Loeb e Ogier marcam presença no Quénia

Sébastien Ogier defende triunfo o ano passado no Rally Safari Quénia, numa prova em que defronta o compatriota Sébastien Loeb em solo africano pela primeira vez. Dois “monstros sagrados” do WRC no “inferno” Safari repleto de vida selvagem exótica…

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

Sébastien Ogier (Toyota GR Yaris Rally1)

A exemplo do que sucedeu em Portugal, onde não foram felizes, os franceses Sébastien Loeb (Ford Puma Rally1) e Sébastien Ogier (Toyota GR Yaris Rally1) estão de regresso à estrada e a sua experiência pode ser determinante para a obtenção de um bom resultado.

O facto de abrir a estrada e de ser a segunda vez que está presente na prova podem ser condicionantes para o finlandês Kalle Rovampera (Toyota GR Yaris Rally1) que, com os 55 pontos de vantagem sobre o belga Thierry Neuville (Hyundai i20 N Rally1), pode fazer uma prova cautelosa, não entrando de forma aberta na discussão da vitória, mas podendo colher os efeitos dos estragos que ela possa provocar na concorrência.

Sébastien Loeb (Ford Puma Rally1)

Vencedor na Sardenha, o estónio Ott Tanak (Hyundai i20 N Rally1), que parece ter, finalmente, o carro ao seu gosto, é outro sério candidato ao triunfo, como o é o inglês Elfyn Evans (Toyota GR Yaris Rally1), que tem tido uma temporada longe daquilo que era esperado, para quem era apontado como sério candidato ao título, face à ausência, a tempo inteiro, de Sébastien Ogier.

Ao contrário do que é habitual, a Ford apresenta cinco carros, com Sébastien Loeb e o grego Jourdan Serderidis a reforçarem a equipa da marca da oval, mas só o francês fará jogo igual com a concorrência, como demonstrou em Monte Carlo, onde venceu, e em Portugal, onde desistiu, quando acabava de chegar ao comando.

Kalle Rovampera (Toyota GR Yaris Rally1)

É que se o Puma é um carro que parece bem nascido, as “peças” atrás do volante é que não têm sabido tirar partido do seu potencial, já que para além da vitória de Sébastien Loeb, em Monte Carlo, só o irlandês Craig Breen (Ford Puma Rally1) conseguiu, com o terceiro lugar em Monte Carlo e o segundo na Sardenha, colocar um carro da marca no pódio, nas cinco provas efectuadas.

Contudo a dureza da prova não afasta a possibilidade de haver uma surpresa. A actual regulamentação alterou aquilo que era o “Safari”, uma das provas míticas do “Mundial” de Ralis, cuja dureza era indescritível por os pilotos serem obrigados, no tempo em que não havia provas de classificação, a percorrerem longos das distâncias entre controlos horários a médias muito elevadas e quase sempre impossíveis de cumprir.

Thierry Neuville (Hyundai i20 N Rally1)

Agora, os concorrentes vão ter pela presença 19 especiais, que não chegam a somar 400 km, embora passe a ser com mais quilómetros contra-o-relógio, quando no passado a extensão competitiva chegasse a ser bem maior.

A prova centrada em Naivasha, em vez da capital Nairobi, como sucedia no passado, arranca esta quinta-feira, com a super-especial de Kasarani (4,84 km), que servirá de apresentação das 33 equipas participantes.

A partir daí serão duplas passagens por três especiais em cada dia, com Loldia (19,17 km), Geothermal (11,68 km) e Kedong (31,25), a mais extensa, na sexta-feira, Soysambu (29,32 km), Elmenteita (15,08 km) e Sleeping Warrior (31,04 km), no sábado, e Oserian (17,52 km), Narasha (13,30 km) e Hell’s Gate (10,53 km), no domingo, com a segunda passagem pela última a funcionar como “Power Stage”.

Classificações dos Campeonatos

PILOTOS – 1.º Kalle Rovampera, 120 pontos; 2.º, Thierry Neuville, 65; 3.º, Ott Tanak, 62; 4.º, Craig Breen, 52; 5.º, Takamoto Katsuta, 47; 6.º, Elfyn Evans, 39; 7.º, Dani Sordo, 34; 8.º, Sébastien Loeb, 27; 9.º, Gus Greensmith, 26; 10.º, Sébastien Ogier, 19; 11.º, Pierre-Louis Loubet, 18; 12.º, Esapekka Lappi, 17; 13.º, Andreas Mikkelsen,12; 14.º, Oliver Solberg, 8; 15.º, Yohan Rossel, 7; 16.º, Nikolay Gryazin, 6; 17.º, Ole Christian Veiby, 4; 17.º, Kajetan Kajetanowicz, 4; 19.º, Jari Huttunen, 3; 19.º, Emil Lindholm, 3; 21.º, Erik Cais, 2; 21.º, Adrien Fourmaux, 2; 21.º, Jan Solans, 2; 24.º, Egon Kaur, 1

NAVEGADORES – 1.º Jonne Halttunen, 120 pontos; 2.º, Martijn Wydaeghe, 65; 3.º, Martin Jarveoja, 62; 4.º, Paul Nagle, 52; 5.º, Aaron Johnston, 47; 6.º, Scott Martin, 39; 7.º, Cândido Carrera, 34; 8.º, Isabelle Galmiche, 27; 9.º, Jonas Andersson, 26; 10.º, Benjamin Veillas, 19; 11.º, Vncent Landais, 18; 12.º, Janne Ferm, 17; 13.º, Torstein Eriksen,12; 14.º, Elliott Edmondson, 8; 15.º, Valentin Sarreaud, 7; 16.º, Konstantin Aleksandrov, 6; 17.º, Stig Rune Skajermoen, 4; 17.º, Maciej Szczepaniak, 4; 19.º, Reeta Hamalainen, 3; 20.º, Mikko Lukka, 3; 21.º, Petr Tesinsky, 2; 21.º, Alexandre Coria, 2; 21.º, Rodrigo Sanjuan 2; 24.º, Silver Simm, 1

MARCAS – 1.º, Toyota Gazoo Racing World Rally Team, 200 pontos; 2.º, Hyundai Shell Mobis World Rally Team, 161; 3.º, M-Sport Ford World Rally Team, 120; 4.º, Toyota Gazoo Racing World Rally Team NG, 53.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.