Martim Marco fez furor no Kartódromo de Baltar

O Troféu Velocidade 2020, promovido pela Federação de Motociclismo de Portugal em parceria com o Motor Clube do Estoril e a Motoval Neumáticos, esteve no traçado do Kartódromo de Baltar, com o jovem piloto de Coimbra a evidenciar estofo de campeão.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: ALEXANDRE JUNYOR

Uma animada jornada foi vivida intensamente entre os pilotos de “palmo e meio” em duas classes do Troféu Velocidade 2020 que, pela primeira vez, assentou arraiais em Baltar, juntamente com as categorias do Campeonato Nacional de Supermoto. Martim Marco foi um piloto que deu nas vistas num fim-de-semana que ficará na memória do jovem piloto apoiado pelo AUTOLOOK.

«A minha participação em Baltar é motivo de regozijo pelos mais diversos motivos. Tratando-se de uma prova de Supermoto e Velocidade 2020 e como não tenho uma moto5 (Mir 250), abordei a Federação de Motociclismo de Portugal (FMP) para não levar objecção que me permitisse participar com a minha MiniGP 110 na classe da Moto5. A FMP emitiu a autorização, mas com a condição de não ficar sujeito a qualquer classificação, ou seja, “isento” de qualquer pontuação, visto não ser a moto adequada à classe, uma vez que a minha moto tem menos de metade da potência das designadas para o efeito», começou por referir o jovem piloto de apenas 10 anos de idade.

«O meu objetivo era treinar, participar e, acima e tudo, divertir-me, mas quanto aos resultados, sempre posso adiantar que obtive nos cronometrados o segundo melhor tempo, a somente 4 milésimas da “pole”. Na primeira manga liderei de bandeira a bandeira e acabei com o melhor registo», confidenciou Martim Marco.

Na segunda manga, e após a saída, «coloquei-me na segunda posição, deixando que o líder assumisse a liderança da corrida, mas sem nunca o deixar “fugir”, mantendo-me sempre na sua roda». Uma estratégia que permitiu ao piloto de Coimbra ganhar, «juntamente com o líder, uma margem bastante grande para os restantes pilotos e onde consegui passar para o comando da corrida para liderar algumas voltas».

«Na derradeira volta, quando estava prestes a dobrar um piloto atrasado, este arredou se para a minha trajectória e, em fracção de segundos, vi-me obrigado a perder a liderança para evitar uma queda, acabando por culminar a minha participação a escassas milésimas de segundo do vencedor», sustentou.

Apesar deste episódio, Martim Marco diz ter «ficado bastante feliz com a segunda posição, pois foi uma corrida muito divertida e imprópria para cardíacos, acompanhado pelo meu colega Pedro Afonso».

A volta mais rápida de corrida também foi “assinada” pelo jovem piloto de Coimbra, com o tempo de 56,813 segundos: «Não trouxe para casa a classificação nem qualquer pontuação, mas “transportei” um primeiro lugar, um segundo, a volta mais rápida da corrida mas, acima de tudo, as amizades que “construí” dentro e fora de pista e uma Moto5 cedida pela Federação Motociclismo de Portugal. Obrigado à estrutura federativa pela oportunidade concedida e a todos os meus patrocinadores», finalizou Martim Marco.

Partilhe

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificação