Loeb e Elena fecham ciclo triunfante de 23 anos

Sébastien Loeb e Daniel Elena vêem os seus caminhos separados. Vinte e três anos após a primeira participação em conjunto, piloto e navegador deixam para trás um marco histórico muito difícil de igualar.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

“E tudo o vento levou”, é um dos filmes mais conhecidos da história do cinema, tendo sido foi escrito, ao longo de dez anos, por Margaret Mitchell. Agora, 23 anos depois, a Prodrive interrompe uma ligação histórica de dois ícones do desporto motorizados e dos ralis em particular.

Esta terça-feira, Sébastien Loeb e Daniel Elena conversaram por telemóvel para “travar” a ligação de um “película” triunfante. Foi rápido a diálogo. O piloto alsaciano anunciou que, a pedido da equipa Prodrive, a sua vontade de mudar de navegador para o Dakar de 2022.

Na última edição da prova da Amaury Sport Organisation (ASO), a equipa de competição britânica estabeleceu uma parceria com a Bahrain Raid Xtreme para lutar pela vitória. A Prodrive alinhou na 43.ª edição da competição de todo-o-terreno mais exigente do mundo.

Sébastien Loeb, que tinha terminado a ligação com a equipa da Hyundai no Mundial de Ralis, juntou-se ao companheiro de equipa do espanhol Nani Roma, que já tinha sido anunciado como piloto da Bahrain Raid Xtreme para o Dakar na Arábia Saudita. No primeiro ano integrado na formação da Prodrive, Sébastien Loeb e Daniel Elena, nove vezes campeões mundiais de ralis, passaram por grandes dificuldades, acumulando furos, mas também falhas mecânicas, também sem conseguir assinar boas actuações.

Surpreso com a decisão, Daniel Elena quis reagir na sua habitual coluna “L’oeil de Danos” , onde o monegasco a não medir as palavras, num estilo que ainda lhe convém. Nesta coluna, o nove vezes campeão mundial pronunciou-se sobre o seu relacionamento com a equipa britânica Prodrive.

«Loeb e Elena no Dakar este ano com Bahrain Raid Xtreme, foi uma porcaria. Hoje recebi um telefonema do “Seb” a dizer que ele não contaria comigo no próximo Dakar, porque a equipa Prodrive decidiu que não estava adaptado e que não estava motivado nem tinha experiência suficiente, mas também que cometi muitos erros ao nível de navegação», sustentou Daniel Elena.

Posteriormente, o navegador monegasco quis responder às críticas da Prodrive, mencionando as suas vitórias em etapas no Dakar, lembrando que a dupla Sébastien Loeb e Daniel Elena havia falhado, a somente cinco minutos da vitória na edição de 2017 e logo na segunda participação neste evento.

Finalmente, o nove vezes campeão mundial não hesitou em criticar a equipa Prodrive: «Antes de você dizer que Elena desperdiça o tempo de Loeb, ouça antes Elena. Você fez uma “cebola”. O seu carro não foi feito para vencer. Você é uma equipa não estruturada. Você não me ouviu. Passei horas com meu engenheiro JP, sinto muito, porque você é realmente adorável, mas passámos horas em vídeo a dizer o que fazer e o que não fazer para tentar ganhar um Dakar e fazer um carro sólido. Ao chegar, você não ouviu o conselho, nem de mim, nem de Nani Roma ou de Seb. Você fez o que queria. É normal, é a sua filosofia. Prodrive, melhor equipa do mundo, ganhamos tudo… A última coisa que você ganhou foi em 2003 com o Solberg».

Em resposta a Sébastien Loeb, o navegador Daniel Elena foi bastante conciso: «No Dakar fiz a minha parte. Cometi alguns erros de navegação, este ano, mas todo mundo cometeu. Conseguimos fazer história ao longo de 23 anos e, agora, há dúvidas ao ponto de separação. Apenas digo bravo, Seb, não tenho nada contra ti, sempre estarei contigo e seremos sempre amigos».

Por sua vez, a comunicação de Sébastien Loeb foi muito mais clássica com algumas mensagens nas redes sociais: «Depois de cinco Dakar passados juntos e depois de discussões com a equipa, chegámos à conclusão de que poderia ser bom, ou seja, tentar outra coisa. Não é, sem uma pontada de coração, que não vamos recomeçar em 2022 como companheiros de equipa».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *