,538”; Romain Grosjean (Haas VF-19/Ferrari), 1’12,851”; 4.ª linha: Carlos Sainz (McLaren MCL34/Renault), 1’12,897”; Sergio Perez (Racing Point RP19/Mercedes), 1’13,065”; 5.ª linha: Nico Hulkenberg (Renault RS19/Renault), 1’13,126”; Charles Leclerc (Ferrari SF90/Ferrari), sem tempo; 6.ª linha: Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo C38/Ferrari), 1’12,786”; Kevin Magnussen (Haas VF-19/Ferrari), 1’12,789”; 7.ª linha: Daniel Riccardo (Renault RS19/Renault), 1’12,799”; Daniil Kvyat (Toro Rosso STR14/Honda), 1’13,135”; 8.ª linha: Lance Stroll (Racing Point PR19/Mercedes), 1’13,450”; Alexander Albon (Toro Rosso STR14/Honda), 1’13,461”; 9.ª linha: George Russell (Williams FW42/Mercedes), 1’14,721”; Robert Kubica (Williams FW42/Mercedes), 1’14,839”; 10.ª linha: Lando Norris (McLaren MCL34/Renault), 1’13,333”; Sebastian Vettel (Ferrari SF90/Ferrari), sem tempo

Nota – Lando Norris e Sebastian Vettel foram penalizados por terem trocado elementos do motor

Comandantes sucessivos – Lewis Hamilton, 1.ª à 29.ª volta; Max Verstappen, da 30.ª à 46.ª volta; Lewis Hamilton, na 47.ª volta; Max Verstappen, da 48.ª à 64.ª volta

Volta mais rápida – Max Verstappen (Red Bull RB15/Honda), 1 volta (4,574 km), em 1’16,645” (214,839 km/h)

Vencedor – Max Verstappen (Red Bull RB15/Honda) 64 voltas (292,736 km), em 1.44’31,275” (168,043 km/h)

CLASSIFICAÇÃO

POS.PILOTOCARROTEMPO
1.ºMax VerstappenRed Bull RB15/Honda1.44’31,275″
2.ºSebastian VettelFerrari SF90/Ferraria 7,333″
3.ºDaniil KvyatToro Rosso STR14/Hondaa 8,305″
4.ºLance StrollRacing Point RP19/Mercedesa 8,966″
5.ºCarlos SainzMcLaren MCL34/Renaulta 9,583″
6.ºAlexander AlbonToro Rosso STR14/Hondaa 10,052″
7.ºKimi RaikkonenAlfa Romeo C38/Ferraria 12,241″
8.ºAntonio GiovanniAlfa Romeo C38/Ferraria 13,849″
9.ºRomain GrosjeanHaas VF-19/Ferraria 16,838″
10.ºKevin MagnussenHaas VF-19/Ferraria 18,765″
11.ºLewis HamiltonMercedes W10/Mercedesa 19,667″
12.ºRobert KubicaWilliams FW42/Mercedesa 24,987″
13.ºGeorge RussellWilliams FW42/Mercedesa 26,404″

CLASSIFICAÇÕES DOS “MUNDIAIS”

PILOTOS – 1.º, Lewis Hamilton, 223 pontos; 2.º, Valtteri Bottas, 184; 3.º, Max Verstappen, 162; 4.º, Sebastian Vettel, 141; 5.º, Charles Leclerc, 120; 6.º, Pierre Gasly, 55; 7.º, Carlos Sainz, 48; 8.º, Kimi Raikkonen, 31; 9.º, Daniil Kvyat, 27; 10.º, Lando Norris, 22; 11.º, Daniel Ricciardo, 22; 12.º, Lance Stroll, 18; 13.º, Nico Hulkenberg, 17; 14.º, Kevin Magnussen, 15; 15.º, Alexander Albon, 15; 16.º, Sergio Perez, 13; 17.º, Antonio Giovinazzi, 5; 18.º, Romain Grosjean, 2

CONSTRUTORES – 1.º, Mercedes AMG Petronas Motorsport, 407 pontos; 2.º, Scuderia Ferrari, 261; 3.º, Aston Martin Red Bull Racing, 217; 4.º, McLaren F1 Team, 70; 5.º, Red Bull Toro Rosso Honda, 42; 6.º, Renault F1 Team, 39; 7.º, Alfa Romeo Racing, 36; 7.º, SportPesa Racing Point F1 Team, 31; 9.º, Rich Energy Haas F1 Team, 19

Próxima prova – Rolex Magyar Nagydíj, no Circuito de Hungaroring, dia 4 de Agosto

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação